Antibiótico em Infusão Estendida versus Intermitente

Criado em: 11 de Setembro de 2023 Autor: Frederico Amorim Marcelino

Infusão estendida e contínua são estratégias para potencializar o efeito dos antibióticos beta-lactâmicos. Em junho de 2023 no Journal of the American Medical Association (JAMA) foi publicado um estudo que compara o uso contínuo de meropenem com uso intermitente em pacientes com sepse [1]. Esse tópico revisa o tema.

Infusão estendida e contínua de beta-lactâmicos

Estudos in vitro sobre farmacocinética e farmacodinâmica de antibióticos mostram que a eficácia pode depender do tempo em que a medicação é administrada. Aminoglicosídeos, por exemplo, têm melhor ação quando se garante um pico de concentração sérica (figura 1).

{Figura1}

Para beta-lactâmicos, o que mais se correlaciona com ação antimicrobiana é o tempo em que a concentração sérica da medicação se mantém acima da concentração inibitória mínima (MIC) conforme figura 2 [2, 3]. A infusão por períodos prolongados poderia ser mais eficaz, especialmente em pacientes graves ou com infecções causadas por bactérias resistentes [4]. Esses conceitos foram discutidos em detalhes na revisão 9 sobre Vancomicina e MRSA.

{Figura2}

Ao usar meropenem para uma infecção por Klebsiella pneumoniae com MIC de 2 mg/L, a concentração sérica de meropenem deveria estar acima de 2 mg/L durante todo o tratamento para obter o melhor efeito. O meropenem é comumente infundido em 30 a 60 minutos (infusão intermitente), mas na infusão estendida seria administrado em 3 a 4 horas ou em infusão contínua. A infusão intermitente pode levar a picos e vales na concentração, enquanto as infusões estendida e contínua mantêm o nível sérico mais estável.

Apesar do embasamento teórico, muitos parâmetros associados a maior eficácia in vitro não se replicaram em estudos clínicos, especialmente na infectologia. Um exemplo é a diferenciação entre drogas bactericidas e bacteriostáticas [5]. Embora existam diferenças laboratoriais na velocidade de eliminação de bactérias, parece não haver diferença significativa nos desfechos clínicos entre pacientes tratados com drogas bactericidas e bacteriostáticas. Outro exemplo é a via de administração de antimicrobianos, com estudos indicando que não há diferença entre a via endovenosa e a via oral [6].

Evidência clínica antes do estudo

Estudos observacionais e estudos clínicos randomizados que avaliaram a estratégia de infusão estendida chegaram em resultados diferentes. Uma meta-análise e revisão sistemática publicada no Lancet em 2018 avaliou a infusão estendida de beta-lactâmicos anti-pseudomonas (principalmente cefepime, ceftazidima, piperacilina/tazobactam e meropenem), em pacientes com sepse [7]. Foram incluídos apenas ensaios clínicos randomizados, totalizando 1876 pacientes. A infusão estendida foi associada à diminuição de mortalidade no grupo estudado. Esse trabalho e uma meta-análise de 2016 embasaram a recomendação da diretriz da Surviving Sepsis Campaign de 2021 para o uso de infusão estendida de beta-lactâmicos em pacientes com sepse ou choque séptico [4, 8].

Outros estudos randomizados não mostraram esse efeito. Um destes foi o estudo BLING II, que avaliou 432 pacientes com sepse e não encontrou diferença significativa nos desfechos clínicos entre o uso de beta-lactâmicos anti-pseudomonas em infusão intermitente versus infusão estendida [9].

O estudo MERCY

O MERCY foi um ensaio clínico duplo-cego, randomizado e multicêntrico que comparou o uso de meropenem em infusão intermitente versus infusão contínua em pacientes com sepse e choque séptico [1]. Foram incluídos 607 pacientes e o desfecho primário foi um composto de mortalidade e surgimento de resistência bacteriana em 28 dias.

Não houve diferença significativa entre os dois grupos. Os desfechos secundários, que incluíam dias livres de UTI, dias livres de antibióticos e mortalidade em 90 dias, também não apresentaram diferença relevante.

Uma das críticas ao trabalho foi referente à escolha do desfecho primário. O estudo foi desenhado para ser estatisticamente relevante caso a intervenção atingisse 12% de redução absoluta de mortalidade ou surgimento de resistência bacteriana. Em UTI é difícil encontrar diferença significativa nesse desfecho. A amostra estudada era composta de 61% de pacientes com choque séptico, internados há 8 a 9 dias da randomização, sugerindo uma infecção de origem hospitalar e aumentando a gravidade do quadro.

Outra crítica é direcionada à etiologia das infecções. Um terço dos pacientes tinham infecções por gram-positivos, nas quais o meropenem não desempenha um papel expressivo. Nos pacientes com infecção por gram-negativos, uma parte era resistente a carbapenêmicos.

Existem dúvidas sobre a possibilidade de extrapolar os resultados do MERCY para outros beta-lactâmicos. Estudos anteriores sugerem que o benefício da infusão estendida pode ser específico para certas drogas como a piperacilina/tazobactam, não sendo aplicável às cefalosporinas e carbapenêmicos [10, 11].

Com essas ressalvas, o estudo parece não ser suficiente para contrariar as recomendações atuais, especialmente considerando que não foram identificados malefícios da estratégia em ensaios clínicos. Novas respostas podem surgir de um estudo em andamento (BLING III) com 7.000 pacientes avaliando a infusão estendida de beta-lactâmicos em pacientes com sepse [12].

Compartilhe:
Aproveite e leia:
12 de Setembro de 2022

Profilaxia de Endocardite Infecciosa

A profilaxia de endocardite infecciosa após procedimentos dentários é uma prática recomendada pelas principais sociedades de cardiologia - European Society of Cardiology (ESC) de 2015 e American Heart Association (AHA) de 2020. Essas recomendações são controversas, pois não existem evidências robustas da associação de endocardite com procedimentos dentários e da eficácia da profilaxia antimicrobiana. Um estudo publicado em agosto de 2022 no Journal of the American College of Cardiology (JACC) abordou esses dois pontos. Vamos ver o que a nova evidência acrescenta e revisar o tema.

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
5 de Fevereiro de 2024

Tromboembolismo Venoso em Pacientes com DPOC Exacerbada

Pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) apresentam risco até duas vezes maior para eventos trombóticos. Os sintomas de tromboembolismo pulmonar podem ser difíceis de distinguir de um episódio de exacerbação de DPOC. Um estudo publicado no International Journal of Chronic Obstructive Pulmonary Disease avaliou a prevalência de eventos tromboembólicos em pacientes admitidos com o diagnóstico de DPOC exacerbada. Este tópico revisa o tema e os achados do estudo.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
5 de Dezembro de 2022

Ácido Tranexâmico no Peri-Operatório

O estudo POISE-3, publicado em maio de 2022 no New England Journal of Medicine, trouxe novidades sobre o uso do ácido tranexâmico no perioperatório de cirurgias. O Guia TdC de hoje revisa as aplicações dessa droga e traz uma análise dessa publicação recente.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
27 de Maio de 2024

Investigação de Sangramento Gastrointestinal

Sangramento gastrointestinal é uma queixa presente em cenários desde o pronto-socorro até o ambulatório. Na investigação da origem do sangramento podem ser necessários diversos exames, tornando complexa a decisão de qual exame realizar. Essa revisão aborda a investigação do sangramento gastrointestinal, tomando como a base o consenso da American College of Gastroenterology (ACG) e Society of Abdominal Radiology (SAR).

hourglass_empty 24 min
Ler Tópico
8 de Maio de 2023

Diretriz de 2023 de Prognóstico Neurológico Pós Parada Cardiorrespiratória

O prognóstico neurológico pós parada cardiorrespiratória (PCR) é um desafio comum na terapia intensiva. Em março de 2023, a Neurocritical Care Society publicou uma diretriz de recomendações para a avaliação do prognóstico neurológico em pacientes que permanecem comatosos após PCR. Revisamos este tema neste tópico.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico

article Artigos

Continuous vs Intermittent Meropenem Administration in Critically Ill Patients With Sepsis: The MERCY Randomized Clinical Trial

Continuous vs Intermittent Meropenem Administration in Critically Ill Patients With Sepsis: The MERCY Randomized Clinical Trial

Monti G, Bradic N, Marzaroli M, Konkayev A, Fominskiy E, Kotani Y, Likhvantsev VV, Momesso E, Nogtev P, Lobreglio R, Redkin I, Toffoletto F, Bruni A, Baiardo Redaelli M, D'Andrea N, Paternoster G, Scandroglio AM, Gallicchio F, Ballestra M, Calabrò MG, Cotoia A, Perone R, Cuffaro R, Montrucchio G, Pota V, Ananiadou S, Lembo R, Musu M, Rauch S, Galbiati C, Pinelli F, Pasin L, Guarracino F, Santarpino G, Agrò FE, Bove T, Corradi F, Forfori F, Longhini F, Cecconi M, Landoni G, Bellomo R, Zangrillo A, MERCY Investigators. Continuous vs Intermittent Meropenem Administration in Critically Ill Patients With Sepsis: The MERCY Randomized Clinical Trial. JAMA. 2023.

Continuous versus Intermittent β-Lactam Infusion in Severe Sepsis. A Meta-analysis of Individual Patient Data from Randomized Trials

Continuous versus Intermittent β-Lactam Infusion in Severe Sepsis. A Meta-analysis of Individual Patient Data from Randomized Trials

Roberts JA, Abdul-Aziz MH, Davis JS, Dulhunty JM, Cotta MO, Myburgh J, Bellomo R, Lipman J. Continuous versus Intermittent β-Lactam Infusion in Severe Sepsis. A Meta-analysis of Individual Patient Data from Randomized Trials. Am J Respir Crit Care Med. 2016.

Busting the Myth of "Static vs Cidal": A Systemic Literature Review

Busting the Myth of "Static vs Cidal": A Systemic Literature Review

Wald-Dickler N, Holtom P, Spellberg B. Busting the Myth of "Static vs Cidal": A Systemic Literature Review. Clin Infect Dis. 2018.

Oral Is the New IV. Challenging Decades of Blood and Bone Infection Dogma: A Systematic Review

Oral Is the New IV. Challenging Decades of Blood and Bone Infection Dogma: A Systematic Review

Wald-Dickler N, Holtom PD, Phillips MC, Centor RM, Lee RA, Baden R, Spellberg B. Oral Is the New IV. Challenging Decades of Blood and Bone Infection Dogma: A Systematic Review. Am J Med. 2022.

Prolonged versus short-term intravenous infusion of antipseudomonal β-lactams for patients with sepsis: a systematic review and meta-analysis of randomised trials

Prolonged versus short-term intravenous infusion of antipseudomonal β-lactams for patients with sepsis: a systematic review and meta-analysis of randomised trials

Vardakas KZ, Voulgaris GL, Maliaros A, Samonis G, Falagas ME. Prolonged versus short-term intravenous infusion of antipseudomonal β-lactams for patients with sepsis: a systematic review and meta-analysis of randomised trials. Lancet Infect Dis. 2018.

A Multicenter Randomized Trial of Continuous versus Intermittent β-Lactam Infusion in Severe Sepsis

A Multicenter Randomized Trial of Continuous versus Intermittent β-Lactam Infusion in Severe Sepsis

Dulhunty JM, Roberts JA, Davis JS, Webb SA, Bellomo R, Gomersall C, Shirwadkar C, Eastwood GM, Myburgh J, Paterson DL, Starr T, Paul SK, Lipman J, BLING II Investigators for the ANZICS Clinical Trials Group *. A Multicenter Randomized Trial of Continuous versus Intermittent β-Lactam Infusion in Severe Sepsis. Am J Respir Crit Care Med. 2015.

Do Prolonged Infusions of β-Lactam Antibiotics Improve Outcomes in Critically Ill Patients With Sepsis?

Do Prolonged Infusions of β-Lactam Antibiotics Improve Outcomes in Critically Ill Patients With Sepsis?

Shappell CN, Klompas M, Rhee C. Do Prolonged Infusions of β-Lactam Antibiotics Improve Outcomes in Critically Ill Patients With Sepsis?. JAMA. 2023.

Prolonged infusion versus intermittent boluses of β-lactam antibiotics for treatment of acute infections: a meta-analysis

Prolonged infusion versus intermittent boluses of β-lactam antibiotics for treatment of acute infections: a meta-analysis

Teo J, Liew Y, Lee W, Kwa AL. Prolonged infusion versus intermittent boluses of β-lactam antibiotics for treatment of acute infections: a meta-analysis. Int J Antimicrob Agents. 2014.

A protocol for a phase 3 multicentre randomised controlled trial of continuous versus intermittent β-lactam antibiotic infusion in critically ill patients with sepsis: BLING III

A protocol for a phase 3 multicentre randomised controlled trial of continuous versus intermittent β-lactam antibiotic infusion in critically ill patients with sepsis: BLING III

Lipman J, Brett SJ, De Waele JJ, Cotta MO, Davis JS, Finfer S, Glass P, Knowles S, McGuinness S, Myburgh J, Paterson DL, Peake S, Rajbhandari D, Rhodes A, Roberts JA, Shirwadkar C, Starr T, Taylor C, Billot L, Dulhunty JM. A protocol for a phase 3 multicentre randomised controlled trial of continuous versus intermittent β-lactam antibiotic infusion in critically ill patients with sepsis: BLING III. Crit Care Resusc. 2019.
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #55
replay_10