Síndromes e Cenários

Dermatite de Estase

Criado em: 18 de Setembro de 2023 Autor: Pedro Rafael Del Santo Magno

Dermatite de estase é uma doença inflamatória comum, que acomete os membros inferiores. Pode haver dificuldade para diferenciar de outras condições como as infecções de pele. Este "síndrome e cenários" revisa a condição e seu tratamento.

O que é a dermatite de estase?

A dermatite de estase (DE) é um processo inflamatório cutâneo causado principalmente por insuficiência venosa crônica. Também é conhecida como eczema de estase ou dermatite gravitacional.

{Figura1}

A dermatite de estase é mais comum em pacientes de mais idade, estando presente em 6% da população com mais de 65 anos [1].

Além da idade, outros fatores de risco para desenvolver dermatite de estase são insuficiência cardíaca, obesidade, gestação e história familiar de doença venosa.

Diagnóstico

O diagnóstico da DE é clínico, mas a biópsia pode auxiliar em casos de dúvidas. A dificuldade de cicatrização é um dos motivos para se realizar poucas biópsias nesse cenário.

A apresentação mais comum é o eritema em membros inferiores, sendo a região do maléolo medial a mais acometida. A lesão pode se estender até os pés. A pele também pode apresentar descamação, ressecamento e prurido.

A diferenciação entre dermatite de estase e infecções de pele é difícil, especialmente quando existe eritema. Até 33% dos pacientes diagnosticados com celulite ou erisipela possuem outra patologia associada. Entre elas, a mais comum é a dermatite de estase.

O predomínio bilateral é mais comum na DE, enquanto as infecções cutâneas primárias tendem a ser unilaterais. Outra pista é a cronicidade da dermatite de estase, muitas vezes confundida com celulite de repetição. Veja outras diferenças na tabela 1.

{Tabela1}

O ressecamento da pele e o prurido facilitam as infecções secundárias. Nessa situação, a dor pode ser mais intensa e as lesões, assimétricas entre os membros. O tratamento deve ser direcionado à DE e à infecção.

A dermatite de contato é um diagnóstico diferencial, mas pode ocorrer em associação à DE. Algumas pomadas usadas no tratamento da DE podem desencadear a dermatite de contato.

Cronicidade e complicações

Alguns sinais acontecem em fases crônicas da doença. A liquenificação é um espessamento cutâneo, causado pela coceira [2]. Os pacientes podem apresentar hiperpigmentação local, em decorrência dos depósitos de hemossiderina na pele. As úlceras venosas são possíveis manifestações na DE crônica.

Uma complicação de dermatite de estase é a lipodermatoesclerose (veja aqui), uma paniculite fibrosante que pode evoluir com deformidade da pele e tecido subcutâneo. A aparência da lesão se assemelha a uma garrafa de champagne invertida na perna. Ela demora semanas a meses para surgir e geralmente é bilateral.

A acroangiodermatite, também chamada de pseudo-sarcoma de Kaposi, é outra complicação da doença [3]. Ocorre por hiperplasia vascular secundária a aumento da pressão venosa. Pode se apresentar como máculas, pápulas ou placas purpúricas no dorso dos pés e maléolos. A biópsia da lesão pode ser necessária para diferenciar do sarcoma de Kaposi.

Tratamento

O tratamento tem dois pilares: resolver o processo inflamatório atual e abordar a estase venosa.

A inflamação pode ser tratada com corticoides tópicos de média e alta potência, que também auxiliam no controle do prurido. Exemplos de corticoide possíveis são: valerato de betametasona 0,1% e valerato de hidrocortisona 0,2%. Podem ser mantidos por 7 a 14 dias. O uso prolongado está associado a atrofia local e efeitos sistêmicos. A xerose cutânea pode ser tratada com hidratantes.

A estase é tratada principalmente com compressão média (30 mmHg) ou alta (60 mmHg), utilizando meias ou ataduras. O paciente deve ser avisado que a elasticidade da meia reduz com o tempo. A terapia de compressão é contraindicada em pacientes com doença arterial periférica [4].

Outra opção para o manejo da estase é a bota de Unna. É uma atadura de compressão que também contém óxido zinco. Pode aliviar os sintomas inflamatórios locais. O uso é mais estudado em pacientes com úlceras venosas.

No paciente com DE também devem ser pesquisadas e tratadas outras causas de edema, como insuficiência cardíaca e medicamentos.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
24 de Julho de 2023

Insulina de Ação Semanal

A insulina icodeca tem duração de uma semana e é a primeira insulina considerada ultra longa. Este tópico traz os quatro ensaios clínicos sobre a icodeca publicados em junho de 2023 e revisa as insulinas basais e suas indicações no diabetes tipo 2.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
3 de Junho de 2024

Betabloqueador Após Infarto Agudo do Miocárdio

A prescrição de betabloqueadores após infarto agudo do miocárdio (IAM) é uma prática baseada em evidências da década de 80 de diminuição de mortalidade. O ensaio clínico randomizado REDUCE-AMI, publicado em abril de 2024 no New England Journal of Medicine, avaliou o uso de betabloqueadores no pós-infarto em pacientes com fração de ejeção preservada. Esse tópico traz os resultados do estudo e discute o tema.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
4 de Dezembro de 2023

Betabloqueadores para Hipertensão Arterial

Um dos pontos mais polêmicos do tratamento de hipertensão arterial é o uso de betabloqueadores. Inspirados pela nova diretriz da Sociedade Europeia de Hipertensão Arterial (ESH), disponível em novembro de 2023, trazemos hoje uma revisão sobre o tema. Será que tem evidência para usar betabloqueadores na hipertensão?

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
22 de Maio de 2023

Hidroclorotiazida na Prevenção de Cálculos Renais

Cálculos renais têm uma prevalência de 7 a 20%, sendo mais frequentes em homens. O cálcio é o componente principal dos cálculos e a hipercalciúria é a alteração metabólica mais comum nos pacientes com nefrolitíase. Diuréticos tiazídicos reduzem a excreção urinária de cálcio e podem ajudar a reduzir a incidência de cálculos renais. Em março de 2023, o New England Journal of Medicine publicou o estudo NOSTONE que avalia o uso da hidroclorotiazida na prevenção da nefrolitíase. Este tópico revisa a prevenção de nefrolitíase e traz os resultados do estudo.

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
22 de Abril de 2024

Bicarbonato na Doença Renal Crônica

Foi publicada em abril de 2024 a diretriz de doença renal crônica do Kidney Disease Improving Global Outcomes (KDIGO). Não houve recomendação de reposição de bicarbonato de sódio para acidose metabólica por ausência de ensaios clínicos grandes que embasam o uso. Essa mudança revisita a pergunta: será que tem evidência para uso do bicarbonato na doença renal crônica? Este tópico revisa o assunto.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #56
replay_10