Hiponatremia na Emergência

Criado em: 20 de Fevereiro de 2023 Autor: Pedro Rafael Del Santo Magno

Hiponatremia é um dos distúrbios eletrolíticos mais comuns. O American Journal of Emergency Medicine publicou um artigo de revisão sobre o tema em outubro de 2022, com foco na perspectiva do médico na sala de emergência [1]. Vamos revisar esse tema neste tópico.

Entendendo a hiponatremia

Hiponatremia é um problema comum na sala de emergência, com uma prevalência de 3 a 10% a depender da coorte. Idosos e pacientes com agudização de doença renal crônica têm o distúrbio com maior frequência. A incidência aumenta no verão, provavelmente devido a maior estímulo a bebidas hipotônicas.

Os sintomas de hiponatremia variam muito, podendo ser leves e inespecíficos como mal-estar, até ameaçadores à vida como sintomas de edema cerebral. As queixas mais comuns no departamento de emergência são náusea, fraqueza muscular, vertigem e histórico de quedas. Os sintomas mais graves estão na tabela 1.

{Tabela1}

Hiponatremia que surge de maneira súbita é o maior preditor do aparecimento de sintomas graves.

Durante um estado de hiponatremia, o meio extracelular fica hiposmolar. O cérebro se adapta através da excreção de solutos do meio intra para o extracelular. Esse mecanismo de defesa demanda tempo. Na hiponatremia súbita, o meio extracelular se torna hiposmolar muito rápido, dificultando a adaptação. O resultado é um fluxo de água do sangue para o cérebro, ocasionando edema.

Primeiro passo

As primeiras coisas a serem feitas diante de uma hiponatremia no departamento de emergência são:

  • Afastar que a hiponatremia é por hiperglicemia ou pseudohiponatremia. Hiponatremia por hiperglicemia é uma hiponatremia hiperosmolar e não causa os sintomas de edema cerebral. Pseudohiponatremia é suspeitada quando a história é compatível com hipertrigliceridemia ou hiperproteinemia (ex.: pancreatite por hipertrigliceridemia, xantomas eruptivos, quadro clínico sugestivo de mieloma).
  • Avaliar função renal e outros eletrólitos. Principalmente potássio, já que a coexistência com outros distúrbios eletrolíticos é comum.
  • Identificar se o paciente possui sintomas moderados a graves e avaliar se esses sintomas são explicados pela hiponatremia.

Diante de um paciente com hiponatremia aguda - menos de 48 horas de instalação - e com sintomas graves, deve-se infundir 150 ml de NaCl 3% (ou 2 ml/kg) em um período de 20 minutos. O sódio sérico deve ser medido novamente após 20 minutos do fim da infusão. O objetivo desse tratamento é aumentar a concentração sérica de sódio em 5 mmol/L.

Caso o paciente ainda mantenha sintomas e a meta de 5 mmol/L não tenha sido atingida, deve-se repetir a infusão, repetindo também a dosagem do sódio sérico. Se o sódio aumentar 5 mmol/L ou mais e o paciente mantiver sintomas de edema cerebral, deve-se investigar outras causas. A hipótese nessa situação é de que a hiponatremia seja apenas uma consequência de um outro processo no sistema nervoso central responsável pelos sintomas.

O limite de aumento do sódio é de 8 a 10 mmol/L em 24 horas. Após correção, o sódio deve ser monitorizado a cada 4 a 6 horas, a depender da gravidade.

A diretriz europeia sugere tratar pacientes com sintomas moderadamente graves de maneira similar aos pacientes com sintomas graves [2]. Contudo, por conta da falta de evidência nesse cenário, a diretriz faz a ponderação de que pode haver tempo para procurar a etiologia da hiponatremia e tratar a causa.

Na urgência, uma solução de NaCl próxima de 3% pode ser feita através da combinação de 100 ml de NaCl 0,9% e 10 ml de NaCl 20%. Isto resulta em uma solução de 110 ml de NaCl 2,6%.

Pacientes assintomáticos

Em pacientes assintomáticos, a primeira etapa é classificar se o distúrbio é agudo (em menos de 48 horas) e se houve queda de mais de 10 mmol/L de sódio nesse período. Nesses casos, o paciente pode ser tratado como os pacientes sintomáticos.

Caso o distúrbio não seja agudo ou não exista comprovação se é agudo ou não, a causa da hiponatremia deve ser tratada, principalmente quando há uma etiologia óbvia, como pacientes nos extremos da volemia (expansão volêmica para pacientes hipovolêmicos e restrição de fluidos para pacientes hipervolêmicos). Medicações que causam ou contribuem com a hiponatremia devem ser suspensas, como tiazídicos e outros diuréticos.

O artigo de revisão se posiciona contra iniciar o manejo de um paciente com hiponatremia crônica e assintomática no departamento de emergência. Esses pacientes necessitam de uma abordagem diagnóstica complexa e a terapia empírica errada pode agravar a hiponatremia ou falsear exames como o sódio urinário.

Supercorreção

Durante a correção da hiponatremia, o valor do sódio pode seguir um curso impreciso e se elevar acima do limite (8 a 10 mmol/L em 24 horas). Isso pode resultar em síndrome de desmielinização osmótica (SDO). Essa síndrome também pode ocorrer quando o sódio está em um nível normal, mas que se eleva abruptamente, como em pacientes fazendo infusão de soluções com alta concentração de sódio.

A SDO pode ocasionar alteração do nível de consciência e fraqueza muscular com padrão de primeiro neurônio motor. Os sintomas tipicamente surgem de 2 a 6 dias após a supercorreção. Na suspeita de SDO, deve-se solicitar ressonância magnética de crânio que pode mostrar alterações sugestivas de desmielinização.

Não há tratamento para SDO com boas evidências. Algumas terapias experimentais incluem corticoide, imunoglobulina e plasmaférese.

O escore SHOR (veja a tabela 2) discrimina pacientes com alto risco para supercorreção [3]. A correção do sódio nesses pacientes deve ser feita de maneira mais gradual e com maior vigilância.

{Tabela2}

Caso ocorra supercorreção, deve-se reduzir com urgência os valores de sódio para abaixo do limite recomendado. Isso pode ser feito com solução de glicose (2 a 3 ml/kg/hora) associado ou não a desmopressina via intravenosa (2–4 μg a cada 6-8 horas).

Compartilhe:
Aproveite e leia:
9 de Junho de 2024

Síndrome da Antidiurese Inapropriada (SIAD)

A síndrome da antidiurese inapropriada (SIAD) é a causa mais frequente de hiponatremia. Em outubro de 2023, foi publicada do New England Journal of Medicine uma revisão sobre o tema. Esse tópico traz os principais pontos da revisão.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
7 de Novembro de 2022

Piúria, Bacteriúria e Delirium

O diagnóstico de infecção do trato urinário (ITU) pode ser feito sem o exame de urina se os sintomas forem clássicos. Contudo, se os sintomas forem atípicos ou naqueles com dificuldade em demonstrar seus sintomas, existe dúvida sobre o papel dos exames de urina. Nesse contexto, trouxemos um estudo publicado em setembro de 2022 no American Journal of Medicine sobre a correlação entre piúria e bacteriúria.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
6 de Maio de 2024

Hipomagnesemia

Hipomagnesemia é um distúrbio eletrolítico comum, podendo ocorrer em até 10% dos pacientes em enfermaria e 65% daqueles em terapia intensiva. Um estudo publicado em 2023 revisou estratégias de reposição intravenosa de magnésio. Este tópico foca na avaliação e tratamento da hipomagnesemia e traz os resultados do estudo

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
8 de Julho de 2024

Bloqueador Neuromuscular na Intubação Orotraqueal

Os bloqueadores neuromusculares (BNM) são utilizados para indução de paralisia muscular na intubação de sequência rápida (ISR). Este tópico revisa o uso do BNM na ISR e novas evidências sobre a escolha de cada agente.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
12 de Junho de 2023

Tomografia de Crânio no Delirium

Delirium é uma síndrome com várias causas e manifestações. Os exames complementares que fazem parte da investigação do delirium não são consensuais. O Journal of the American Geriatric Society publicou um trabalho que tenta responder como a tomografia de crânio pode ajudar no esclarecimento das causas de alteração do estado mental ou delirium. Este tópico revisa o diagnóstico e a investigação de delirium e traz os resultados do estudo.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #33
replay_10