Anticoagulação nos Episódios de Alta Frequência Atrial, ECMO no Choque Cardiogênico e Ferro na IC

Criado em: 04 de Setembro de 2023 Autor: Kaue Malpighi

O congresso da European Society of Cardiology (ESC) de 2023 trouxe muitas novidades. Este tópico traz três artigos de relevância: NOAH-AFNET 6 (anticoagulação na fibrilação atrial subclínica), ESCL-SHOCK (uso da ECMO no choque cardiogênico após infarto) e HEART-FID (ferro intravenoso na insuficiência cardíaca) [1-3].

Anticoagulação na fibrilação atrial (FA) subclínica - NOAH-AFNET 6

O uso de anticoagulantes é bem estabelecido para prevenção de eventos cardioembólicos em pacientes com fibrilação atrial (FA). O crescente uso de dispositivos implantáveis (marcapassos, desfibriladores, ressincronizadores ou gravadores de loop) levou a um aumento do reconhecimento de episódios assintomáticos de arritmias atriais de curta duração, detectados apenas pelos dispositivos. Esses registros são chamados de episódios de alta frequência atrial (EAFA). Apesar de não serem termos totalmente idênticos, EAFA e FA subclínica são usados muitas vezes como sinônimos, já que um EAFA se assemelha a um pequeno período de FA [4]. Contudo, outras arritmias atriais (flutter atrial e taquicardias atriais) também podem gerar EAFA.

Apesar de os EAFA aumentarem a probabilidade de cardioembolias, o incremento de risco é menor do que na FA. O uso de anticoagulantes para prevenir eventos embólicos em pacientes com EAFA é incerto.

O estudo NOAH-AFNET 6 avaliou o uso de edoxabana comparado ao placebo em pacientes com mais de 65 anos com EAFA (episódios com frequência maior que 170 por ao menos 6 minutos) [1]. Os pacientes deveriam apresentar pelo menos um fator de risco para AVC (ver tabela 1). Pacientes com fibrilação atrial documentada por eletrocardiograma foram excluídos.

{Tabela1}

Incluindo 2.536 pacientes, com um período médio de acompanhamento de 21 meses, o estudo foi parado precocemente por futilidade. O uso de edoxabana não reduziu o desfecho primário composto de morte cardiovascular, AVC ou embolização sistêmica (3,2% vs. 4,0% por pacientes-ano, HR 0,91, IC 95% 0,6 - 1,08; p = 0.15). Como desfecho secundário, ocorreram significativamente mais sangramentos maiores no grupo intervenção.

O estudo indica que não parece ser benéfico anticoagular pacientes assintomáticos com arritmias atriais detectadas por dispositivos implantáveis, mesmo naqueles de alto risco.

ECMO venoarterial no choque cardiogênico por IAM - ESCL-SHOCK

Infarto agudo do miocárdio (IAM) que evolui com choque cardiogênico tem mortalidade de até 50% em 30 dias. Em pacientes refratários à ressuscitação inicial ou com rápida deterioração, dispositivos de assistência mecânica (balão intra-aórtico e dispositivos de assistência ventricular como o Impella©) podem ser utilizados no manejo antes e após intervenção coronariana. Estes dispositivos não reduziram mortalidade nestes pacientes [5, 6].

A oxigenação por membranas extracorpórea venoarterial (ECMO VA) é uma terapia que também fornece suporte cardiovascular, além do suporte respiratório. A ECMO VA ainda é pouco estudada no contexto de IAM complicado com choque cardiogênico.

O estudo ESCL-SHOCK randomizou 420 pacientes com IAM e choque cardiogênico com programação de intervenção percutânea para realizar ECMO precoce e tratamento usual versus tratamento usual isolado [2]. Quase metade dos pacientes apresentavam critérios de deterioração de choque conforme SCAI SHOCK (48,4% entre estágio D e E - ver figura 1).

{Figura1}

Não foi encontrado diferença no desfecho primário de mortalidade por qualquer causa em 30 dias. Esse resultado se manteve em análises de subgrupo relacionados a gravidade (extensão do infarto, necessidade de ressuscitação cardiopulmonar e níveis de lactato). Desfechos de segurança como sangramentos graves e complicações vasculares ocorrem mais no grupo de ECMO precoce.

Os resultados desencorajam o uso da ECMO VA como suporte precoce e de rotina nesses pacientes. Ainda resta dúvida se algum grupo pode se beneficiar da terapia, um questionamento que deve ser buscado com novos estudos.

Ferro intravenoso na insuficiência cardíaca de fração de ejeção reduzida (ICFER)

O estudo HEART-FID avalia novamente a carboximaltose férrica em pacientes com ICFER sintomática e deficiência de ferro [3]. Este estudo randomizado, duplo-cego, com 3.065 pacientes, comparou ferro intravenoso com placebo. O desfecho primário avaliado foi composto de morte, hospitalizações por insuficiência cardíaca e melhora do teste de caminhada de 6 minutos.

O estudo falhou em mostrar superioridade do uso da carboximaltose férrica comparado ao placebo (win ratio 1,10; 0,99 - 1,23 IC 99%; p = 0,02).

Este estudo conflita com resultados de estudos prévios. Os trabalhos AFFIRM-HF e CONFIRM-HF sinalizaram uma redução de internações por IC com o uso de ferro intravenoso [7, 8]. Para avaliar os resultados destes dois estudos em conjunto com o HEART-FID, também foi apresentada uma meta-análise no congresso [9]. Nesta meta-análise, foi visto benefício em redução de hospitalizações por eventos cardiovasculares com o uso de ferro intravenoso, mesmo a maior parcela populacional sendo do estudo HEART-FID.

Apesar do resultado negativo do HEART-FID, a meta-análise reforça a recomendação de fazer reposição de ferro intravenosa em pacientes com ICFER com deficiência de ferro para melhora de sintomas (classe I) e redução de hospitalização por insuficiência cardíaca (classe IIa) [10]. O guia já comentou sobre reposição de ferro na IC neste tópico.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
19 de Setembro de 2022

Anticoagulação na Fibrilação Atrial com Doença Valvar Reumática

Em agosto de 2022 ocorreu o congresso da European Society of Cardiology (ESC) e um dos estudos apresentado foi o INVICTUS. Este trabalho avaliou pacientes com fibrilação atrial e doença valvar reumática com a hipótese de que a rivaroxabana seria não-inferior à varfarina. Vamos aproveitar para revisar anticoagulação na fibrilação atrial e comentar o que este artigo acrescentou.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
22 de Agosto de 2022

Ezetimibe e Dislipidemia

As estatinas são a primeira escolha no tratamento da dislipidemia, mas nem sempre são suficientes. O estudo RACING, publicado no Lancet em julho, avaliou o uso de ezetimibe associado a rosuvastatina em pacientes com doença aterosclerótica. Vamos ver o que o estudo acrescenta e revisar o uso clínico do ezetimibe.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
12 de Setembro de 2022

Profilaxia de Endocardite Infecciosa

A profilaxia de endocardite infecciosa após procedimentos dentários é uma prática recomendada pelas principais sociedades de cardiologia - European Society of Cardiology (ESC) de 2015 e American Heart Association (AHA) de 2020. Essas recomendações são controversas, pois não existem evidências robustas da associação de endocardite com procedimentos dentários e da eficácia da profilaxia antimicrobiana. Um estudo publicado em agosto de 2022 no Journal of the American College of Cardiology (JACC) abordou esses dois pontos. Vamos ver o que a nova evidência acrescenta e revisar o tema.

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
15 de Maio de 2023

Anticoagulação no Perioperatório

O manejo de anticoagulantes no perioperatório gera muitas dúvidas. Em abril de 2023, o American College of Physicians publicou uma revisão sobre o tema. Vamos aproveitar para revisitar algumas recomendações importantes.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
4 de Setembro de 2023

Tratamento da Coronária Não Culpada no Infarto Agudo do Miocárdio

O tratamento do infarto agudo do miocárdio (IAM) envolve a revascularização da coronária acometida. Ainda há dúvidas sobre o manejo de estenoses em coronárias não envolvidas no IAM. O congresso da European Society of Cardiology (ESC) de 2023 trouxe resultados de dois estudos sobre esta situação. Este tópico revisa o tema e traz um resumo dos estudos.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Anticoagulation with Edoxaban in Patients with Atrial High-Rate Episodes

Anticoagulation with Edoxaban in Patients with Atrial High-Rate Episodes

Kirchhof P, Toennis T, Goette A, Camm AJ, Diener HC, Becher N, Bertaglia E, Blomstrom Lundqvist C, Borlich M, Brandes A, Cabanelas N, Calvert M, Chlouverakis G, Dan GA, de Groot JR, Dichtl W, Kravchuk B, Lubiński A, Marijon E, Merkely B, Mont L, Ozga AK, Rajappan K, Sarkozy A, Scherr D, Sznajder R, Velchev V, Wichterle D, Sehner S, Simantirakis E, Lip GYH, Vardas P, Schotten U, Zapf A, NOAH-AFNET 6 Investigators. Anticoagulation with Edoxaban in Patients with Atrial High-Rate Episodes. N Engl J Med. 2023.

Extracorporeal Life Support in Infarct-Related Cardiogenic Shock

Extracorporeal Life Support in Infarct-Related Cardiogenic Shock

Thiele H, Zeymer U, Akin I, Behnes M, Rassaf T, Mahabadi AA, Lehmann R, Eitel I, Graf T, Seidler T, Schuster A, Skurk C, Duerschmied D, Clemmensen P, Hennersdorf M, Fichtlscherer S, Voigt I, Seyfarth M, John S, Ewen S, Linke A, Tigges E, Nordbeck P, Bruch L, Jung C, Franz J, Lauten P, Goslar T, Feistritzer HJ, Pöss J, Kirchhof E, Ouarrak T, Schneider S, Desch S, Freund A, ECLS-SHOCK Investigators. Extracorporeal Life Support in Infarct-Related Cardiogenic Shock. N Engl J Med. 2023.

Ferric Carboxymaltose in Heart Failure with Iron Deficiency

Ferric Carboxymaltose in Heart Failure with Iron Deficiency

Mentz RJ, Garg J, Rockhold FW, Butler J, De Pasquale CG, Ezekowitz JA, Lewis GD, O'Meara E, Ponikowski P, Troughton RW, Wong YW, She L, Harrington J, Adamczyk R, Blackman N, Hernandez AF, HEART-FID Investigators. Ferric Carboxymaltose in Heart Failure with Iron Deficiency. N Engl J Med. 2023.

Intraaortic balloon support for myocardial infarction with cardiogenic shock

Intraaortic balloon support for myocardial infarction with cardiogenic shock

Thiele H, Zeymer U, Neumann FJ, Ferenc M, Olbrich HG, Hausleiter J, Richardt G, Hennersdorf M, Empen K, Fuernau G, Desch S, Eitel I, Hambrecht R, Fuhrmann J, Böhm M, Ebelt H, Schneider S, Schuler G, Werdan K, IABP-SHOCK II Trial Investigators. Intraaortic balloon support for myocardial infarction with cardiogenic shock. N Engl J Med. 2012.

Intraaortic Balloon Pump in Cardiogenic Shock Complicating Acute Myocardial Infarction: Long-Term 6-Year Outcome of the Randomized IABP-SHOCK II Trial

Intraaortic Balloon Pump in Cardiogenic Shock Complicating Acute Myocardial Infarction: Long-Term 6-Year Outcome of the Randomized IABP-SHOCK II Trial

Thiele H, Zeymer U, Thelemann N, Neumann FJ, Hausleiter J, Abdel-Wahab M, Meyer-Saraei R, Fuernau G, Eitel I, Hambrecht R, Böhm M, Werdan K, Felix SB, Hennersdorf M, Schneider S, Ouarrak T, Desch S, de Waha-Thiele S, IABP-SHOCK II Trial (Intraaortic Balloon Pump in Cardiogenic Shock II) Investigators, IABP-SHOCK II Investigators. Intraaortic Balloon Pump in Cardiogenic Shock Complicating Acute Myocardial Infarction: Long-Term 6-Year Outcome of the Randomized IABP-SHOCK II Trial. Circulation. 2019.

Ferric carboxymaltose for iron deficiency at discharge after acute heart failure: a multicentre, double-blind, randomised, controlled trial

Ferric carboxymaltose for iron deficiency at discharge after acute heart failure: a multicentre, double-blind, randomised, controlled trial

Ponikowski P, Kirwan BA, Anker SD, McDonagh T, Dorobantu M, Drozdz J, Fabien V, Filippatos G, Göhring UM, Keren A, Khintibidze I, Kragten H, Martinez FA, Metra M, Milicic D, Nicolau JC, Ohlsson M, Parkhomenko A, Pascual-Figal DA, Ruschitzka F, Sim D, Skouri H, van der Meer P, Lewis BS, Comin-Colet J, von Haehling S, Cohen-Solal A, Danchin N, Doehner W, Dargie HJ, Motro M, Butler J, Friede T, Jensen KH, Pocock S, Jankowska EA, AFFIRM-AHF investigators. Ferric carboxymaltose for iron deficiency at discharge after acute heart failure: a multicentre, double-blind, randomised, controlled trial. Lancet. 2020.

Beneficial effects of long-term intravenous iron therapy with ferric carboxymaltose in patients with symptomatic heart failure and iron deficiency†

Beneficial effects of long-term intravenous iron therapy with ferric carboxymaltose in patients with symptomatic heart failure and iron deficiency†

Ponikowski P, van Veldhuisen DJ, Comin-Colet J, Ertl G, Komajda M, Mareev V, McDonagh T, Parkhomenko A, Tavazzi L, Levesque V, Mori C, Roubert B, Filippatos G, Ruschitzka F, Anker SD, CONFIRM-HF Investigators. Beneficial effects of long-term intravenous iron therapy with ferric carboxymaltose in patients with symptomatic heart failure and iron deficiency†. Eur Heart J. 2015.

Efficacy of Ferric carboxymaltose in heart failure with iron deficiency: an individual patient data meta-analysis

Efficacy of Ferric carboxymaltose in heart failure with iron deficiency: an individual patient data meta-analysis

Piotr Ponikowski and others. Efficacy of Ferric carboxymaltose in heart failure with iron deficiency: an individual patient data meta-analysis. Eur Heart J. 2023.

book Guidelines

2020 ESC Guidelines for the diagnosis and management of atrial fibrillation developed in collaboration with the European Association for Cardio-Thoracic Surgery (EACTS): The Task Force for the diagnosis and management of atrial fibrillation of the European Society of Cardiology (ESC) Developed with the special contribution of the European Heart Rhythm Association (EHRA) of the ESC

2020 ESC Guidelines for the diagnosis and management of atrial fibrillation developed in collaboration with the European Association for Cardio-Thoracic Surgery (EACTS): The Task Force for the diagnosis and management of atrial fibrillation of the European Society of Cardiology (ESC) Developed with the special contribution of the European Heart Rhythm Association (EHRA) of the ESC

Hindricks G, Potpara T, Dagres N, Arbelo E, Bax JJ, Blomström-Lundqvist C, Boriani G, Castella M, Dan GA, Dilaveris PE, Fauchier L, Filippatos G, Kalman JM, La Meir M, Lane DA, Lebeau JP, Lettino M, Lip GYH, Pinto FJ, Thomas GN, Valgimigli M, Van Gelder IC, Van Putte BP, Watkins CL, ESC Scientific Document Group. 2020 ESC Guidelines for the diagnosis and management of atrial fibrillation developed in collaboration with the European Association for Cardio-Thoracic Surgery (EACTS): The Task Force for the diagnosis and management of atrial fibrillation of the European Society of Cardiology (ESC) Developed with the special contribution of the European Heart Rhythm Association (EHRA) of the ESC. Eur Heart J. 2021.

2023 Focused Update of the 2021 ESC Guidelines for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure: Developed by the task force for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure of the European Society of Cardiology (ESC) With the special contribution of the Heart Failure Association (HFA) of the ESC

2023 Focused Update of the 2021 ESC Guidelines for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure: Developed by the task force for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure of the European Society of Cardiology (ESC) With the special contribution of the Heart Failure Association (HFA) of the ESC

Theresa A McDonagh and others. 2023 Focused Update of the 2021 ESC Guidelines for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure: Developed by the task force for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure of the European Society of Cardiology (ESC) With the special contribution of the Heart Failure Association (HFA) of the ESC. Eur Heart J. 2023.