Parada Cardiorrespiratória no Perioperatório

Criado em: 20 de Novembro de 2023 Autor: Joanne Alves Moreira

Parada cardiorrespiratória no perioperatório (PCRp) é um complicação grave que requer abordagem específica e reconhecimento imediato da causa. Este tópico aborda uma revisão publicada em outubro de 2023 na Anesthesia & Analgesia que expõe as causas, a classificação e a abordagem desta condição [1].

Entendendo o contexto

Define-se parada cardiorrespiratória no perioperatório (PCRp) como a PCR que ocorre em pacientes cirúrgicos desde entrada na sala cirúrgica até a alta da unidade de cuidados pós-anestésicos ou 24 horas após a cirurgia, se estiver internado na UTI.

Existem algumas diferenças entre a PCRp e a PCR - seja em pacientes hospitalizados ou não. As quatro principais são:

  • Etiologia: PCRp geralmente é causada diretamente por eventos adversos cirúrgicos e anestésicos e as informações estão facilmente disponíveis.
  • Anestesia e sedação: dificulta e por vezes impossibilita a percepção da alteração aguda do estado mental secundário à PCRp.
  • Monitorização e recursos: todos os pacientes estão monitorizados por rotina e os profissionais têm rápido acesso aos recursos para o manejo da PCRp.
  • Evento presenciado: PCRp geralmente é presenciada pela equipe, sendo diagnosticada e abordada imediatamente.

Uma coorte retrospectiva dos Estados Unidos relatou uma mortalidade em 30 dias de aproximadamente 72% e uma taxa de alta em 30 dias de 19% em pacientes cirúrgicos que necessitaram de reanimação [2].

No Brasil, um estudo retrospectivo identificou cerca de 35 PCRp por 10.000 anestesias realizadas, sendo os principais fatores associados a PCRp os seguintes [3]:

  • Neonatos e crianças menores de 1 ano;
  • Idade acima de 51 anos;
  • Homens;
  • Classificação pré-operatória pela American Society of Anesthesiologists (ASA) ≥ III (veja a calculadora);
  • Cirurgia de emergência;
  • Anestesia geral.

A principal causa de PCRp ou morte perioperatória estava relacionada à condição de base do paciente.

Quais são as causas?

O mnemônico 5Hs e 5Ts é válido para diagnóstico diferencial de maneira rápida, porém não inclui todas as causas de PCR no contexto perioperatório. A revisão prefere utilizar uma divisão fisiológica e sugere o mnemônico PCPFR: pré-carga, contratilidade, pós-carga, frequência cardíaca e ritmo (veja a tabela 1).

{Tabela1}

Na PCRp por pré-carga destacam-se sangramentos e anafilaxia como causas de hipovolemia no perioperatório. Dentre as causas de anafilaxia estão os antibióticos (principalmente penicilinas e cefalosporinas), bloqueadores neuromusculares, clorexidina e radiomarcadores.

Outras causas de PCRp por pré-carga são insuficiência de ventrículo direito e embolia pulmonar. Além de embolia pulmonar ser causada por trombos, nesse cenário pode ocorrer por dióxido de carbono do pneumoperitônio, líquido amniótico, cimento cirúrgico e embolia gordurosa [4-7].

Doenças que causam obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo (VE) podem ser descobertas apenas após um evento adverso perioperatório e causam PCRp por interferência na pós-carga. A estenose aórtica é sempre lembrada, mas o movimento sistólico anterior da valva mitral (SAM) também pode obstruir a saída do VE. Condições que levam a SAM incluem cardiomiopatia hipertrófica, cardiomiopatia hipertensiva com acometimento preferencial do septo e uso de inotrópicos em pacientes hipovolêmicos.

Como abordar?

A conduta imediata da PCRp é iniciar a reanimação cardiopulmonar (RCP) conforme protocolos de suporte avançado de vida cardiovascular. Em paralelo, deve-se investigar e corrigir a causa do evento.

O autores propõem dividir as ações na pesquisa da causa da PCRp em quatro grupos:

  • História clínica e exames complementares relevantes;
  • Investigação relacionada à anestesia;
  • Investigação relacionada à cirurgia;
  • Ecocardiograma.

A revisão da história clínica é voltada para os antecedentes pessoais, medicações de uso contínuo e histórico de alergias. O exame físico avalia a presença de alterações como exantema, turgência jugular ou alteração na ausculta pulmonar. Nos exames laboratoriais deve-se buscar alterações eletrolíticas, de glicemia ou acidose. O eletrocardiograma é essencial para descartar taqui e bradiarritmias, assim como isquemia miocárdica.

A investigação relacionada à anestesia é dividida em quatro pontos:

  • Via aérea, evitando PEEP excessiva prolongada;
  • Ventilação e oxigenação adequadas;
  • Avaliação hemodinâmica contínua, observando a necessidade ou excesso de drogas vasoativas;
  • Complicações da anestesia, locais ou sistêmicas.

As complicações da anestesia podem ser locais (por exemplo, sangramento, pneumotórax) ou sistêmicas (por exemplo, reação alérgica).

A investigação relacionada à cirurgia inclui a indicação da cirurgia (urgência, emergência ou eletiva), os riscos inerentes ao procedimento e a suspeita de complicações - abordadas pelo mnemônico PCPFR.

O ecocardiograma, transtorácico ou transesofágico, é uma ferramenta de muita utilidade na PCRp. Algumas condições são rapidamente acessadas pelo ecocardiograma, como insuficiência de ventrículo direito e tamponamento pericárdico. Pode ainda sugerir infarto agudo do miocárdio, embolia pulmonar e obstrução da via de saída do VE em pacientes em deterioração. O uso do ecocardiograma não deve interferir nos fluxos e manobras de RCP.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
26 de Fevereiro de 2024

Encefalopatia Hepática

A encefalopatia hepática é a complicação mais frequente da hepatopatia crônica, está associada a menor sobrevivência e tem alto risco de recorrência. Esta revisão abordará a definição, apresentação clínica, fatores precipitantes e tratamento.

hourglass_empty 24 min
Ler Tópico
23 de Janeiro de 2023

Síndrome de Wellens

A análise do eletrocardiograma (ECG) na dor torácica tem como divisor de águas a presença de supradesnivelamento do segmento ST (supra de ST). Alguns argumentam que o foco excessivo no supra de ST pode desviar a atenção de outros padrões relevantes no ECG. Aproveitando publicações recentes, vamos revisar o padrão de Wellens, um ECG que sempre deve ser lembrado.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
13 de Novembro de 2023

Tratamento Agudo de Enxaqueca

O tratamento agudo da enxaqueca envolve analgésicos e antieméticos, mas pode incluir também a dexametasona como prevenção à recorrência precoce de cefaleia. A dose ideal dexametasona nesse contexto é desconhecida. Buscando responder essa pergunta, foi publicado na Neurology em outubro de 2023 um estudo que procurou estabelecer se uma dose menor do que a habitual de dexametasona seria benéfica aos pacientes. Este tópico revisa o tratamento agudo de enxaqueca e traz os resultados do estudo.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
22 de Abril de 2024

Profilaxia de Sangramento Gastrointestinal Durante a Internação

O sangramento gastrointestinal é uma complicação frequente em pacientes hospitalizados, sendo a úlcera de estresse uma causa relevante de morbimortalidade em pacientes críticos. Este tópico aborda a incidência, fatores de risco e indicações de profilaxia de úlcera de estresse.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
26 de Setembro de 2022

Diureticoterapia na Insuficiência Cardíaca Aguda

Diureticoterapia é a pedra fundamental do tratamento da insuficiência cardíaca (IC) descompensada há mais de 20 anos. Ainda assim, há muitas perguntas sem respostas claras nesse tema. A revisão do mês traz um apanhado do conhecimento atual sobre os diuréticos na IC.

hourglass_empty 20 min
Ler Tópico

article Artigos

Cardiac arrest among surgical patients: an analysis of incidence, patient characteristics, and outcomes in ACS-NSQIP

Cardiac arrest among surgical patients: an analysis of incidence, patient characteristics, and outcomes in ACS-NSQIP

Kazaure HS, Roman SA, Rosenthal RA, Sosa JA. Cardiac arrest among surgical patients: an analysis of incidence, patient characteristics, and outcomes in ACS-NSQIP. JAMA Surg. 2013.

Perioperative cardiac arrest: a study of 53,718 anaesthetics over 9 yr from a Brazilian teaching hospital

Perioperative cardiac arrest: a study of 53,718 anaesthetics over 9 yr from a Brazilian teaching hospital

Braz LG, Módolo NS, do Nascimento P Jr, Bruschi BA, Castiglia YM, Ganem EM, de Carvalho LR, Braz JR. Perioperative cardiac arrest: a study of 53,718 anaesthetics over 9 yr from a Brazilian teaching hospital. Br J Anaesth. 2006.

Cardiac arrest associated with carbon dioxide gas embolism during laparoscopic surgery for colorectal cancer and liver metastasis -A case report-

Cardiac arrest associated with carbon dioxide gas embolism during laparoscopic surgery for colorectal cancer and liver metastasis -A case report-

Kim IS, Jung JW, Shin KM. Cardiac arrest associated with carbon dioxide gas embolism during laparoscopic surgery for colorectal cancer and liver metastasis -A case report-. Korean J Anesthesiol. 2012.

Case records of the Massachusetts General Hospital. Case 40-2012. A 43-year-old woman with cardiorespiratory arrest after a cesarean section

Case records of the Massachusetts General Hospital. Case 40-2012. A 43-year-old woman with cardiorespiratory arrest after a cesarean section

Ecker JL, Solt K, Fitzsimons MG, MacGillivray TE. Case records of the Massachusetts General Hospital. Case 40-2012. A 43-year-old woman with cardiorespiratory arrest after a cesarean section. N Engl J Med. 2012.

A lethal pulmonary embolism during percutaneous vertebroplasty

A lethal pulmonary embolism during percutaneous vertebroplasty

Chen HL, Wong CS, Ho ST, Chang FL, Hsu CH, Wu CT. A lethal pulmonary embolism during percutaneous vertebroplasty. Anesth Analg. 2002.
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #63
replay_10