Bulário

Eritropoetina

Criado em: 24 de Julho de 2023 Autor: Luisa Sousa

A eritropoetina (EPO) é um hormônio estimulador da produção de hemácias (eritropoiese) produzido no córtex renal. A eritropoetina humana recombinante (rhEPO) é um agente estimulador da eritropoiese exógeno. Este tópico revisa as indicações, doses e efeitos adversos da rhEPO, especialmente no contexto de doença renal crônica [1].

Indicações de eritropoetina

O objetivo do uso de eritropoetina exógena é a correção dos níveis de hemoglobina e desfechos como necessidade de transfusão e controle de sintomas. As quatro principais indicações para uso de rhEPO estão listadas abaixo:

  • Manejo da anemia na doença renal crônica (DRC), principalmente quando a taxa de filtração glomerular (TFG) é menor que 60 ml/min [1, 2].
  • Tratamento da anemia em consequência de quimioterapia em pacientes com neoplasias não mieloides [3]
  • Correção da anemia causada pela zidovudina (AZT) [4]
  • Redução da necessidade de transfusão de hemácias em pacientes submetidos à cirurgia eletiva (exceto cardíaca e vascular), com hemoglobina entre 10 e 13 g/dL no perioperatório e alto risco de sangramento [5, 6].

Como manejar a anemia na DRC?

Anemia é uma complicação da DRC que deve ser rastreada. Recomenda-se dosagem de hemoglobina anual em pacientes com taxa de filtração glomerular (TFG) estimada entre 30 e 60 ml/min e semestral em pacientes com TFG estimada menor que 30 ml/min.

Caso se confirme a anemia, o próximo passo é a análise do perfil de ferro. A deficiência absoluta de ferro no paciente com DRC é definida por [7]:

  • Índice de saturação de transferrina (IST) < 20% e ferritina < 100 μg/l em pacientes que não estão em terapia de hemodiálise (HD)
  • IST < 20% e ferritina < 200 μg/l em pacientes em HD

Nos pacientes com deficiência absoluta de ferro, o ferro deve ser reposto antes de considerar prescrever eritropoietina. A escolha sobre a via de reposição de ferro depende do tipo de terapia renal. A reposição com ferro via oral é recomendada aos pacientes que não realizam HD, incluindo aqueles em tratamento conservador ou diálise peritoneal. Nos pacientes em HD, o ferro intravenoso (IV) é preferido. A administração pode ser realizada na sessão de diálise, garantindo melhor absorção [1].

A tabela 1 detalha os esquemas de reposição de ferro nessas situações. Mais informações sobre a reposição intravenosa de ferro foram revisadas neste tópico do guia.

{Tabela1}

Os estoques de ferro devem ser reavaliados a cada três meses nos pacientes em uso de ferro oral e após o esquema de reposição IV. Níveis adequados de estoques de ferro são:

  • Em pacientes que não estão em HD: IST entre 20 e 50%; ferritina entre 100 e 500 μg/L.
  • Em pacientes em HD: IST entre 20 e 50%; ferritina entre 200 e 500 μg/L.

Como prescrever eritropoetina na DRC?

Os agentes estimuladores da eritropoiese (AEE) devem ser reservados para pacientes com DRC que mantêm hemoglobina menor que 10 g/dl apesar da correção de estoques de ferro. A alfaepoetina é o AEE mais utilizado e está disponível na apresentação de frasco-ampola com 1.000 UI, 2.000 UI, 3.000 UI, 4.000 UI ou 10.000 UI. A administração intravenosa é mais prática em pacientes em HD, porém a via subcutânea é mais eficiente. A darbepoetina é outra opção, usada com menor frequência. As doses recomendadas para início da terapia com alfaepoetina e darbepoetina estão descritas na tabela 2 [8, 9].

{Tabela2}

O objetivo do tratamento com AEE é aumentar os níveis de hemoglobina em 1 g/dL ao fim do primeiro mês. Recomenda-se dosar a hemoglobina semanalmente. Caso ocorra elevação em 1 g/dL nas primeiras duas semanas, a dose do AEE deve ser reduzida em 25 a 50%. Caso a elevação esperada não ocorra ao fim do primeiro mês, a dose deve ser aumentada em 25 a 50%. A hipertensão é um dos efeitos colaterais mais comuns com uso de AEE e deve ser monitorada [1].

O alvo de hemoglobina na DRC é de até 12 g/dL. Níveis superiores a 13 g/dL têm comprovada associação com AVC e complicações tromboembólicas [1].

Uso da eritropoetina no câncer

O uso do AEE em pacientes com câncer é limitado devido aos seus efeitos colaterais como tromboembolismo, AVC e hipertensão. Existe também um risco aumentado de progressão da neoplasia, especialmente em pacientes com tumores sólidos. A fisiopatologia para esse crescimento neoplásico com uso de AEE parece ser multifatorial e ainda não totalmente esclarecida. Assim, a recomendação para o uso no paciente com câncer é restrita [10].

Os AEE são recomendados em pacientes com câncer quando a anemia é secundária à quimioterapia mielossupressora sem intenção curativa. Essa orientação reduz a necessidade de transfusão e melhora os sintomas da anemia. Em pacientes com câncer e anemia não associada à quimioterapia não se recomenda usar um AEE. Nos pacientes com mielotoxicidade secundária à quimioterapia com intenção curativa também evita-se usar um AEE [11].

Em pacientes com DRC e câncer, as diretrizes recomendam o uso de AEE com cautela, apenas se hemoglobina menor que 10 g/dL e na menor dose possível. A hemoglobina não deve ultrapassar 12 g/dL durante o uso de AEE nesses pacientes, devido à maior associação com mortalidade. Pacientes com DRC e câncer curado podem usar os AEEs nas indicações usuais [10, 12].

Compartilhe:
Aproveite e leia:
17 de Abril de 2023

Corticoides na Pneumonia Adquirida na Comunidade

A pneumonia adquirida na comunidade (PAC) é responsável por mais de 600 mil internações anuais no Brasil. A estratificação de risco ajuda a guiar o tratamento. Atualmente, o uso de corticoides como medida terapêutica em PAC grave é controverso. Em março de 2023, o estudo CAPE COD, publicado no New England Journal of Medicine (NEJM), analisou o uso de corticoides na PAC grave e aproveitamos para revisar o assunto.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
12 de Dezembro de 2022

Antibióticos Anti-Anaeróbios e Piores Desfechos Hospitalares

A microbiota intestinal tem um papel de proteção contra os germes patogênicos. O uso de antibióticos contra anaeróbios pode comprometer a microbiota nativa. Nessa linha, esse trabalho de outubro de 2022 publicado no European Respiratory Journal avaliou se a exposição a antibióticos anti-anaeróbios poderia levar a piores desfechos.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
21 de Agosto de 2023

Febre no Pós-Operatório

A febre é uma das complicações pós-operatórias mais comuns. Pode ser parte de uma resposta normal à cirurgia ou ter uma causa patológica, como infecções. Este tópico discute as causas mais comuns e a investigação desse cenário.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
13 de Junho de 2022

Tromboembolismo no Paciente com Câncer

Em 2021 a American Society of Hematology publicou uma diretriz sobre tromboembolismo venoso (TEV) em pacientes com câncer. Um tema comum na prática hospitalar e ambulatorial. Vamos checar as principais recomendações.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
13 de Junho de 2022

Febre de Origem Indeterminada

Febre de origem indeterminada (FOI) é reconhecida há mais de um século. Ao longo dos anos sua definição já foi revisitada algumas vezes. Independente dessas definições, FOI deve ser considerada quando um paciente apresenta febre sem uma causa clara, mesmo com investigação hospitalar ou ambulatorial adequada, por um período de tempo suficiente para excluir febre autolimitada. Em fevereiro de 2022, foi lançada uma revisão no New England Journal of Medicine sobre o tema e trazemos os principais pontos aqui:

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico

book Guidelines

Treatment of anemia in patients with HIV Infection--Part 2: guidelines for management of anemia

Treatment of anemia in patients with HIV Infection--Part 2: guidelines for management of anemia

Ferri RS, Adinolfi A, Orsi AJ, Sterken DJ, Keruly JC, Davis S, MacIntyre RC, Nursing Guidelines Committee for Anemia in Patients with HIv Infection. Treatment of anemia in patients with HIV Infection--Part 2: guidelines for management of anemia. J Assoc Nurses AIDS Care. 2002.

2011 update to the Society of Thoracic Surgeons and the Society of Cardiovascular Anesthesiologists blood conservation clinical practice guidelines

2011 update to the Society of Thoracic Surgeons and the Society of Cardiovascular Anesthesiologists blood conservation clinical practice guidelines

Society of Thoracic Surgeons Blood Conservation Guideline Task Force, Ferraris VA, Brown JR, Despotis GJ, Hammon JW, Reece TB, Saha SP, Song HK, Clough ER, Society of Cardiovascular Anesthesiologists Special Task Force on Blood Transfusion, Shore-Lesserson LJ, Goodnough LT, Mazer CD, Shander A, Stafford-Smith M, Waters J, International Consortium for Evidence Based Perfusion, Baker RA, Dickinson TA, FitzGerald DJ, Likosky DS, Shann KG. 2011 update to the Society of Thoracic Surgeons and the Society of Cardiovascular Anesthesiologists blood conservation clinical practice guidelines. Ann Thorac Surg. 2011.

Controversies in optimal anemia management: conclusions from a Kidney Disease: Improving Global Outcomes (KDIGO) Conference

Controversies in optimal anemia management: conclusions from a Kidney Disease: Improving Global Outcomes (KDIGO) Conference

Babitt JL, Eisenga MF, Haase VH, Kshirsagar AV, Levin A, Locatelli F, Małyszko J, Swinkels DW, Tarng DC, Cheung M, Jadoul M, Winkelmayer WC, Drüeke TB, Conference Participants. Controversies in optimal anemia management: conclusions from a Kidney Disease: Improving Global Outcomes (KDIGO) Conference. Kidney Int. 2021.

Management of Cancer-Associated Anemia With Erythropoiesis-Stimulating Agents: ASCO/ASH Clinical Practice Guideline Update

Management of Cancer-Associated Anemia With Erythropoiesis-Stimulating Agents: ASCO/ASH Clinical Practice Guideline Update

Bohlius J, Bohlke K, Castelli R, Djulbegovic B, Lustberg MB, Martino M, Mountzios G, Peswani N, Porter L, Tanaka TN, Trifirò G, Yang H, Lazo-Langner A. Management of Cancer-Associated Anemia With Erythropoiesis-Stimulating Agents: ASCO/ASH Clinical Practice Guideline Update. J Clin Oncol. 2019.
Edição #50
replay_10