Como Fazer

Plasmaférese

Criado em: 02 de Outubro de 2023 Autor: Luisa Sousa

Plasmaférese é a remoção extracorpórea do plasma sanguíneo com troca por um fluido de reposição. Esse procedimento é realizado para tratamento de doenças neurológicas, hematológicas e renais [1]. Este tópico aborda aspectos técnicos e revisa as principais indicações.

O que é plasmaférese e como é realizada

A plasmaférese terapêutica é realizada por uma máquina que remove o plasma do paciente e devolve os outros componentes do sangue junto a um fluido de reposição. Esse fluido pode ser coloide, cristaloide, o próprio plasma do paciente sem a substância ou plasma de um doador. O objetivo é remover substâncias patogênicas, idealmente com grande peso molecular (maior que 15.000 daltons), meia vida prolongada e boa distribuição intravascular.

Para realizar a plasmaférese, pode-se usar dois métodos de terapia extracorpórea: centrifugação ou filtração por membrana. A centrifugação separa qualquer componente do sangue de acordo com a sua densidade - plasma, plaquetas ou hemácias [2, 3]. A filtração por membrana só separa o plasma. A separação de plasma por membrana é realizada em uma máquina de diálise com um filtro altamente permeável.

A filtração por membrana remove plasma mais devagar, necessitando de maior tempo de tratamento comparado à centrifugação - geralmente 3 horas na membrana e 1,5 a 2 horas por centrífuga.

Aspectos práticos

Existem três componentes práticos para realização da plasmaferese: acesso vascular, método de anticoagulação e fluido de reposição.

Os dois métodos de plasmaférese têm eficácia semelhante. A filtração por membrana precisa de um acesso venoso central semelhante aos de hemodiálise convencional, com garantia de um fluxo sanguíneo entre 100 e 150 mL/min. O método de centrifugação pode ser realizado por um acesso venoso periférico calibroso nas veias cefálica ou basílica. Fístulas arteriovenosas podem ser usadas, principalmente em pacientes que já as possuem para realização de hemodiálise [4].

Por ser uma terapia com circulação extracorpórea, há necessidade de anticoagulação para evitar formação de trombos. A anticoagulação pode ser realizada com citrato ou heparina. O citrato tem a vantagem de ser um anticoagulante regional, diminuindo risco de sangramento. A filtração por membrana tem maior risco de intoxicação por citrato por conta das altas taxas de fluxo sanguíneo e menor eliminação do citrato. Por esse risco, a heparina é escolha na filtração por membrana e é preferível em pacientes com doença renal ou hepática [5, 6].

A escolha do fluido de reposição depende do contexto clínico. A albumina 5% é mais usada por suas propriedades oncóticas, mas pelo alto custo pode ser diluída em uma solução com soro fisiológico. Quando há hiperviscosidade, prefere-se o soro fisiológico isolado. O plasma é o fluido de escolha quando há necessidade de repor algum dos seus componentes. Por exemplo, a reposição do ADAMTS13 na púrpura trombocitopênica trombótica e de fatores de coagulação em pacientes com sangramento [7].

Quais as principais indicações?

A Sociedade Americana de Aférese organiza as indicações de aférese em categorias pelo nível de recomendação da terapia (tabela 1) e a qualidade da evidência é organizada pelas letras A (alta), B (moderada) e C (baixa) [7].

{Tabela1}

Mais de 80 condições entram nessa classificação. A aférese terapêutica pode ser aplicada para remoção de substâncias como imunoglobulinas (nas síndromes de hiperviscosidade), auto-anticorpos (na doença anti-membrana basal glomerular) e lipoproteínas (na hipercolesterolemia familiar). A prescrição, frequência de tratamento, tipo de fluido de reposição e duração da terapia variam de acordo com a indicação.

{Tabela2}

Exemplos da categoria I são a púrpura trombocitopênica trombótica, doença anti-membrana basal glomerular com hemorragia alveolar difusa e injúria renal sem necessidade de diálise, síndrome de Guillain-Barré, síndrome antifosfolípide catastrófica e hipercolesterolemia familiar em homozigose. A tabela 2 resume as indicações de categoria I para plasmaférese, de acordo com a Sociedade Americana de Aférese [7].

Complicações e cuidados com a plasmaférese

As complicações relacionadas à plasmaférese dependem do tipo de método, fluido de reposição e características do paciente (tabela 3). A incidência de reações adversas é maior com a reposição de plasma do que albumina devido às reações transfusionais. A mortalidade associada à plasmaférese é menor que 0,1% [8].

{Tabela3}

Antes de uma sessão de plasmaférese deve ser realizada dosagem de eletrólitos (especialmente cálcio e potássio), hemograma, coagulograma e fibrinogênio.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
5 de Dezembro de 2022

Ácido Tranexâmico no Peri-Operatório

O estudo POISE-3, publicado em maio de 2022 no New England Journal of Medicine, trouxe novidades sobre o uso do ácido tranexâmico no perioperatório de cirurgias. O Guia TdC de hoje revisa as aplicações dessa droga e traz uma análise dessa publicação recente.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
1 de Maio de 2023

Anticoagulação na Síndrome Antifosfolípide

A síndrome antifosfolípide (SAF) é uma doença autoimune caracterizada por eventos trombóticos recorrentes e uma das bases do manejo é a anticoagulação. Em 2022 foi publicada uma metanálise no Journal of the American College of Cardiology sobre o uso de anticoagulantes diretos na SAF. Nesse tópico revisamos o tema e trazemos o que esse estudo acrescentou.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
1 de Agosto de 2022

Febre Maculosa Brasileira

Em junho de 2022, a Secretaria de Vigilância em Saúde do ministério da saúde lançou um manual chamado: “Febre Maculosa - Aspectos epidemiológicos, clínicos e ambientais”, trazendo em 162 páginas vários conceitos importantes sobre essa doença pouco mencionada, indo da investigação clínica até como fazer a notificação e prevenção dessa doença. Para revisarmos os principais conceitos, trouxemos a segunda seção deste manual: Aspectos clínicos, diagnóstico e tratamento

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
11 de Dezembro de 2023

Tratamento de Hiponatremia e Mielinólise Pontina

Hiponatremia grave sintomática pode ocasionar complicações ameaçadoras à vida através de edema cerebral. Elevações acima de 12 mEq/L em 24 horas foram classicamente associadas com o surgimento da síndrome de desmielinização osmótica e mielinólise pontina. Em setembro de 2023, um estudo retrospectivo lançado na revista NEJM Evidence comparou diferentes estratégias de correção e avaliou mortalidade, tempo de hospitalização e ocorrência de mielinólise pontina. Este tópico revisa o tratamento de hiponatremia grave, mielinólise pontina e os resultados deste estudo.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
5 de Junho de 2023

Síndrome de Stevens-Johnson e Necrólise Epidérmica Tóxica

O Guia inaugura nesta edição o segmento Síndromes e Cenários, em que trazemos situações clínicas que merecem destaque. A estréia do segmento traz uma síndrome dermatológica conhecida por sua gravidade: Síndrome de Stevens-Johnson/Necrólise Epidérmica Tóxica. Este tópico aborda definição, diagnóstico e tratamento.

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
Edição #57
replay_10