Benzodiazepínicos, Drogas-Z e Quedas

Criado em: 19 de Junho de 2023 Autor: Marcela Belleza

Benzodiazepínicos e agonistas de seus receptores - as "drogas Z" - são medicações para manejo de condições como insônia e ansiedade. Possuem efeitos adversos graves, incluindo dependência, quedas e fraturas. Uma revisão sobre o risco de quedas com o uso dessas drogas foi publicada pelo Jornal da European Geriatric Medicine em dezembro de 2022 e aproveitamos para trazer detalhes a respeito do assunto [1].

Quedas provocadas por benzodiazepínicos e drogas-Z

Quedas são eventos frequentes, especialmente em pessoas acima de 65 anos. Estima-se uma queda por ano em um terço desta população. Dentre as diversas consequências das quedas, destacam-se internações, fraturas e mortalidade - implicando em cerca de 600 mil mortes por este mecanismo. Um dos fatores de risco de quedas mais frequente e modificável é o uso de medicações psicotrópicas. Diversos estudos já demonstraram que benzodiazepínicos e drogas-Z (zolpidem e zopiclona) aumentam a incidência de quedas [2-4].

Os mecanismos que aumentam o risco de quedas relacionado aos benzodiazepínicos e drogas-Z incluem a própria sedação pelas medicações, mas também a ocorrência de delirium, hipotensão ortostática, transtornos do movimento (fraqueza e sintomas extrapiramidais) e alterações visuais [1, 3].

Nos idosos, os efeitos adversos com essas medicações são mais comuns. Isso ocorre por [1-3, 5]:

  • Alteração da farmacocinética devido à mudança da composição corporal
  • Interação medicamentosa em uma população com maior prevalência de polifarmácia
  • Coexistência de outras condições que também aumentam o risco de quedas (transtornos do movimento, déficits sensoriais, etc)

Quais são as alternativas para benzodiazepínicos e drogas-Z?

Benzodiazepínicos e as drogas-Z são frequentemente prescritos para o manejo de insônia e ansiedade. No entanto, seu benefício se sustenta, em média, por 4 semanas. Após esse período, a eficácia no controle dessas condições diminui, enquanto os efeitos adversos permanecem [1, 2].

Manejo adequado de insônia crônica

O manejo de pacientes com insônia primária crônica tem como base a terapia não farmacológica. Terapia cognitivo comportamental, associada a estratégias como higiene do sono, são a primeira linha de tratamento [1, 2].

Pacientes com insônia crônica devem ter uma avaliação minuciosa de fatores que perpetuam a condição - averiguando especialmente as medicações. Entre essas, merecem destaque os alfa e beta bloqueadores, corticoesteroides e inibidores de acetilcolinesterase [1].

Casos específicos podem necessitar de terapia farmacológica, como melatonina [3]. As opções terapêuticas foram melhor detalhadas no episódio de insônia.

Manejo adequado do transtorno de ansiedade

No contexto do transtorno de ansiedade generalizada (TAG), os benzodiazepínicos têm ainda menor evidência. Devem ser reservados para casos graves ou refratários.

A primeira linha para o manejo é sempre não farmacológica - com destaque novamente para a terapia cognitivo-comportamental. Estratégias farmacológicas também podem ser usadas, sendo a escolha os inibidores de recaptação de serotonina ou inibidores de recaptação duais (serotonina e noradrenalina) [1, 3].

Como desprescrever benzodiazepínicos e drogas-Z?

Desprescrição é o processo sistemático de descontinuação ou redução gradual de medicamentos inadequados [6]. A desprescrição de benzodiazepínicos e drogas-Z deve ser lenta, com o objetivo de evitar síndrome de retirada da medicação ou abstinência e piora de sintomas previamente controlados, como ansiedade [2].

O fluxograma 1 detalha as características de pacientes que se beneficiam da desprescrição dos benzodiazepínicos e drogas-Z. Alguns protocolos de desprescrição já foram criados para facilitar o controle do processo. A maioria deles recomenda redução em 25% da dose a cada 2 semanas, como discutido no episódio sobre o tema [2, 7].

{Fluixogram1}

Durante a desprescrição, deve-se atentar a sintomas como irritabilidade, sudorese, cefaleia, delirium e convulsões. O paciente deve ser informado quanto a esses efeitos e os benefícios da descontinuação da medicação sempre devem ser enfatizados [1].

Compartilhe:
Aproveite e leia:
3 de Junho de 2024

Betabloqueador Após Infarto Agudo do Miocárdio

A prescrição de betabloqueadores após infarto agudo do miocárdio (IAM) é uma prática baseada em evidências da década de 80 de diminuição de mortalidade. O ensaio clínico randomizado REDUCE-AMI, publicado em abril de 2024 no New England Journal of Medicine, avaliou o uso de betabloqueadores no pós-infarto em pacientes com fração de ejeção preservada. Esse tópico traz os resultados do estudo e discute o tema.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
20 de Maio de 2024

Infecções Oportunistas Associadas a Corticoides Sistêmicos

Corticoides estão relacionados a vários eventos adversos, entre eles as infecções. Em abril de 2024, a revista Clinical Infectious Diseases publicou um artigo sobre o risco de infecções oportunistas associadas ao uso crônico de corticoides. Este tópico traz os principais pontos da publicação.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
31 de Outubro de 2022

Controle Farmacológico de Sintomas

O tema da revisão do mês é controle farmacológico dos principais sintomas do dia a dia: dor, dispneia, náuseas e vômitos. Trazemos para você um manual de prescrição de medicamentos para esses problemas!

hourglass_empty 22 min
Ler Tópico
18 de Dezembro de 2023

Anemia Ferropriva

A deficiência de ferro é a causa mais comum de anemia no mundo. A anemia ferropriva tem impacto em todos os países, afetando especialmente crianças, mulheres em idade reprodutiva e pessoas com doenças crônicas. Esta revisão aborda as manifestações clínicas, diagnóstico laboratorial e tratamento desta condição

hourglass_empty 21 min
Ler Tópico
29 de Maio de 2022

Vacina Pneumocócica no Adulto

Atualmente, o esquema de vacinação pneumocócica no Brasil é baseado em duas vacinas: VPC13 e VPP23. Em outubro de 2021, o Comitê de Práticas Imunizantes dos Estados Unidos recomendou o uso das novas vacinas PCV15 ou PCV20, considerando uma maior efetividade com relação ao esquema anterior. Assim, trazemos uma revisão do esquema vacinal brasileiro e os principais pontos desta nova recomendação.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Therapeutic dilemmas with benzodiazepines and Z-drugs: insomnia and anxiety disorders versus increased fall risk: a clinical review

Therapeutic dilemmas with benzodiazepines and Z-drugs: insomnia and anxiety disorders versus increased fall risk: a clinical review

Capiau A, Huys L, van Poelgeest E, van der Velde N, Petrovic M, Somers A, EuGMS Task, Finish Group on FRIDs. Therapeutic dilemmas with benzodiazepines and Z-drugs: insomnia and anxiety disorders versus increased fall risk: a clinical review. Eur Geriatr Med. 2022.

Benzodiazepine Use in Older Adults: Dangers, Management, and Alternative Therapies

Benzodiazepine Use in Older Adults: Dangers, Management, and Alternative Therapies

Markota M, Rummans TA, Bostwick JM, Lapid MI. Benzodiazepine Use in Older Adults: Dangers, Management, and Alternative Therapies. Mayo Clin Proc. 2016.

Z-drugs and risk for falls and fractures in older adults-a systematic review and meta-analysis

Z-drugs and risk for falls and fractures in older adults-a systematic review and meta-analysis

Treves N, Perlman A, Kolenberg Geron L, Asaly A, Matok I. Z-drugs and risk for falls and fractures in older adults-a systematic review and meta-analysis. Age Ageing. 2018.

STOPPFall (Screening Tool of Older Persons Prescriptions in older adults with high fall risk): a Delphi study by the EuGMS Task and Finish Group on Fall-Risk-Increasing Drugs

STOPPFall (Screening Tool of Older Persons Prescriptions in older adults with high fall risk): a Delphi study by the EuGMS Task and Finish Group on Fall-Risk-Increasing Drugs

Seppala LJ, Petrovic M, Ryg J, Bahat G, Topinkova E, Szczerbińska K, van der Cammen TJM, Hartikainen S, Ilhan B, Landi F, Morrissey Y, Mair A, Gutiérrez-Valencia M, Emmelot-Vonk MH, Mora MÁC, Denkinger M, Crome P, Jackson SHD, Correa-Pérez A, Knol W, Soulis G, Gudmundsson A, Ziere G, Wehling M, O'Mahony D, Cherubini A, van der Velde N. STOPPFall (Screening Tool of Older Persons Prescriptions in older adults with high fall risk): a Delphi study by the EuGMS Task and Finish Group on Fall-Risk-Increasing Drugs. Age Ageing. 2021.