Videolaringoscopia versus Laringoscopia Direta no Paciente Crítico

Criado em: 10 de Julho de 2023 Autor: Kaue Malpighi

O videolaringoscópio (VL) é reconhecido como uma ferramenta para otimizar a visualização durante a intubação. Sua capacidade de reduzir falhas na primeira tentativa de intubação ainda é uma dúvida. Em junho de 2023, foi publicado o estudo DEVICE no New England Journal of Medicine, avaliando o uso do VL na intubação [1]. Este tópico revisa a técnica de videolaringoscopia e traz detalhes do estudo.

Tipos de videolaringoscópio

Existem algumas empresas que produzem videolaringoscópios, sendo as principais marcas o C-MAC (da Karl Storz™) e o GlideScope (da Verathon™). Os VL devem ser classificados de acordo com o formato da lâmina (veja figura 1) e a técnica de laringoscopia varia de acordo com essa classificação:

  • Lâmina com geometria padrão - como a lâmina Macintosh dos laringoscópios diretos (lâmina curva padrão)
  • Lâmina hiperangulada - presença de uma angulação (por volta de 60º) na ponta da lâmina, criada para otimizar a visão laríngea
{Figura1}

Além disso, as lâminas curvas podem ter presença de um canal para guiar a passagem do tubo orotraqueal.

Os potenciais benefícios da videolaringoscopia são [2-4]:

  • Otimização da visualização laríngea
  • Visualização da via aérea por profissionais auxiliares
  • Documentação para uso acadêmico
  • Potencial benefício no sucesso na primeira tentativa de intubação

O VL é empregado principalmente em pacientes com preditores de via aérea difícil e sua taxa de sucesso depende do treinamento do operador [5]. A técnica de videolaringoscopia difere da laringoscopia direta (LD).

O que muda na técnica de videolaringoscopia?

Ser treinado no uso da laringoscopia direta não garante sucesso no uso do VL [6]. Características técnicas da videolaringoscopia devem ser reconhecidas especialmente de acordo com a lâmina utilizada (padrão ou hiperangulada).

Algumas particularidades da videolaringoscopia são comuns para as lâminas padrão e hiperanguladas:

  • A lâmina deve ser introduzida pela linha média da língua, permitindo o reconhecimento adequado das estruturas no vídeo (úvula, base da língua, epiglote e laringe). Essa posição otimiza a centralização da ponta do laringoscópio na valécula, ajudando no engajamento do ligamento hioepiglótico (veja figura 2).
  • O fio guia deve ser moldado para respeitar a curvatura da lâmina, principalmente nas hiperanguladas. Caso contrário, a passagem do tubo pode ser difícil, já que a língua não é lateralizada na técnica de videolaringoscopia.
{Figura2}

Lâminas com geometria padrão

Em geral, os passos para laringoscopia e a passagem do tubo tendem a seguir os padrões da laringoscopia direta. A lâmina pode ser introduzida na linha média da língua ou conforme técnica de laringoscopia direta.

Pelo trajeto mais retilíneo da lâmina, o fio guia pode ser usado no formato tradicional straight-to-cuff (ponta angulada 25º com corpo reto) ou com angulação semelhante à lâmina.

O uso do bougie também é padrão (retilíneo ou com extremidade distal curvada em até 60º), tomando cuidado com deflexões na lâmina e com sua impactação nos anéis traqueais que podem impedir sua progressão.

Lâminas hiperanguladas

A lâmina deve ser introduzida na linha média da língua, reconhecendo os marcos anatômicos pelo vídeo (úvula e pilares amigdalianos) ao avançar. A lateralização da língua como na laringoscopia direta pode dificultar esse reconhecimento.

A lâmina deve ser avançada até a visualização da epiglote, com objetivo de reconhecimento da valécula e engajamento do ligamento hioepiglótico para a elevação da epiglote.

Ao elevar a epiglote, a visualização da via aérea (laringe e pregas vocais) deve ser mantida na metade superior da tela do vídeo. Essa é a visualização ideal por não prejudicar a passagem do tubo (veja figura 3). Manter a via aérea mais próxima ou na parte inferior do vídeo, reduz o ângulo entre a lâmina e traqueia , dificultando a passagem do tubo (veja esse vídeo exemplificando a visualização ideal).

{Figura3}

O fio guia rígido deve ser moldado com o tubo para se adaptar à curvatura da lâmina. Aconselha-se lubrificar o fio guia para facilitar sua retirada do tubo. Ao atingir as pregas vocais, o tubo pode ficar impactado na traqueia anterior devido sua angulação. Neste momento, o fio guia deve ser gradualmente retirado por um assistente enquanto o operador introduz o tubo.

Com a lâmina hiperangulada, o uso do bougie pode ser dificultado por deflexões associadas à curvatura da lâmina (veja esse vídeo sobre o uso do bougie com o VL do dr. George Kovacs, minuto 13:06).

Veja também esse vídeo do Dr. Richard Levitan sobre a videolaringoscopia completa usando uma lâmina hiperangulada.

O que o estudo encontrou?

O estudo DEVICE foi um estudo controlado randomizado, multicêntrico em hospitais americanos, não cego, que comparou o uso do VL com a laringoscopia direta em pacientes adultos críticos [1].

O modelo do VL e tipo de lâmina eram determinados pelo operador. Fio guia ou bougie eram recomendados nos dois grupos.

O desfecho primário avaliado foi sucesso na primeira tentativa de intubação. Complicações graves foram avaliadas como desfechos secundários (hipoxemia < 80%, hipotensão com pressão sistólica < 65 mmHg, uso de vasopressor, parada cardíaca ou morte).

O estudo foi interrompido precocemente na primeira análise interina pré-especificada (1000 pacientes randomizados), pois a taxa de sucesso na primeira tentativa foi significativamente maior com o uso de VL (85,1% vs. 70,8%, diferença absoluta do risco 9,9 - 18,7, IC 95%, p < 0,001). A visualização das pregas vocais também foi melhor com o VL (grau 1 da classificação de Cormack-Lehane). Não houve diferença significativa do desfecho secundário.

A maioria dos operadores tinha alguma experiência com uso de VL, muitos deles médicos em formação, como residentes e fellows. Isso indica um aumento na disponibilidade do VL e uma maior ênfase em treinamentos para seu uso em certos centros nos Estados Unidos.

A incidência de falha na primeira tentativa associada a erro de passagem do bougie ou fio guia foi semelhante entre VL e laringoscopia direta (7,0% vs 7,2%). Isso também pode ser explicado pela familiaridade crescente com o uso de VL. Em estudos prévios, dificuldades na passagem do tubo com fio guia ou passagem do bougie podem ter reduzido o impacto da VL no sucesso na primeira tentativa.

Este estudo cria um novo paradigma - com operadores treinados, usar VL parece otimizar o sucesso na primeira tentativa de intubação, o que sabidamente reduz eventos adversos associados ao procedimento. Apesar do VL ter limitações de disponibilidade, locais com esse recurso devem ter programas de treinamento e o uso deve ser considerado em primeira tentativa, mesmo fora do contexto de via aérea difícil.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
26 de Setembro de 2022

Diureticoterapia na Insuficiência Cardíaca Aguda

Diureticoterapia é a pedra fundamental do tratamento da insuficiência cardíaca (IC) descompensada há mais de 20 anos. Ainda assim, há muitas perguntas sem respostas claras nesse tema. A revisão do mês traz um apanhado do conhecimento atual sobre os diuréticos na IC.

hourglass_empty 20 min
Ler Tópico
8 de Agosto de 2022

Encefalites

Encefalite é a inflamação do parênquima cerebral, em geral causada por infecção ou processo autoimune (pós-infeccioso, paraneoplásico ou idiopático). Apresenta clínica variável, desde alterações neurológicas focais até coma. Trazemos os principais pontos de uma revisão sobre a conferência da Encephalitis Society de dezembro de 2021.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
15 de Abril de 2024

Amiodarona

A amiodarona tem vários efeitos antiarrítmicos e é amplamente utilizada em taquiarritmias supraventriculares e ventriculares dentro e fora do hospital. Neste tópico revisamos seu mecanismo de ação, como prescrever e como evitar seus efeitos adversos durante a administração.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
1 de Maio de 2023

Avaliação de Cálculo Ureteral

Em fevereiro de 2023, o American Journal of Emergency Medicine publicou o estudo CURIOUS sobre o uso de tomografia computadorizada na avaliação de cálculo ureteral na emergência. Este tópico revisa a investigação de cálculo ureteral no pronto socorro e traz o que o estudo acrescenta.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
24 de Julho de 2023

Manejo de Pancreatite Aguda Grave

Pacientes com pancreatite aguda evoluem com sinais de gravidade em 15 a 25% dos casos. A mortalidade da pancreatite grave é de até 50%. Em junho de 2023, foi lançado um artigo na Intensive Care Medicine com dez dicas práticas sobre o manejo da pancreatite grave. Este tópico revisa os principais pontos da publicação.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Video versus Direct Laryngoscopy for Tracheal Intubation of Critically Ill Adults

Video versus Direct Laryngoscopy for Tracheal Intubation of Critically Ill Adults

Prekker ME, Driver BE, Trent SA, Resnick-Ault D, Seitz KP, Russell DW, Gaillard JP, Latimer AJ, Ghamande SA, Gibbs KW, Vonderhaar DJ, Whitson MR, Barnes CR, Walco JP, Douglas IS, Krishnamoorthy V, Dagan A, Bastman JJ, Lloyd BD, Gandotra S, Goranson JK, Mitchell SH, White HD, Palakshappa JA, Espinera A, Page DB, Joffe A, Hansen SJ, Hughes CG, George T, Herbert JT, Shapiro NI, Schauer SG, Long BJ, Imhoff B, Wang L, Rhoads JP, Womack KN, Janz DR, Self WH, Rice TW, Ginde AA, Casey JD, Semler MW, DEVICE Investigators and the Pragmatic Critical Care Research Group. Video versus Direct Laryngoscopy for Tracheal Intubation of Critically Ill Adults. N Engl J Med. 2023.

Video Laryngoscopy Compared to Augmented Direct Laryngoscopy in Adult Emergency Department Tracheal Intubations: A National Emergency Airway Registry (NEAR) Study

Video Laryngoscopy Compared to Augmented Direct Laryngoscopy in Adult Emergency Department Tracheal Intubations: A National Emergency Airway Registry (NEAR) Study

Brown CA 3rd, Kaji AH, Fantegrossi A, Carlson JN, April MD, Kilgo RW, Walls RM, National Emergency Airway Registry (NEAR) Investigators. Video Laryngoscopy Compared to Augmented Direct Laryngoscopy in Adult Emergency Department Tracheal Intubations: A National Emergency Airway Registry (NEAR) Study. Acad Emerg Med. 2020.

A comparison of the C-MAC video laryngoscope to the Macintosh direct laryngoscope for intubation in the emergency department

A comparison of the C-MAC video laryngoscope to the Macintosh direct laryngoscope for intubation in the emergency department

Sakles JC, Mosier J, Chiu S, Cosentino M, Kalin L. A comparison of the C-MAC video laryngoscope to the Macintosh direct laryngoscope for intubation in the emergency department. Ann Emerg Med. 2012.

A multicentre randomised controlled trial of the McGrath™ Mac videolaryngoscope versus conventional laryngoscopy

A multicentre randomised controlled trial of the McGrath™ Mac videolaryngoscope versus conventional laryngoscopy

Kriege M, Noppens RR, Turkstra T, Payne S, Kunitz O, Tzanova I, Schmidtmann I, EMMA Trial Investigators Group. A multicentre randomised controlled trial of the McGrath™ Mac videolaryngoscope versus conventional laryngoscopy. Anaesthesia. 2023.

Comparison of video laryngoscopy to direct laryngoscopy for intubation of patients with difficult airway characteristics in the emergency department

Comparison of video laryngoscopy to direct laryngoscopy for intubation of patients with difficult airway characteristics in the emergency department

Sakles JC, Patanwala AE, Mosier JM, Dicken JM. Comparison of video laryngoscopy to direct laryngoscopy for intubation of patients with difficult airway characteristics in the emergency department. Intern Emerg Med. 2014.

Defining and developing expertise in tracheal intubation using a GlideScope(®) for anaesthetists with expertise in Macintosh direct laryngoscopy: an in-vivo longitudinal study

Defining and developing expertise in tracheal intubation using a GlideScope(®) for anaesthetists with expertise in Macintosh direct laryngoscopy: an in-vivo longitudinal study

Cortellazzi P, Caldiroli D, Byrne A, Sommariva A, Orena EF, Tramacere I. Defining and developing expertise in tracheal intubation using a GlideScope(®) for anaesthetists with expertise in Macintosh direct laryngoscopy: an in-vivo longitudinal study. Anaesthesia. 2015.
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #48
replay_10