Pré-oxigenação e Oxigenação Apneica na Intubação

Criado em: 03 de Julho de 2023 Autor: Kaue Malpighi

Dessaturação e hipoxemia durante a intubação estão associadas a eventos adversos graves. Duas estratégias utilizadas para evitá-las são a pré-oxigenação e a oxigenação apneica. Em abril de 2023, um artigo sobre o uso de cateter nasal de alta fluxo na oxigenação apneica foi publicado no Annals of Intensive Care [1]. Este tópico revisa o tema e traz os resultados do estudo.

O que é e como fazer pré-oxigenação?

Níveis de saturação de O2 (SpO2) abaixo de 90% ocorrem em um terço dos pacientes durante a intubação em sequência rápida. Esse é um evento potencialmente grave. Algumas consequências incluem instabilidade hemodinâmica, lesão cerebral hipóxica e parada cardiorrespiratória. O tempo que o paciente permanece com saturação abaixo de 90% aumenta o risco de complicações [2, 3].

Idealmente, deve-se manter a saturação acima de 92% durante a intubação. A queda da saturação ocorre de forma progressivamente mais rápida com a dessaturação. O maior ponto de deflexão da curva de dissociação da hemoglobina acontece com a SpO2 em aproximadamente 93% como se observa na figura 1 [4].

{Figura1}

A estratégia mais usada e conhecida para prevenir a dessaturação é a pré-oxigenação. Ela consiste em oferta de oxigenação com alta fração inspirada de O2 (FiO2) imediatamente antes da intubação. A pré-oxigenação adequada deve ser mantida por pelo menos 3 minutos. A máscara não-reinalante (MNR), bolsa-válvula-máscara (BVM) ou ventilação não invasiva (VNI) podem ser usados para pré-oxigenação. Quando MNR ou BVM são usados, o fluxo de oxigênio deve o "flush rate". Isso significa girar a válvula do fluxômetro até o final, mesmo após atingir 15 L/min. Essa estratégia pode fornecer fluxos de 30 a 60 L/min, otimizando a oferta da FiO2. Na VNI utiliza-se FiO2 de 100%.

A escolha do dispositivo para a pré-oxigenação é feita conforme o risco de hipoxemia de cada paciente [5]:

  • SpO2 > 95% (baixo risco para dessaturação) - pacientes colaborativos sem hipoxemia grave, a MNR é um opção adequada [6].
  • SpO2 entre 91 e 95% (alto risco para dessaturação) - o uso de MNR, BVM com PEEP e CPAP é semelhante em pacientes colaborativos.
  • SpO2 < 90% (hipoxêmico) - Em pacientes com hipoxemia grave e/ou necessidade> 10 L/min de oxigênio antes da intubação, há benefício do uso de VNI para aumentar o tempo de apneia segura [7].

A via aérea tem que estar adequadamente desobstruída e posicionada. Em casos de pacientes com rebaixamento do nível de consciência e ventilação espontânea inadequada (musculatura cervical hipotônica, flexão cervical e queda posterior da língua), o uso de BVM pode ser preferível. A BVM permite manipulação cefálica e cervical para manter a abertura da via aérea e adequada adaptação da interface máscara-face com as manobras jaw-thrust ou chin-lift e a cânula orofaríngea (cânula de Guedel).

{Figura2}

Em pacientes adequadamente pré-oxigenados, o tempo estimado para dessaturação abaixo de 90% está resumido na figura 2, sendo dependente de fatores como idade, peso e doenças crônicas.

O que é e como fazer oxigenação apneica?

A oxigenação apneica consiste na administração passiva de oxigênio durante o período de apneia (paralisia) do paciente. A forma padrão de se manter a oxigenação apneica é por meio de cateter nasal com 15 L/min após a indução (sedação) e durante o processo de intubação.

Em centro cirúrgico, é bem estabelecido que esta técnica aumenta o tempo de apneia segura sem dessaturação. Apesar de estudos conflitantes fora do centro cirúrgico, uma meta-análise de 2017 com pacientes críticos em intubação de emergência também encontrou benefício em estender o tempo de apneia segura [8].

Por ser um técnica simples, com potencial benefício e sem riscos evidentes, recomenda-se seu uso em toda intubação de emergência.

Outras estratégias para otimizar o tempo de apneia segura

O uso da cabeceira da cama elevada de 20º a 25º pode auxiliar no aumento da apneia segura. Estudos em centros cirúrgicos evidenciam um incremento de até um minuto do tempo de apneia segura, apesar de um ensaio clínico em doentes críticos não ter encontrado benefício [9, 10].

A ventilação manual com BVM durante o período de indução até o início da laringoscopia pode ser realizada em pacientes com alto risco de dessaturação e baixo risco de aspiração. O principal estudo que avaliou essa conduta foi o PreVent, que observou redução do risco de hipoxemia durante o procedimento com o uso de ventilação manual na indução [11]. Alguns cuidados vistos no estudo devem ser tomados:

  • Pacientes de alto risco de aspiração foram excluídos (vômitos, hematêmese, hemoptise e grávidas).
  • BVM com ventilação manual suficiente apenas para expansão torácica visível.
  • Uso de válvula de PEEP ajustada para 5 a 10 cmH2O.
  • Sem hiperventilação, com frequências de no máximo 10 incursões por minuto.

O cateter nasal de alto fluxo (CNAF) tem sido cada vez mais usado na UTI e também estudado na pré-oxigenação e oxigenação apneica. Na pré-oxigenação, o CNAF parece ser equivalente à BVM e MNR, sendo usados fluxos de 50 a 60 L/min com FiO2 de 100% [12-14]. O CNAF pode ser mantido durante a tentativa de intubação, o que pode otimizar o tempo de apneia segura.

No estudo de abril de 2023 do Annals of Intensive Care realizado em pacientes cirúrgicos, o uso de máscara durante a pré-oxigenação foi comparado com o uso de máscara associado ao CNAF, mantendo-se o CNAF durante o período de apneia. O grupo submetido ao uso de CNAF teve menor risco de dessaturação quando comparado ao uso isolado da máscara [1].

Compartilhe:
Aproveite e leia:
13 de Abril de 2023

Caso Clínico #7

Um homem de 65 anos com dispneia e cardiomegalia, evolui com hemorragia digestiva e hematomas.

hourglass_empty 24 min
Ler Tópico
3 de Abril de 2023

Lesão Renal Aguda no Paciente com Cirrose

Cirrose é uma condição grave e com muitas complicações próprias do quadro. A ocorrência de lesão renal aguda (LRA) nesses pacientes tem particularidades que tornam o manejo minucioso. O New England Journal of Medicine (NEJM) trouxe uma revisão sobre o tema em 2023 e aproveitamos para revisar também aqui neste tópico.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
20 de Fevereiro de 2023

POCUS no Derrame Pleural

A ultrassonografia à beira do leito (POCUS) cada vez mais faz parte da avaliação na emergência. Todo dia a técnica é aprimorada e incorporada nos atendimentos. Um artigo do British Medical Journal (BMJ) publicado em janeiro de 2023 trouxe alguns pontos da abordagem do derrame pleural com POCUS. Aproveitamos para revisar esse tópico aqui no Guia.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
11 de Setembro de 2023

Antibiótico em Infusão Estendida versus Intermitente

Infusão estendida e contínua são estratégias para potencializar o efeito dos antibióticos beta-lactâmicos. Em junho de 2023 no Journal of the American Medical Association (JAMA) foi publicado um estudo que compara o uso contínuo de meropenem com uso intermitente em pacientes com sepse. Esse tópico revisa o tema.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
6 de Março de 2023

Nova Diretriz de Hemorragia Digestiva Baixa

O Colégio Americano de Gastroenterologia (ACG) publicou em 2023 uma nova diretriz sobre hemorragia digestiva baixa. Esse tópico resume as principais recomendações desse documento, que atualiza a última diretriz de 2016.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico

article Artigos

Preoxygenation with standard facemask combining apnoeic oxygenation using high flow nasal cannula versuss standard facemask alone in patients with and without obesity: the OPTIMASK international study

Preoxygenation with standard facemask combining apnoeic oxygenation using high flow nasal cannula versuss standard facemask alone in patients with and without obesity: the OPTIMASK international study

Jaber S, De Jong A, Schaefer MS, Zhang J, Ma X, Hao X, Zhou S, Lv S, Banner-Goodspeed V, Niu X, Sfara T, Talmor D. Preoxygenation with standard facemask combining apnoeic oxygenation using high flow nasal cannula versuss standard facemask alone in patients with and without obesity: the OPTIMASK international study. Ann Intensive Care. 2023.

Incidence and Duration of Continuously Measured Oxygen Desaturation During Emergency Department Intubation

Incidence and Duration of Continuously Measured Oxygen Desaturation During Emergency Department Intubation

Bodily JB, Webb HR, Weiss SJ, Braude DA. Incidence and Duration of Continuously Measured Oxygen Desaturation During Emergency Department Intubation. Ann Emerg Med. 2016.

Flush Rate Oxygen for Emergency Airway Preoxygenation

Flush Rate Oxygen for Emergency Airway Preoxygenation

Driver BE, Prekker ME, Kornas RL, Cales EK, Reardon RF. Flush Rate Oxygen for Emergency Airway Preoxygenation. Ann Emerg Med. 2017.

Compared Efficacy of Four Preoxygenation Methods for Intubation in the ICU: Retrospective Analysis of McGrath Mac Videolaryngoscope Versus Macintosh Laryngoscope (MACMAN) Trial Data

Compared Efficacy of Four Preoxygenation Methods for Intubation in the ICU: Retrospective Analysis of McGrath Mac Videolaryngoscope Versus Macintosh Laryngoscope (MACMAN) Trial Data

Bailly A, Ricard JD, Le Thuaut A, Helms J, Kamel T, Mercier E, Lemiale V, Colin G, Mira JP, Clere-Jehl R, Messika J, Dequin PF, Boulain T, Azoulay E, Champigneulle B, Reignier J, Lascarrou JB, Clinical Research in Intensive Care and Sepsis Group (CRICS-TRIGGERSEP). Compared Efficacy of Four Preoxygenation Methods for Intubation in the ICU: Retrospective Analysis of McGrath Mac Videolaryngoscope Versus Macintosh Laryngoscope (MACMAN) Trial Data. Crit Care Med. 2019.

Apneic oxygenation reduces the incidence of hypoxemia during emergency intubation: A systematic review and meta-analysis

Apneic oxygenation reduces the incidence of hypoxemia during emergency intubation: A systematic review and meta-analysis

Pavlov I, Medrano S, Weingart S. Apneic oxygenation reduces the incidence of hypoxemia during emergency intubation: A systematic review and meta-analysis. Am J Emerg Med. 2017.

A Multicenter, Randomized Trial of Ramped Position vs Sniffing Position During Endotracheal Intubation of Critically Ill Adults

A Multicenter, Randomized Trial of Ramped Position vs Sniffing Position During Endotracheal Intubation of Critically Ill Adults

Semler MW, Janz DR, Russell DW, Casey JD, Lentz RJ, Zouk AN, deBoisblanc BP, Santanilla JI, Khan YA, Joffe AM, Stigler WS, Rice TW, Check-UP Investigators(∗), Pragmatic Critical Care Research Group. A Multicenter, Randomized Trial of Ramped Position vs Sniffing Position During Endotracheal Intubation of Critically Ill Adults. Chest. 2017.

Bag-Mask Ventilation during Tracheal Intubation of Critically Ill Adults

Bag-Mask Ventilation during Tracheal Intubation of Critically Ill Adults

Casey JD, Janz DR, Russell DW, Vonderhaar DJ, Joffe AM, Dischert KM, Brown RM, Zouk AN, Gulati S, Heideman BE, Lester MG, Toporek AH, Bentov I, Self WH, Rice TW, Semler MW, PreVent Investigators and the Pragmatic Critical Care Research Group. Bag-Mask Ventilation during Tracheal Intubation of Critically Ill Adults. N Engl J Med. 2019.

High-Flow Nasal Cannula Versus Bag-Valve-Mask for Preoxygenation Before Intubation in Subjects With Hypoxemic Respiratory Failure

High-Flow Nasal Cannula Versus Bag-Valve-Mask for Preoxygenation Before Intubation in Subjects With Hypoxemic Respiratory Failure

Simon M, Wachs C, Braune S, de Heer G, Frings D, Kluge S. High-Flow Nasal Cannula Versus Bag-Valve-Mask for Preoxygenation Before Intubation in Subjects With Hypoxemic Respiratory Failure. Respir Care. 2016.

High-flow nasal cannula oxygen during endotracheal intubation in hypoxemic patients: a randomized controlled clinical trial

High-flow nasal cannula oxygen during endotracheal intubation in hypoxemic patients: a randomized controlled clinical trial

Vourc'h M, Asfar P, Volteau C, Bachoumas K, Clavieras N, Egreteau PY, Asehnoune K, Mercat A, Reignier J, Jaber S, Prat G, Roquilly A, Brule N, Villers D, Bretonniere C, Guitton C. High-flow nasal cannula oxygen during endotracheal intubation in hypoxemic patients: a randomized controlled clinical trial. Intensive Care Med. 2015.

Nasal high-flow preoxygenation for endotracheal intubation in the critically ill patient: a randomized clinical trial

Nasal high-flow preoxygenation for endotracheal intubation in the critically ill patient: a randomized clinical trial

Guitton C, Ehrmann S, Volteau C, Colin G, Maamar A, Jean-Michel V, Mahe PJ, Landais M, Brule N, Bretonnière C, Zambon O, Vourc'h M. Nasal high-flow preoxygenation for endotracheal intubation in the critically ill patient: a randomized clinical trial. Intensive Care Med. 2019.
Edição #47
replay_10