Baclofeno para Transtorno por Uso de Álcool

Criado em: 06 de Fevereiro de 2023 Autor: Raphael Coelho

A Cochrane publicou uma revisão em janeiro de 2023 sobre um novo propósito para o baclofeno: tratamento do transtorno por uso de álcool [1]. Essa droga entra no restrito grupo de medicamentos com evidência de eficácia para essa condição que afeta milhões de pessoas no mundo.

Transtorno por uso de álcool: o que é e como suspeitar?

Estima-se que 3,8% das mortes em todo o mundo são decorrentes do uso de álcool. A mortalidade de pessoas com transtorno por uso de álcool é três vezes maior do que a de pessoas sem o problema [2].

A maioria dos pacientes desenvolve o quadro até o fim da terceira década de vida. Dentre os fatores de risco estão:

  • Questões culturais
  • Disponibilidade e preço do álcool
  • Experiências pessoais
  • Níveis de estresse

Fatores genéticos contribuem fortemente para o risco de desenvolvimento da doença, além de comorbidades como depressão, insônia, ansiedade, transtorno bipolar e esquizofrenia.

Ingerir diariamente bebidas alcoólicas em pequenas doses não caracteriza por si só o diagnóstico. Devem haver consequências que resultam em sofrimento significativo e repetido ou funcionamento prejudicado.

{Tabela1}

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), documento da Associação Americana de Psiquiatria, teve sua última atualização em 2013, o DSM-V. Em relação ao DSM-IV, houve uma mudança de terminologia e critérios. No DSM-IV havia o diagnóstico de abuso e dependência por álcool, enquanto o DSM-V unificou os critérios, chamando de “transtorno por uso de álcool” (veja a tabela 1).

Quais são os tratamentos com evidência para transtorno por uso de álcool?

Os dois medicamentos de primeira linha são a naltrexona e o acamprosato. Ambos têm resultados semelhantes em reduzir o risco de retorno ao uso (número necessário para tratar de 12 a 20) e o número total de dias de consumo de álcool [3].

A naltrexona deve ser prescrita inicialmente na dose de 50 mg por dia via oral, até uma dose máxima de 100 mg. Pode ser iniciada em pacientes que ainda estão em uso de álcool. O acamprosato que não está disponível no Brasil é usado apenas quando o paciente está em abstinência. Naltrexona e acamprosato podem ser associados. Outras drogas com evidências de benefício estão na tabela 2.

{Tabela2}

A maior parte dos estudos incluiu pacientes com dependência por álcool pelo DSM-IV, um diagnóstico que é melhor representado pelos quadros moderados ou graves de transtorno por uso de álcool pelo DSM-V.

O que o estudo da Cochrane acrescenta na prática?

A revisão e metanálise da Cochrane avaliou a eficácia e segurança do baclofeno para transtorno do uso de álcool. Foram incluídos 17 ensaios clínicos randomizados controlados em um total de 1818 pacientes, com intervenções que duraram de 3 meses a 1 ano. A maior parte dos estudos durou menos de 12 semanas e teve menos de 100 participantes. Os trabalhos utilizaram o DSM-IV ou CID-10 e incluíram pacientes com diagnóstico de dependência por álcool. A idade média foi de 46 anos, sendo 70% homens.

Em comparação com placebo, o baclofeno reduziu o risco de recaída e aumentou a taxa de dias abstinentes em pacientes que estavam há pelo menos 3 dias sem consumir álcool. Esse efeito não foi visto no subgrupo de pacientes que permaneceram bebendo. Também não houve redução na taxa de dias de consumo pesado, número de doses por dia, fissura por álcool, ansiedade ou depressão.

A redução do risco de recaída foi de aproximadamente 13%. Isso significa que de cada 100 pacientes, 13 pessoas a mais não voltaram a consumir álcool pelo efeito do baclofeno. Além disso, houve aumento do tempo de abstinência em torno de 3 dias por mês.

Apesar de bem tolerado, alguns efeitos adversos ocorreram como fadiga, vertigem, sonolência, boca seca, parestesias e espasmos musculares.

O baclofeno é um agonista do receptor GABA inicialmente aprovado para espasticidade por doenças neurológicas. A hipótese é de que o baclofeno reduza os efeitos de recompensa e adicção induzidos pelo álcool ao suprimir a liberação de dopamina no sistema mesolímbico.

A maior parte dos estudos iniciou com 5 mg/dia, subindo 5 mg a cada 3 dias até doses alvo de 30 mg até 80 mg/dia. No Brasil, a apresentação é de 10 mg por comprimido. A meia vida é curta, necessitando de 3 a 4 tomadas diárias. O medicamento pode ser usado em pacientes com hepatopatia, mas deve-se ter cautela naqueles com doença renal crônica. Há relatos de intoxicação e tentativas de suicído por overdose, o que fez a França não permitir doses diárias maiores do que 80 mg.

Essa revisão não tirou conclusões sobre comparações com outras drogas, porque há poucos estudos. Também não foi possível avaliar os possíveis malefícios do uso concomitante de baclofeno com sedativos, como benzodiazepínicos ou o próprio álcool.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
4 de Março de 2024

Manejo Não Hormonal de Sintomas Vasomotores do Climatério e Fezolinetanto

Os sintomas vasomotores são comuns no climatério e impactam a qualidade de vida das mulheres. A terapia com reposição hormonal é a mais eficaz para o tratamento, mas os riscos e contraindicações podem limitar o uso. O fezolinetanto é um novo medicamento não hormonal que foi aprovado em 2023 para uso nos Estados Unidos, após a publicação de dois estudos de fase 3. Este tópico aborda o tratamento não hormonal desse quadro e traz os resultados dos estudos da nova droga.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
18 de Julho de 2022

Reposição Intravenosa de Ferro

A anemia ferropriva é a causa mais comum de anemia no mundo. A reposição intravenosa de ferro é preferida em alguns casos devido a rápida correção da hemoglobina. Em maio de 2022, o Annals of Internal Medicine publicou um trabalho sobre o risco de anafilaxia associada ao uso de ferro intravenoso. Aproveitando o artigo, vamos revisar o tema.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
13 de Fevereiro de 2023

Tuberculose Latente

A tuberculose latente é um problema global de saúde pública. Com o aumento do uso de imunossupressores, em especial inibidores do fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa), a preocupação com a progressão da doença para a forma ativa tem aumentado. Em 2022, o New England Journal of Medicine Evidence e o Journal of the American Medical Association (JAMA) publicaram revisões sobre o assunto. Vamos trazer os principais pontos neste tópico.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
8 de Maio de 2023

Rastreio de Câncer de Próstata

Um assunto muito debatido na literatura urológica é o rastreio de câncer de próstata. Neste tópico, trazemos o estudo GÖTEBORG-2 que avaliou o uso da ressonância magnética para selecionar a indicação de biópsias de próstata. Aproveitamos e revisamos o tema.

hourglass_empty 12 min
Ler Tópico
11 de Julho de 2022

Manejo de Hiperparatiroidismo Primário

O tratamento definitivo de hiperparatireoidismo primário (HPP) é cirúrgico. Há dúvidas sobre a indicação de cirurgia no HPP leve assintomático. O seguimento de longo prazo de um ensaio clínico importante sobre o tema acaba de ser publicado. Aproveitando a publicação, revisamos os principais pontos do manejo dessa condição.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Effectiveness of drugs acting on adrenergic receptors in the treatment for tobacco or alcohol use disorders: systematic review and meta-analysis

Effectiveness of drugs acting on adrenergic receptors in the treatment for tobacco or alcohol use disorders: systematic review and meta-analysis

Vanderkam P, Solinas M, Ingrand I, Doux N, Ebrahimighavam S, Jaafari N, Lafay-Chebassier C. Effectiveness of drugs acting on adrenergic receptors in the treatment for tobacco or alcohol use disorders: systematic review and meta-analysis. Addiction. 2021.

Ondansetron for reduction of drinking among biologically predisposed alcoholic patients: A randomized controlled trial

Ondansetron for reduction of drinking among biologically predisposed alcoholic patients: A randomized controlled trial

Johnson BA, Roache JD, Javors MA, DiClemente CC, Cloninger CR, Prihoda TJ, Bordnick PS, Ait-Daoud N, Hensler J. Ondansetron for reduction of drinking among biologically predisposed alcoholic patients: A randomized controlled trial. JAMA. None.

A meta-analysis of the efficacy of gabapentin for treating alcohol use disorder

A meta-analysis of the efficacy of gabapentin for treating alcohol use disorder

Kranzler HR, Feinn R, Morris P, Hartwell EE. A meta-analysis of the efficacy of gabapentin for treating alcohol use disorder. Addiction. 2019.

Opioid antagonists for alcohol dependence

Opioid antagonists for alcohol dependence

Rösner S, Hackl-Herrwerth A, Leucht S, Vecchi S, Srisurapanont M, Soyka M. Opioid antagonists for alcohol dependence. Cochrane Database Syst Rev. 2010.

Pharmacotherapy for adults with alcohol use disorders in outpatient settings: a systematic review and meta-analysis

Pharmacotherapy for adults with alcohol use disorders in outpatient settings: a systematic review and meta-analysis

Jonas DE, Amick HR, Feltner C, Bobashev G, Thomas K, Wines R, Kim MM, Shanahan E, Gass CE, Rowe CJ, Garbutt JC. Pharmacotherapy for adults with alcohol use disorders in outpatient settings: a systematic review and meta-analysis. JAMA. 2014.

Baclofen for alcohol use disorder

Baclofen for alcohol use disorder

Agabio R, Saulle R, Rösner S, Minozzi S. Baclofen for alcohol use disorder. Cochrane Database Syst Rev. 2023.