Caso Clínico #13

Criado em: 26 de Outubro de 2023 Autor: Renan Nascimento

O caso clínico abaixo é apresentado em partes. O negrito é a descrição do caso, as partes que não estão em negrito são os comentários. Ao final, você encontrará a resolução e os pontos de aprendizagem resumidos.

Mulher de 29 anos, branca, busca o pronto-socorro por febre persistente durante uma semana. Informa também lesões cutâneas presentes há seis meses. Familiares relataram declínio cognitivo há duas semanas, acompanhado de letargia e desorientação no tempo e no espaço.

A paciente teve uma gestação com parto há um ano. O recém-nascido tinha peso adequado às 34 semanas de gestação. Durante a gravidez, apresentou pré-eclâmpsia com proteinúria. Após o parto, desenvolveu tromboembolismo venoso, que foi tratado com varfarina por sete meses. Além disso, teve cardiomiopatia periparto, com fração de ejeção de 38% e hipocinesia difusa no ultimo ecocardiograma.

A paciente está em uso de anlodipino 10 mg/dia, enalapril 20 mg 12/12 h, furosemida 40 mg/dia, espironolactona 25 mg/dia e carvedilol 25 mg 12/12 horas.

Ao exame físico: pressão arterial de 129/87 mmHg, frequência cardíaca de 108 batimentos por minuto, temperatura axilar de 39,0 °C, tempo de enchimento capilar < 3 segundos, saturação de oxigênio de 94% em ar ambiente e escore de Glasgow de 14 (ocular 4, verbal 4 e motor 6). Apresentava ecolalia e bradipsiquismo. Os exames respiratório, cardíaco e abdominal não revelaram anormalidades. No exame articular, havia dor à palpação de punhos, tornozelos e joelhos, sem evidência de artrite. As lesões de pele eram eritematosas e purpúricas, algumas com crostas, em mãos e dedos. Além disso, notava-se um eritema malar.


A paciente apresenta várias síndromes que podem orientar a investigação clínica. Destaca-se o quadro febril com disfunção do sistema nervoso, representado pelo estado confusional. Além disso, ocorrem também lesões cutâneas e poliartralgia inflamatória.

Febre com disfunção orgânica sempre deve levar a suspeita de sepse. Essa suspeita deve levar a algumas condutas:

  • Antibioticoterapia empírica considerando focos prováveis
  • Infusão de cristalóide
  • Pesquisa de outras disfunções
  • Coleta de lactato
  • Coleta de culturas

Considerando a hipótese infecciosa, em uma paciente jovem sem comprometimento cognitivo prévio, é mais provável um foco dentro do sistema nervoso. Encefalopatia por um foco infeccioso fora do sistema nervoso central, como urinário ou pulmonar, é mais comum em idosos, especialmente com algum grau de comprometimento cognitivo prévio.

A paciente já possui uma disfunção orgânica crônica, uma cardiomiopatia com fração de ejeção reduzida. Qualquer insulto agudo tem o potencial de acentuar disfunções crônicas. Porém, a perfusão periférica adequada e a normalidade do tempo de enchimento capilar e da pressão arterial tornam menos provável essa hipótese.

Existem outras possibilidades que podem explicar inteiramente o quadro ou ocorrerem associadas a uma infecção. Dentre elas, destacam-se distúrbios eletrolíticos, endocrinopatias e doenças autoimunes, em especial o lúpus eritematoso sistêmico (LES).

Devido à possibilidade de sepse, foram solicitados exames laboratoriais (tabela 1) e culturas (hemocultura e urocultura). A paciente recebeu expansão volêmica e ceftriaxone.

{Tabela1}

Foram realizados punção lombar, angiorressonância magnética e eletroencefalograma. A análise do líquor está descrita na tabela 1. A pressão de abertura era normal e não foram evidenciadas bactérias pelo Gram. A pesquisa de VDRL, BAAR, fungos e tinta da China foi negativa. Não houve crescimento de microrganismos no líquor. A angiorressonância e o eletroencefalograma não evidenciaram anormalidades.

Os exames séricos mostraram anemia, plaquetopenia e leucocitose. Foi evidenciada disfunção renal, associada a hematúria e proteinúria. A pesquisa de HIV, sífilis e hepatites B e C foi negativa.

A pesquisa de alterações cardíacas que explicasse os sintomas foi realizada com eletrocardiograma (ECG) e ecocardiograma, inicialmente. O ECG não tinha alterações. O ecocardiograma mostrou fração de ejeção de 66%, dilatação moderada do ventrículo esquerdo e pressão sistólica pulmonar estimada em 25 mm Hg. Não foram observadas alterações valvulares ou pericárdicas.

Pela suspeita de doença autoimune, foram realizados testes de autoanticorpos. O fator antinuclear (FAN) era positivo em titulação 1/1280 com padrão pontilhado fino. Anti-RO e anti-SM também eram positivos, assim como anti-DNA, em titulação 1/40. As frações do complemento C3 e C4 eram indetectáveis. A pesquisa de Coombs direto era positiva. Anti-LA, anti-RNP, anti-P e crioglobulinas foram negativos.


O LES é uma doença autoimune que pode atingir diversos órgãos e sistemas. Em 2019 o American College of Rheumatology e a European League Against Rheumatism (ACR/EULAR) propuseram novos critérios classificatórios da doença (tabela 2) [1]. O novo sistema de classificação tornou a definição do LES mais homogênea e eficaz em excluir mimetizadores da doença, além de ser aplicável ao LES infantil [2].

{Tabela2}

A validação desse critério proporcionou uma sensibilidade de 96,1% em comparação com os critérios de classificação do SLICC (do inglês, "Systemic Lupus International Collaborating Clinics"). Os critérios da ACR/ EULAR apresentaram uma especificidade de 93,4% [2].

As manifestações da paciente incluem lesões cutâneas agudas, artralgia inflamatória, proteinúria significativa (1,24 g/24 h), estado confusional (delírio), bicitopenia e marcadores sorológicos positivos (FAN 1/1280, anti-DNA 1/40, anti-RO e anti-SM) juntamente com níveis indetectáveis de complemento. A presença de plaquetopenia impediu a realização de biópsia renal.

A diferenciação entre atividade do LES e infecção é difícil. Às vezes, ambos estão presentes. Na hemorragia alveolar, 60% dos casos têm infecção e atividade de doença simultaneamente [3]. Deficiências do sistema complemento, leucopenia, imunossupressão e asplenia funcional podem justificar a susceptibilidade infecciosa. Alguns fenômenos imunológicos, como reações cruzadas, podem explicar a maior atividade de doença em contextos infecciosos.

Vários biomarcadores foram avaliados para tentar ajudar na diferenciação entre infecção e atividade do LES, incluindo a procalcitonina e a proteína C-reativa (tabela 3) [4]. Não existe um biomarcador que isoladamente seja capaz de discriminar as duas condições. Alguns desses exames estão disponíveis apenas em centros de pesquisa [4].

{Tabela3}

As infecções mais comuns no LES são as adquiridas na comunidade. Algumas particularidades devem ser consideradas quando existe imunossupressão:

  • Infecções por germes encapsulados podem ser mais comuns em pacientes com asplenia funcional no contexto do LES
  • A profilaxia contra o Pneumocystis jirovecii (PCP) deve ser considerada em pacientes em uso prolongado de corticosteróides e ciclofosfamida
  • Infecções de sistema nervoso devem ser investigadas adequadamente. Em alguns casos, o tratamento empírico para Listeria monocytogenes pode ser realizado
  • Reativação de infecções como citomegalovírus (CMV), herpes zoster disseminado e tuberculose miliar devem ser lembradas em quadros sistêmicos em pacientes imunossuprimidos.

Considerando a história clínica e os exames laboratoriais com culturas negativas, a imunossupressão pode ser iniciada com mais tranquilidade. Pelo acometimento grave dos sistemas nervoso, renal e hematológico, a pulsoterapia com corticoide está indicada. Profilaxia de estrongiloidíase com ivermectina também deve ser feita. A imunoglobulina ou doses mais baixas de corticoide podem ser consideradas como uma alternativa em situações de infecção grave simultânea.

A paciente recebeu pulsoterapia com metilprednisolona, na dose de 1 grama por via intravenosa durante 5 dias, e ivermectina para profilaxia da estrongiloidíase. Após a pulsoterapia, houve uma significativa melhora no estado neurológico da paciente, tanto em relação à ecolalia quanto ao bradipsiquismo.

Cinco dias após o início da pulsoterapia, foi evidenciada linfadenopatia bilateral nas regiões axilares e supraclaviculares. O laboratório evidenciou hipertrigliceridemia com níveis de 325 mg/dL, fibrinogênio de 125 mg/dL (reduzido, normal 200 a 400 mg/dL), aumento das transaminases (ALT 161 U/l; AST 388 U/l) e hiperferritinemia, com valores superiores a 40.000 ng/mL.


Uma desregulação imune pode explicar as novas disfunções orgânicas em um paciente com antecedente de doença autoimune. As histiocitoses devem ser lembradas nessa situação. A hemofagocitose linfo-histiocítica (HLH), chamada também apenas de hemofagocitose, é um tipo de histiocitose com alta mortalidade. É caracterizada pela hiperativação de linfócitos T citotóxicos, células Natural Killer (NK) e macrófagos. Isso leva ao aumento de citocinas e a danos imunomediados em múltiplos órgãos [5].

A HLH pode ser primária ou secundária. Nas formas primárias, tem-se uma etiologia monogênica da HLH e um gatilho pode não ser encontrado. As formas secundárias são mais comuns e têm gatilhos variados. A síndrome de ativação macrofágica (SAM) é a denominação para HLH secundária a doenças reumatológicas. É predominantemente observada em pacientes com artrite idiopática juvenil, mas pode ocorrer em outras doenças reumáticas como LES ou dermatomiosite [6]. Infecções também podem ser gatilhos, como CMV, vírus Epstein-Barr (EBV), tuberculose e leishmaniose visceral. Neoplasias linfoproliferativas, como os linfomas, também podem levar a HLH secundária.

A SAM é um desafio diagnóstico, já que não tem uma manifestação clínica característica ou achados laboratoriais específicos. As manifestações clínicas e laboratoriais podem incluir febre, esplenomegalia, comprometimento neurológico, coagulopatia, disfunção hepática, citopenias, hipertrigliceridemia, hiperferritinemia, hemofagocitose e redução da atividade celular das células NK [7].

{Tabela4}

O HScore é uma ferramenta que ajuda a estimar a probabilidade de síndrome hemofagocítica (tabela 4). A pontuação varia de ≤ 90 (menos de 1% de probabilidade do diagnóstico) a ≥ 241 (mais de 99% de probabilidade do diagnóstico) [8].

Veja o desfecho do caso

Devido à gravidade das condições ameaçadoras para múltiplos órgãos (incluindo o sistema nervoso central, hepático, renal e hematológico) e à presença de resultados laboratoriais anormais, foi estabelecido o diagnóstico de síndrome de ativação macrofágica associada ao lúpus eritematoso sistêmico. O HScore calculado foi de 245 pontos, indicando uma probabilidade de mais de 99% de ocorrência da SAM [9]. A confirmação da hemofagocitose foi obtida por meio da análise do mielograma (figura 1).

{Figura1}

Foram solicitados novos exames para pesquisa de infecção. A presença do vírus Epstein-Barr foi detectada, com resultado de 783 UI/ml, Log 2,89 pela técnica de reação em cadeia de polimerase (valor de referência inferior a 150 UI/ml). Consolidou-se a hipótese de SAM desencadeada pelo EBV. A paciente foi tratada com nova pulsoterapia com metilprednisona, administrada na dose de 1 grama por 5 dias. Em seguida, recebeu ciclofosfamida intravenosa administrada mensalmente, em conjunto com prednisona oral e hidroxicloroquina na dose de 400 mg por dia. Como resultado desse tratamento, observou-se uma notável melhora tanto nos aspectos clínicos quanto nos parâmetros laboratoriais da paciente.


Gatilhos comuns para HLH secundária são as infecções por EBV e CMV, malignidades, doenças reumatológicas imunes e hipersensibilidade a drogas. A biópsia da medula óssea pode demonstrar numerosos macrófagos com células hematopoiéticas fagocitárias [7].

Devido à semelhança clínica, o diagnóstico da SAM em pacientes com LES é difícil, o que pode resultar em subdiagnóstico nessa população. O reconhecimento tardio pode contribuir para um aumento da morbidade e da mortalidade entre os pacientes com LES [10, 11].

Martin et al. realizaram o maior estudo retrospectivo e multicêntrico sobre a SAM em pacientes com LES no período de 1990 até 2016, em 20 departamentos franceses de medicina interna, reumatologia e imunologia clínica. Neste estudo, os autores propõem que o tratamento da SAM deve consistir em altas doses de glicocorticóides, com o uso de etoposídeo ou ciclofosfamida como terapia de segunda linha, ou mesmo como primeira linha em casos graves. Em aproximadamente dois terços dos casos, o uso exclusivo de glicocorticóides foi eficaz e deve ser considerado principalmente em casos mais leves. É essencial investigar e tratar infecções concomitantes [12].

Não saia sem saber!

menu_book

Alguns pontos de aprendizagem sobre o caso que você não pode esquecer:

  • Embora não exista um critério diagnóstico para o LES capaz de abranger toda a complexidade da doença, o critério de classificação proposto pelo ACR/EULAR em 2019 parece apresentar uma boa sensibilidade e especificidade.
  • Não existe um biomarcador que isoladamente seja capaz de diferenciar entre atividade do LES e infecção. Algumas ferramentas, como a razão VHS/PCR e a razão neutrófilo/linfócito, juntamente com a procalcitonina, podem ajudar. É importante considerar que infecção e atividade da doença podem ocorrer simultaneamente.
  • LES em atividade grave com múltiplos órgãos envolvidos deve levar a investigação de SAM.
  • O HScore é uma ferramenta útil para estimar a probabilidade de SAM já que critérios diagnósticos para essa condição tem muitas limitações na prática.
  • Deve-se sempre investigar gatilhos infecciosos na HLH, com destaque para EBV e CMV, especialmente em pacientes com doenças reumatológicas imunes.
Compartilhe:
Aproveite e leia:
8 de Abril de 2024

Doença de Behçet

A doença de Behçet é uma vasculite inflamatória multissistêmica caracterizada por uma evolução com períodos de remissões e recidivas. A doença pode acometer artérias, veias e capilares de diferentes diâmetros. Esse tópico explora a doença, inspirado em duas revisões recentes publicadas no New England Journal of Medicine e Lancet em fevereiro de 2024.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
6 de Março de 2023

Hidroxicloroquina nas Doenças Reumatológicas

Em janeiro de 2023, o Annals of Internal Medicine publicou uma coorte de pacientes que utilizam hidroxicloroquina cronicamente e avaliou a incidência de retinopatia. Este tópico traz os achados do estudo e revisa as indicações dessa droga nas doenças reumatológicas e seus eventos adversos.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
12 de Dezembro de 2022

Critérios de Classificação de Arterite de Células Gigantes

Em novembro de 2022, o American College of Rheumatology (ACR) e a European Alliance of Associations for Rheumatology (EULAR) publicaram uma atualização sobre os critérios de classificação de arterite de células gigantes. Vamos aproveitar a publicação para revisar o tema.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
24 de Outubro de 2022

Imunoglobulina na Dermatomiosite

Em outubro de 2022, foi publicado no New England Journal of Medicine (NEJM) o trabalho PRODerm, estudo que avaliou uso de imunoglobulina no controle das manifestações clínicas de dermatomiosite. Isso motivou o Guia a revisar dermatomiosite e a terapia com imunoglobulina.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
1 de Maio de 2023

Anticoagulação na Síndrome Antifosfolípide

A síndrome antifosfolípide (SAF) é uma doença autoimune caracterizada por eventos trombóticos recorrentes e uma das bases do manejo é a anticoagulação. Em 2022 foi publicada uma metanálise no Journal of the American College of Cardiology sobre o uso de anticoagulantes diretos na SAF. Nesse tópico revisamos o tema e trazemos o que esse estudo acrescentou.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico

article Artigos

Development and validation of the HScore, a score for the diagnosis of reactive hemophagocytic syndrome

Development and validation of the HScore, a score for the diagnosis of reactive hemophagocytic syndrome

Fardet L, Galicier L, Lambotte O, Marzac C, Aumont C, Chahwan D, Coppo P, Hejblum G. Development and validation of the HScore, a score for the diagnosis of reactive hemophagocytic syndrome. Arthritis Rheumatol. 2014.

Assessment of the HScore for reactive haemophagocytic syndrome in patients with rheumatic diseases

Assessment of the HScore for reactive haemophagocytic syndrome in patients with rheumatic diseases

Batu ED, Erden A, Seyhoğlu E, Kilic L, Büyükasık Y, Karadag O, Bilginer Y, Bilgen SA, Akdogan A, Kiraz S, Ertenli AI, Özen S, Kalyoncu U. Assessment of the HScore for reactive haemophagocytic syndrome in patients with rheumatic diseases. Scand J Rheumatol. 2017.

Macrophage activation syndrome in juvenile systemic lupus erythematosus: a multinational multicenter study of thirty-eight patients

Macrophage activation syndrome in juvenile systemic lupus erythematosus: a multinational multicenter study of thirty-eight patients

Parodi A, Davì S, Pringe AB, Pistorio A, Ruperto N, Magni-Manzoni S, Miettunen P, Bader-Meunier B, Espada G, Sterba G, Ozen S, Wright D, Magalhães CS, Khubchandani R, Michels H, Woo P, Iglesias A, Guseinova D, Bracaglia C, Hayward K, Wouters C, Grom A, Vivarelli M, Fischer A, Breda L, Martini A, Ravelli A, Lupus Working Group of the Paediatric Rheumatology European Society. Macrophage activation syndrome in juvenile systemic lupus erythematosus: a multinational multicenter study of thirty-eight patients. Arthritis Rheum. 2009.

Clinical spectrum and therapeutic management of systemic lupus erythematosus-associated macrophage activation syndrome: A study of 103 episodes in 89 adult patients

Clinical spectrum and therapeutic management of systemic lupus erythematosus-associated macrophage activation syndrome: A study of 103 episodes in 89 adult patients

Gavand PE, Serio I, Arnaud L, Costedoat-Chalumeau N, Carvelli J, Dossier A, Hinschberger O, Mouthon L, Le Guern V, Korganow AS, Poindron V, Gourguechon C, Lavigne C, Maurier F, Labro G, Heymonet M, Artifoni M, Viau AB, Deligny C, Sene T, Terriou L, Sibilia J, Mathian A, Bloch-Queyrat C, Larroche C, Amoura Z, Martin T. Clinical spectrum and therapeutic management of systemic lupus erythematosus-associated macrophage activation syndrome: A study of 103 episodes in 89 adult patients. Autoimmun Rev. 2017.

bookmarks Reviews

Novel paradigms in systemic lupus erythematosus

Novel paradigms in systemic lupus erythematosus

Dörner T, Furie R. Novel paradigms in systemic lupus erythematosus. Lancet. 2019.

Systemic lupus erythematosus and diffuse alveolar hemorrhage, etiology and novel treatment strategies

Systemic lupus erythematosus and diffuse alveolar hemorrhage, etiology and novel treatment strategies

Al-Adhoubi NK, Bystrom J. Systemic lupus erythematosus and diffuse alveolar hemorrhage, etiology and novel treatment strategies. Lupus. 2020.

Distinguishing infections vs flares in patients with systemic lupus erythematosus

Distinguishing infections vs flares in patients with systemic lupus erythematosus

Ospina FE, Echeverri A, Zambrano D, Suso JP, Martínez-Blanco J, Cañas CA, Tobón GJ. Distinguishing infections vs flares in patients with systemic lupus erythematosus. Rheumatology (Oxford). 2017.

Hemophagocytic Lymphohistiocytosis

Hemophagocytic Lymphohistiocytosis

Al-Samkari H, Berliner N. Hemophagocytic Lymphohistiocytosis. Annu Rev Pathol. 2018.

Macrophage activation syndrome complicating rheumatic diseases in adults: case-based review

Macrophage activation syndrome complicating rheumatic diseases in adults: case-based review

Gilboa M, Bornstein G, Ben-Zvi I, Grossman C. Macrophage activation syndrome complicating rheumatic diseases in adults: case-based review. Rheumatol Int. 2020.

Biomarkers for Early Diagnosis of Hemophagocytic Lymphohistiocytosis in Critically Ill Patients

Biomarkers for Early Diagnosis of Hemophagocytic Lymphohistiocytosis in Critically Ill Patients

Debaugnies F, Mahadeb B, Nagant C, Meuleman N, De Bels D, Wolff F, Gottignies P, Salaroli A, Borde P, Voué M, Corazza F. Biomarkers for Early Diagnosis of Hemophagocytic Lymphohistiocytosis in Critically Ill Patients. J Clin Immunol. 2021.

Exploring Macrophage Activation Syndrome Secondary to Systemic Lupus Erythematosus in Adults: A Systematic Review of the Literature

Exploring Macrophage Activation Syndrome Secondary to Systemic Lupus Erythematosus in Adults: A Systematic Review of the Literature

Aziz A, Castaneda EE, Ahmad N, Veerapalli H, Rockferry AG, Lankala CR, Hamid P. Exploring Macrophage Activation Syndrome Secondary to Systemic Lupus Erythematosus in Adults: A Systematic Review of the Literature. Cureus. 2021.
article

Caso

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Caso Clínico #13
replay_10