Rastreio de Câncer de Próstata

Criado em: 08 de Maio de 2023 Autor: Raphael Coelho

Um assunto muito debatido na literatura urológica é o rastreio de câncer de próstata. Neste tópico, trazemos o estudo GÖTEBORG-2 que avaliou o uso da ressonância magnética para selecionar a indicação de biópsias de próstata. Aproveitamos e revisamos o tema [1].

Quem poderia se beneficiar do rastreio de câncer de próstata?

O câncer de próstata é a segunda maior causa de morte por câncer entre homens no Brasil. Apesar de ser um câncer muito prevalente, a letalidade não é alta em comparação com outras neoplasias [2].

Estudos de autópsia indicam que até 30% dos homens com 50 anos e 70% dos homens com 70 anos têm câncer de próstata. Na maior parte das vezes, essas neoplasias não haviam sido identificadas em vida. Esses dados sugerem que o risco de sobrediagnóstico é alto [3].

Uma revisão da Cochrane de 2018 investigou o rastreio do câncer de próstata [4]. Incluindo 5 ensaios clínicos randomizados com mais de 720 mil homens, o estudo encontrou que o rastreio se associa a um maior número de diagnósticos de câncer e detecção de doenças menos avançadas, mas sem benefício de sobrevida.

{Tabela1}

O estudo ERSPC incluiu mais de 180 mil homens e viu uma diferença significativa de mortalidade por câncer devido ao rastreio a cada 2 a 4 anos [5]. O protocolo incluiu homens de 50 a 74 anos e indicava biópsia de próstata caso o PSA fosse maior do que 3 ou 4 ng/mL (o valor de corte dependia do centro). Os pacientes deste estudo seguem sendo acompanhados e o NNT está caindo ao longo do tempo, indicando que o benefício se amplia de acordo com a sobrevida dos pacientes, conforme indica a tabela 1. Segundo os dados deste estudo, o rastreio sistemático pode reduzir a mortalidade, mas com sobrediagnóstico.

{Tabela2}

A USPSTF considera que o tratamento do câncer em estágio inicial detectado por rastreio provavelmente diminui a chance de progressão clínica e de doença metastática e talvez reduza a mortalidade. A tabela 2 traz recomendações sobre as populações alvo que poderiam se beneficiar com o rastreio do câncer de próstata [6-8, 9].

Como conversar com o seu paciente sobre o rastreio?

{Tabela3}

A Cartilha do INCA simplifica a discussão em 2 tópicos sobre benefícios e 2 sobre os riscos do rastreio de câncer de próstata (tabela 3) [10]. Outra maneira de conversar sobre o rastreio é trazendo dados dos grandes estudos, como na tabela 4, traduzida do documento da USPSTF.

{Tabela4}

Como fazer o rastreio?

O rastreio deve ser feito com a dosagem de PSA. A USPSTF não recomenda o toque retal, considerando que a maior parte dos trabalhos excluiu esse exame e não existe evidência de benefício [6]. Já a diretriz europeia de urologia recomenda PSA e toque retal, pois acredita que a baixa acurácia nos diagnósticos ocorre na atenção primária provavelmente por inexperiência dos examinadores [11].

Quanto maior o valor do PSA, maior é o risco de câncer de próstata e de cânceres mais agressivos. Nos Estados Unidos, PSA > 4 ng/mL é indicação de biópsia. Já na Europa, quando PSA > 3 ng/mL indica-se a biópsia.

O maior problema do rastreio é o diagnóstico de cânceres de baixo risco e as complicações relacionadas ao tratamento. Isso ocorre pela alta prevalência de cânceres de próstata indolentes, de crescimento lento ou que não progridem [6].

Quatro estratégias podem diminuir os malefícios relacionados ao rastreio:

  • Identificar pacientes de grupos de risco
  • Individualizar o intervalo de um novo teste - Pacientes com PSA < 1 ng/mL e 40 anos de idade ou < 2 ng/mL e 60 anos de idade podem adiar a repetição do PSA em até 8 anos.
  • Melhorar as indicações da biópsia usando calculadoras de risco ou ressonância magnética (RM) - As calculadoras de risco devem ser adequadas à população estudada. A coorte ERSPC gerou a seguinte calculadora e na coorte PCPT foi utilizada esta segunda ferramenta
  • Biópsias guiadas e aplicação de vigilância ativa para doenças de baixo risco.

O que o estudo pode mudar no rastreio?

O estudo GÖTEBORG-2 utilizou a ressonância magnética para tentar melhorar as indicações de biópsia e para guiar o procedimento da biópsia.

Dezoito mil homens de 50 a 60 anos foram randomizados em dois grupos. Todos os participantes faziam rastreio com PSA e realizavam RM se PSA > 3 ng/mL. O grupo intervenção ia para biópsia guiada apenas se houvesse uma lesão PI-RADS 3 ou mais ( escala radiológica que vai de 1 a 5 que indica o grau de suspeição da lesão). O grupo de referência realizava biópsia independente dos achados da RM. Todos os pacientes com PSA acima de 10 ng/mL eram biopsiados, independentemente dos resultados da RM.

Menos pacientes do grupo intervenção tiveram diagnóstico de câncer de próstata clinicamente insignificante, em comparação com o grupo de referência. A incidência de câncer de próstata clinicamente insignificante foi de 0.6% no grupo da biópsia guiada e 1.2% no grupo da biópsia sistemática, uma diferença de -0.7% (95% IC -1,0 a -0.4; risco relativo, 0.46; 95% IC, 0.33 a 0.64; P < 0.001). Não houve diferença significativa no diagnóstico de câncer clinicamente significativo.

O critério de câncer clinicamente insignificante foi a escala de Gleason 3+3 ou ISUP 1. Dez pacientes foram diagnosticados com cânceres clinicamente significativos que não foram vistos na RM. Seis desses pacientes fizeram vigilância ativa (não houve intervenção).

Introduzir a RM antes da biópsia em pacientes com PSA entre 3 e 10 poderia reduzir pela metade o risco de detecção de cânceres insignificantes. Essa estratégia pode reduzir o número de biópsias e suas complicações, com um custo de perder um número pequeno de cânceres clinicamente significativos.

{Fluxograma1}

O fluxograma 1 traz uma sugestão de como fazer o rastreio do câncer de próstata.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
16 de Janeiro de 2023

Metenamina para Prevenção de Infecção Urinária

Faltam alternativas para profilaxia de infecção urinária de repetição, além do uso de antibióticos. O British Medical Journal (BMJ) publicou o estudo ALTAR que testou metenamina, um antiséptico das vias urinárias, com resultados que devem ser incorporados em futuras diretrizes. Vamos rever as evidências sobre o tema.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
1 de Julho de 2024

Rastreio de Transtornos Psiquiátricos

Transtornos mentais são prevalentes e negligenciados. O estudo GET.FEEDBACK.GP foi publicado em abril de 2024 no Lancet Psychiatry e aborda o rastreio de depressão. Este tópico discute o tema e traz os resultados do estudo.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
11 de Dezembro de 2023

Neoplasia de Testículos

A neoplasia de testículo é uma das neoplasias mais comuns da população jovem. Em novembro de 2022 o British Medical Journal publicou uma revisão sobre os avanços da abordagem dessa doença. Nesse "Síndromes e Cenários", trazemos os principais pontos discutidos na publicação.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
9 de Janeiro de 2023

Clortalidona versus Hidroclorotiazida para Prevenção de Eventos Cardiovasculares

Existe uma briga entre os tiazídicos: entre clortalidona e hidroclorotiazida, qual mais protege de eventos cardiovasculares? Qual causa mais distúrbio eletrolítico? O New England Journal of Medicine (NEJM) publicou um estudo em dezembro de 2022 para responder essas questões.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
18 de Dezembro de 2023

Anemia Ferropriva

A deficiência de ferro é a causa mais comum de anemia no mundo. A anemia ferropriva tem impacto em todos os países, afetando especialmente crianças, mulheres em idade reprodutiva e pessoas com doenças crônicas. Esta revisão aborda as manifestações clínicas, diagnóstico laboratorial e tratamento desta condição

hourglass_empty 21 min
Ler Tópico

article Artigos

Prostate Cancer Screening with PSA and MRI Followed by Targeted Biopsy Only

Prostate Cancer Screening with PSA and MRI Followed by Targeted Biopsy Only

Hugosson J, Månsson M, Wallström J, Axcrona U, Carlsson SV, Egevad L, Geterud K, Khatami A, Kohestani K, Pihl CG, Socratous A, Stranne J, Godtman RA, Hellström M, GÖTEBORG-2 Trial Investigators. Prostate Cancer Screening with PSA and MRI Followed by Targeted Biopsy Only. N Engl J Med. 2022.

Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries

Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries

Bray F, Ferlay J, Soerjomataram I, Siegel RL, Torre LA, Jemal A. Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA Cancer J Clin. 2018.

Prevalence of incidental prostate cancer: A systematic review of autopsy studies

Prevalence of incidental prostate cancer: A systematic review of autopsy studies

Bell KJ, Del Mar C, Wright G, Dickinson J, Glasziou P. Prevalence of incidental prostate cancer: A systematic review of autopsy studies. Int J Cancer. 2015.

Prostate cancer screening with prostate-specific antigen (PSA) test: a systematic review and meta-analysis

Prostate cancer screening with prostate-specific antigen (PSA) test: a systematic review and meta-analysis

Ilic D, Djulbegovic M, Jung JH, Hwang EC, Zhou Q, Cleves A, Agoritsas T, Dahm P. Prostate cancer screening with prostate-specific antigen (PSA) test: a systematic review and meta-analysis. BMJ. 2018.

A 16-yr Follow-up of the European Randomized study of Screening for Prostate Cancer

A 16-yr Follow-up of the European Randomized study of Screening for Prostate Cancer

Hugosson J, Roobol MJ, Månsson M, Tammela TLJ, Zappa M, Nelen V, Kwiatkowski M, Lujan M, Carlsson SV, Talala KM, Lilja H, Denis LJ, Recker F, Paez A, Puliti D, Villers A, Rebillard X, Kilpeläinen TP, Stenman UH, Godtman RA, Stinesen Kollberg K, Moss SM, Kujala P, Taari K, Huber A, van der Kwast T, Heijnsdijk EA, Bangma C, De Koning HJ, Schröder FH, Auvinen A, ERSPC investigators. A 16-yr Follow-up of the European Randomized study of Screening for Prostate Cancer. Eur Urol. 2019.