Abordagem do Paciente com Ataque Isquêmico Transitório

Criado em: 27 de Junho de 2022 Autor: Kaue Malpighi

Entre 7,5 a 17,4% dos pacientes com ataque isquêmico transitório (AIT) evoluem com acidente vascular cerebral isquêmico (AVCi) em 3 meses. Em metade dos casos, o novo evento acontece nas primeiras 48 horas após o AIT [1]. Nessa revisão do mês, trazemos os principais pontos da abordagem e tratamento dos pacientes com AIT.

Definição de AIT

Definição antiga - déficit neurológico agudo transitório causado por isquemia encefálica que se reverte em até 24 horas.

Definição atual - déficit neurológico agudo transitório causado por isquemia focal encefálica, medular ou retiniana, sem evidência de infarto. Essa definição já está na diretriz da American Heart Association/American Stroke Association (AHA/ASA) de 2009 [2].

Assim, a ausência de áreas de infarto na neuroimagem é obrigatória. Além disso, não existe mais um tempo fixo para determinar a transitoriedade do déficit, bastando que ele seja completamente revertido.

A exclusão do critério de tempo ocorreu porque a duração dos sintomas não é capaz de predizer se há infarto ou não. Em uma meta-análise de 2013, 34% dos pacientes com déficit transitório apresentavam região de infarto na ressonância magnética (RM) de crânio [3].

Esta definição estimula a realização de exames de imagem para diagnóstico tanto de AIT quanto de AVCi.

Como fazer o diagnóstico?

Por sua rapidez e acessibilidade, a tomografia computadorizada (TC) de crânio normalmente é o primeiro exame a ser solicitado na suspeita. Porém, a capacidade da TC habitual de detectar novas áreas de infarto que levaram a sintomas transitórios é muito baixa.

O exame de escolha para detectar alterações isquêmicas é a RM de crânio, devendo ser feita com sequência de difusão (diffusion weighted imaging, ou DWI). Este exame apresenta uma alta sensibilidade (88%) e especificidade (95%) nas primeiras 24 horas.

{Figura1}

O protocolo de difusão baseia-se na movimentação das moléculas de água. A área isquêmica desenvolve edema tecidual, o que reduz a movimentação de água na região. A redução da movimentação de água resulta em hipersinal (áreas brancas) no DWI. Para garantir que há restrição à difusão de água, compara-se a sequência DWI com outra sequência, o mapa de coeficiente de difusão aparente (apparent diffusion coefficient map, ou ADC). Se a área da lesão tem hipersinal no DWI e hipossinal no mapa ADC, diz-se que a lesão restringe a difusão (figura 1).

Assim, em um contexto clínico sugestivo de isquemia, uma área com hipersinal em DWI e hipossinal no mapa ADC deve ser um infarto novo. Existem outras causas de lesões com restrição a difusão, como tumores hipercelulares e abscessos.

{Figura2}

Além disso, a sequência DWI também auxilia na diferenciação de de lesões isquêmicas agudas e crônicas (figura 2).

Quais as principais etiologias?

As principais etiologias de AIT são as mesmas de um AVCi:

  • Cardioembólico.
  • Aterotrombótico de grandes vasos - tanto por embolização a partir das placas quanto por baixo fluxo por estenose significativa.
  • Isquemia lacunar ou de pequenos vasos - principalmente por obstrução aterotrombótica dos vasos penetrantes.
  • Outras etiologias menos frequentes - dissecção, síndrome de vasoconstrição cerebral reversível, vasculite, estados de hipercoagulabilidade, embolias paradoxais, Moyamoya, entre outros.

Os quadros embólicos geralmente têm sintomas com duração mais prolongada (até horas) e manifestações neurológicas diversas a depender do local de alocação do trombo.

Em casos de baixo fluxo por estenoses, os déficits tendem a ser mais curtos (minutos) e com um mesmo padrão relacionado a área de redução de fluxo.

Estratificação de risco

Após o diagnóstico, deve-se estratificar o risco de novos eventos. A ferramenta de escolha é o escore ABCD2. A pontuação varia de 0 a 7, com pontuações mais altas representando maior risco de AVCi em 7 dias (tabela 1).

{Tabela1}

Teoricamente, este escore avaliaria se o paciente precisa ser internado para investigação e manejo do AIT. Por essa lógica, pacientes com pontuações altas deveriam ser manejados dentro do hospital. Porém, em estudos subsequentes de validação, até 20% dos pacientes com ABCD2 menor do que 4 apresentaram um novo evento em 7 dias. Assim, isoladamente, o escore não é uma ferramenta adequada para essa decisão. A diretriz da European Stroke Organisation (ESO) recomenda não utilizar calculadoras para triagem do local de manejo destes pacientes [4].

Apesar disso, o ABCD2 deve ser sempre calculado. Além de tornar o risco do paciente mais objetivo, a necessidade de tratamento com terapia antiplaquetária dupla (DAPT) se baseia nesse escore. Para mais informações, veja a seção "Como prevenir novos eventos".

Quem devemos internar?

Todo paciente deve ser avaliado e tratado em menos de 48 horas. Isso independe de ser em regime hospitalar ou ambulatorial.

As sociedades recomendam internar os pacientes que apresentem:

  • Doença cardiovascular associada que necessite de tratamento - hipertensão não controlada, aterosclerose de vasos cervicais com estenose significativa (mais de 70%) e fibrilação atrial.
  • Infarto agudo em RM de crânio ou histórico de AVCi prévio.
  • Múltiplas áreas de isquemia prévia em RM de crânio.
  • Impossibilidade de manejo ambulatorial em 48 horas.

Quais exames solicitar após o diagnóstico?

A investigação etiológica auxilia na programação do tratamento e prevenção de novos eventos. Conforme a diretriz de prevenção de AVC/AIT da AHA/ASA de 2021, deve-se solicitar (fluxograma 1) [5]:

{Fluxograma1}
  • Imagem vascular não-invasiva de crânio e cervical - investigação de doença aterosclerótica intra e extracraniana. Angiotomografia, angiorressonância ou ultrassonografia com Doppler de vasos cervicais e transcraniano são exames de escolha para avaliação de estenoses significativas. A acurácia do Doppler varia conforme o operador e a sensibilidade para estenoses maiores que 70% pode ser baixa. Ele deve ser utilizado apenas se há confiança nos seus resultados.
  • Eletrocardiograma (ECG) - ferramenta simples e não-invasiva para o diagnóstico de fibrilação atrial (FA) em pacientes com AIT. Se disponível, pode-se realizar holter durante a internação para aumentar a acurácia diagnóstica [6]. Monitorização do ritmo cardíaco por maiores períodos pode ser considerada em pacientes com AIT ou AVCi sem causa esclarecida.
  • Ecocardiograma - investigação de doença cardíaca estrutural e valvopatias associadas.
  • Perfil lipídico e hemoglobina glicada - ajudam na estratificação de risco cardiovascular e auxiliam na otimização de meta terapêutica.

Como prevenir novos eventos?

Primeiro, deve-se avaliar se existe etiologia cardioembólica evidente (FA ou flutter atrial com clínica e imagem compatíveis ou história prévia de AIT/AVCi cardioembólico). Nestes casos, a anticoagulação está indicada. Isso independente da arritmia ser paroxística, persistente ou permanente. Não há necessidade de realização de terapia antiplaquetária.

Nos casos de etiologia aterotrombótica ou lacunar, a base do manejo é a terapia antiplaquetária e controle do risco cardiovascular (hipertensão, dislipidemia, síndrome metabólica, etc.).

Há benefício em iniciar as medidas preventivas o quanto antes. O estudo mais importante que avaliou o impacto do tratamento precoce no AIT foi o EXPRESS [7]. Esse trabalho encontrou uma redução de risco de AVCi em 90 dias quando o tratamento foi iniciado em menos de 24 horas. Esta redução de risco foi sustentada em um acompanhamento de 10 anos.

O uso do AAS precocemente no AIT já é bem estabelecido. Além disso, deve-se identificar os pacientes com ABCD2 maior ou igual a 4, pois estes podem se beneficiar de DAPT - associação de AAS e clopidogrel.

Os estudos CHANCE e POINT são os principais trabalhos que compararam a monoterapia com AAS contra DAPT em pacientes com AIT de alto risco [8, 9]. Ambos mostraram um benefício da DAPT na prevenção de AVCi em 90 dias. A redução de risco foi maior nos primeiros 21 dias após o AIT.

Assim, a recomendação atual é:

  • ABCD2 < 4: monoterapia com AAS 300mg de ataque seguido de 75-100 mg/dia.
  • ABCD2  4: DAPT por 21 dias. Ataque com clopidogrel 300mg e AAS 300mg, seguido de manutenção com clopidogrel 75 mg/dia e AAS 75 a 100 mg/dia. Após, manter monoterapia com AAS.
  • Em pacientes que se apresentam após 7 dias do evento isquêmico, não há benefício de realizar DAPT mesmo se alto risco.

O tratamento para dislipidemia deve ser feito com estatinas de alta potência (ex.: atorvastatina 40 a 80 mg/dia). A meta é de LDL menor que 50 a 70 mg/dL em controle ambulatorial.

Em casos de aterosclerose de grandes vasos, existem algumas particularidades. Endarterectomia de carótida é recomendada em estenoses de 70 a 99% e AIT compatível com o lado da estenose. Deve-se avaliar a indicação durante a internação, pois o benefício é maior quando o procedimento é realizado em até 14 dias do evento. Se o risco cirúrgico for alto ou a estenose menor que 70%, a indicação deve ser individualizada. O tratamento com AAS, DAPT e controle de risco cardiovascular seguem a recomendação geral.

Na estenose de grandes vasos intracranianos, não está recomendado terapia com angioplastia ou stent no tratamento inicial. Se a estenose for de 50 a 99%, o tratamento preferencial é com AAS 325mg/dia. Em estenoses 70 a 99%, a DAPT pode ser considerada por até 90 dias após evento.

Em casos de eventos lacunares/aterosclerose de pequenos vasos, o tratamento deve seguir as recomendações de terapia antiplaquetária e controle de risco cardiovascular gerais.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
22 de Maio de 2023

Novos Critérios de Duke para o Diagnóstico de Endocardite Infecciosa

A endocardite infecciosa é uma doença de difícil diagnóstico, com alta taxa de mortalidade. Em 2023, foi divulgada no Congresso Europeu de Infectologia (ECCMID) a atualização dos critérios de Duke para o diagnóstico de endocardite, publicados posteriormente no Clinical Infectious Diseases. Este tópico revisa os novos critérios e as implicações para o diagnóstico de endocardite infecciosa.

hourglass_empty 12 min
Ler Tópico
20 de Maio de 2024

Infecções Oportunistas Associadas a Corticoides Sistêmicos

Corticoides estão relacionados a vários eventos adversos, entre eles as infecções. Em abril de 2024, a revista Clinical Infectious Diseases publicou um artigo sobre o risco de infecções oportunistas associadas ao uso crônico de corticoides. Este tópico traz os principais pontos da publicação.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
11 de Dezembro de 2023

Meningite Tuberculosa

A minoria dos pacientes com tuberculose tem manifestações no sistema nervoso central (SNC), porém essa apresentação tem mortalidade elevada e incide em uma população vulnerável. Em outubro de 2023, foi publicado no New England Journal of Medicine um estudo avaliando a dexametasona na meningite tuberculosa em pessoas com HIV. Esse tópico revisa o tema e traz os resultados do estudo.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
15 de Maio de 2023

Anticoagulação no Perioperatório

O manejo de anticoagulantes no perioperatório gera muitas dúvidas. Em abril de 2023, o American College of Physicians publicou uma revisão sobre o tema. Vamos aproveitar para revisitar algumas recomendações importantes.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
26 de Junho de 2023

Reações Transfusionais

Variando de autolimitadas até ameaçadoras à vida, as reações transfusionais são comuns na prática hospitalar. Essa revisão aborda as principais reações e a conduta diante delas. Uma referência nacional para o tema é o "Guia para uso de Hemocomponentes" do Ministério da Saúde.

hourglass_empty 21 min
Ler Tópico

article Artigos

Validation and refinement of scores to predict very early stroke risk after transient ischaemic attack

Validation and refinement of scores to predict very early stroke risk after transient ischaemic attack

Johnston SC, Rothwell PM, Nguyen-Huynh MN, Giles MF, Elkins JS, Bernstein AL, Sidney S. Validation and refinement of scores to predict very early stroke risk after transient ischaemic attack. Lancet. 2007.

Diffusion-weighted imaging and diagnosis of transient ischemic attack

Diffusion-weighted imaging and diagnosis of transient ischemic attack

Brazzelli M, Chappell FM, Miranda H, Shuler K, Dennis M, Sandercock PA, Muir K, Wardlaw JM. Diffusion-weighted imaging and diagnosis of transient ischemic attack. Ann Neurol. 2014.

Diagnosis of atrial fibrillation after stroke and transient ischaemic attack: a systematic review and meta-analysis

Diagnosis of atrial fibrillation after stroke and transient ischaemic attack: a systematic review and meta-analysis

Sposato LA, Cipriano LE, Saposnik G, Ruíz Vargas E, Riccio PM, Hachinski V. Diagnosis of atrial fibrillation after stroke and transient ischaemic attack: a systematic review and meta-analysis. Lancet Neurol. 2015.

Effect of urgent treatment of transient ischaemic attack and minor stroke on early recurrent stroke (EXPRESS study): a prospective population-based sequential comparison

Effect of urgent treatment of transient ischaemic attack and minor stroke on early recurrent stroke (EXPRESS study): a prospective population-based sequential comparison

Rothwell PM, Giles MF, Chandratheva A, Marquardt L, Geraghty O, Redgrave JN, Lovelock CE, Binney LE, Bull LM, Cuthbertson FC, Welch SJ, Bosch S, Alexander FC, Silver LE, Gutnikov SA, Mehta Z, Early use of Existing Preventive Strategies for Stroke (EXPRESS) study. Effect of urgent treatment of transient ischaemic attack and minor stroke on early recurrent stroke (EXPRESS study): a prospective population-based sequential comparison. Lancet. 2007.

Clopidogrel With Aspirin in Acute Minor Stroke or Transient Ischemic Attack (CHANCE) Trial: One-Year Outcomes

Clopidogrel With Aspirin in Acute Minor Stroke or Transient Ischemic Attack (CHANCE) Trial: One-Year Outcomes

Wang Y, Pan Y, Zhao X, Li H, Wang D, Johnston SC, Liu L, Meng X, Wang A, Wang C, Wang Y, CHANCE Investigators. Clopidogrel With Aspirin in Acute Minor Stroke or Transient Ischemic Attack (CHANCE) Trial: One-Year Outcomes. Circulation. 2015.

Clopidogrel and Aspirin in Acute Ischemic Stroke and High-Risk TIA

Clopidogrel and Aspirin in Acute Ischemic Stroke and High-Risk TIA

Johnston SC, Easton JD, Farrant M, Barsan W, Conwit RA, Elm JJ, Kim AS, Lindblad AS, Palesch YY, Clinical Research Collaboration, Neurological Emergencies Treatment Trials Network, and the POINT Investigators. Clopidogrel and Aspirin in Acute Ischemic Stroke and High-Risk TIA. N Engl J Med. 2018.

book Guidelines

2021 Guideline for the Prevention of Stroke in Patients With Stroke and Transient Ischemic Attack: A Guideline From the American Heart Association/American Stroke Association

2021 Guideline for the Prevention of Stroke in Patients With Stroke and Transient Ischemic Attack: A Guideline From the American Heart Association/American Stroke Association

Kleindorfer DO, Towfighi A, Chaturvedi S, Cockroft KM, Gutierrez J, Lombardi-Hill D, Kamel H, Kernan WN, Kittner SJ, Leira EC, Lennon O, Meschia JF, Nguyen TN, Pollak PM, Santangeli P, Sharrief AZ, Smith SC Jr, Turan TN, Williams LS. 2021 Guideline for the Prevention of Stroke in Patients With Stroke and Transient Ischemic Attack: A Guideline From the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2021.

Definition and evaluation of transient ischemic attack: a scientific statement for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association Stroke Council; Council on Cardiovascular Surgery and Anesthesia; Council on Cardiovascular Radiology and Intervention; Council on Cardiovascular Nursing; and the Interdisciplinary Council on Peripheral Vascular Disease. The American Academy of Neurology affirms the value of this statement as an educational tool for neurologists

Definition and evaluation of transient ischemic attack: a scientific statement for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association Stroke Council; Council on Cardiovascular Surgery and Anesthesia; Council on Cardiovascular Radiology and Intervention; Council on Cardiovascular Nursing; and the Interdisciplinary Council on Peripheral Vascular Disease. The American Academy of Neurology affirms the value of this statement as an educational tool for neurologists

Easton JD, Saver JL, Albers GW, Alberts MJ, Chaturvedi S, Feldmann E, Hatsukami TS, Higashida RT, Johnston SC, Kidwell CS, Lutsep HL, Miller E, Sacco RL, American Heart Association, American Stroke Association Stroke Council, Council on Cardiovascular Surgery and Anesthesia, Council on Cardiovascular Radiology and Intervention, Council on Cardiovascular Nursing, Interdisciplinary Council on Peripheral Vascular Disease. Definition and evaluation of transient ischemic attack: a scientific statement for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association Stroke Council; Council on Cardiovascular Surgery and Anesthesia; Council on Cardiovascular Radiology and Intervention; Council on Cardiovascular Nursing; and the Interdisciplinary Council on Peripheral Vascular Disease. The American Academy of Neurology affirms the value of this statement as an educational tool for neurologists. Stroke. 2009.

European Stroke Organisation (ESO) guidelines on management of transient ischaemic attack

European Stroke Organisation (ESO) guidelines on management of transient ischaemic attack

Fonseca AC, Merwick Á, Dennis M, Ferrari J, Ferro JM, Kelly P, Lal A, Ois A, Olivot JM, Purroy F. European Stroke Organisation (ESO) guidelines on management of transient ischaemic attack. Eur Stroke J. 2021.