Diretriz de Insuficiência Pancreática Exócrina

Criado em: 04 de Dezembro de 2023 Autor: Ingrid Fröehner

Insuficiência pancreática exócrina (IPE) pode ocorrer em diversas condições além da pancreatite crônica. Essa síndrome impacta a sobrevida e a qualidade de vida dos pacientes. Em novembro de 2023, a Associação Americana de Gastroenterologia publicou atualizações práticas sobre IPE [1]. Este tópico aborda os principais aspectos de diagnóstico, manejo e acompanhamento.

Quando suspeitar?

A parte exócrina do pâncreas produz enzimas que fazem parte do suco pancreático, capazes de digerir proteínas, gordura, carboidratos e ácidos nucleicos. Insuficiência pancreática exócrina (IPE) é caracterizada pela secreção reduzida ou inadequada de suco pancreático.

A IPE é frequentemente associada a doenças do pâncreas, como pancreatite crônica e neoplasia pancreática. Doenças em outros órgãos também podem causar IPE. A secreção exócrina do pâncreas é influenciada por vários fatores, incluindo estímulos neurais e hormonais. Portanto, doenças inflamatórias intestinais, úlceras gástricas, ressecções gástricas e diabetes mellitus tipo 2 podem causar IPE. Outros fatores relacionados ao desenvolvimento de IPE incluem hemocromatose, Sjögren, infecção por HIV, idade avançada e tabagismo. Os principais fatores associados a IPE estão descritos na tabela 1.

{Tabela1}

Os principais sintomas de EPI são esteatorreia, perda de peso e alterações bioquímicas decorrentes da má absorção e má digestão, principalmente de lipídios e micronutrientes lipossolúveis. Também podem ocorrer sintomas mais inespecíficos de distensão e desconforto abdominal, geralmente na doença inicial ou leve. Deficiências nutricionais e sintomas sistêmicos como osteoporose e sarcopenia podem estar presentes. A tabela 2 descreve os principais sintomas de IPE.

{Tabela2}

Deve-se suspeitar de IPE principalmente em pacientes com sintomas intestinais ou sistêmicos e fatores de alto ou moderado risco:

  • Fatores de alto risco: pancreatite crônica, pancreatite aguda recorrente, adenocarcinoma pancreático ductal, fibrose cística e cirurgia pancreática prévia.
  • Fatores de moderado risco: doenças duodenais (doença celíaca, Crohn), ressecção intestinal, diabetes de longa data e estados hipersecretivos (Zollinger-Ellison).

Como investigar?

O diagnóstico da IPE começa com a avaliação de sintomas, histórico clínico do paciente e comorbidades associadas. Pacientes com clínica compatível, sinais de má nutrição, absorção ou digestão e comorbidades fortemente associadas a IPE não necessitam de investigação adicional. O fluxograma 1 mostra a abordagem diagnóstica completa.

{Tabela3}

Para os demais pacientes, a abordagem diagnóstica se baseará na elastase fecal (EF1), um teste indireto da secreção pancreática.

A EF1 é um bom marcador da função exócrina pancreática, pois mantém atividade após a passagem intestinal. Esse exame reflete o nível de saída de enzimas pancreáticas, correlacionando-se com a secreção de outras enzimas como lipase, amilase e tripsina.

Valores de EF1 abaixo de 100 mcg/g são fortemente indicativos de IPE, enquanto valores entre 100 e 200 mcg/g são indeterminados. Este teste é menos sensível para diagnóstico de formas leves de IPE e deve ser realizado em fezes sólidas ou semi-sólidas, pois fezes líquidas podem resultar em falsos valores baixos.

Em pacientes com sintomas pouco específicos, a confirmação diagnóstica com exames apropriados é necessária. Pacientes com quadro clínico inespecífico podem melhorar após uso da terapia de reposição de enzimas pancreáticas (TREP) apenas por efeito placebo ou podem apresentar sintomas devido a outras doenças disabsortivas, atrasando o diagnóstico. Em sintomas inespecíficos, utilizar a resposta a TREP como indicativo de IPE é algo pouco confiável.

Testes de imagem como tomografia, ressonância e ultrassom endoscópico são úteis para identificar doenças pancreáticas, mas não diagnosticam diretamente a IPE.

Testes de gordura fecal são indicados para determinar a presença de esteatorreia quando há dúvida ou para avaliar a resposta à TREP. A pesquisa quantitativa de gordura nas fezes (Sudan ou van de Kamer) pode ser positiva em diversas síndromes disabsortivas. Esses testes precisam de dieta direcionada para a coleta e não são específicos para IPE.

Como tratar?

O tratamento de IPE consiste na terapia de reposição de enzimas pancreáticas (TREP) e no ajuste nutricional adequado.

Reposição enzimática

A TREP utiliza preparações enzimáticas derivadas de suínos, que incluem uma mistura de amilases, lipases e proteases. As medicações são formuladas em microesferas sensíveis ao pH, protegendo a lipase da desnaturação pelo ácido gástrico e garantindo a passagem pelo piloro. No duodeno, o pH mais elevado favorece a liberação e ativação das enzimas.

É importante verificar as especificações na bula referentes ao tamanho da medicação e às modificações no pH da solução infundida para pacientes que utilizam sonda nasogástrica ou nasoenteral.

As enzimas devem ser tomadas com as refeições para simular a produção de enzimas pós-prandial. O foco da TREP é na dosagem de lipase, considerando o conteúdo lipídico da refeição. A dose inicial habitual varia entre 40.000 e 50.000 unidades por refeição principal e metade dessa dose em lanches.

No Brasil a única medicação com registro ativo na ANVISA é o Creon, sob apresentação de 10.000 e 25.000 unidades de atividade enzimática, que se correlaciona com a quantidade de lipase.

Dieta e suplementos

Uma dieta com conteúdo moderado a baixo de gordura é recomendada. Deve-se evitar dietas excessivamente restritivas de gordura, pois ela é necessária para a absorção de ácidos graxos e vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K).

Além disso, é indicado o rastreamento de deficiências de vitaminas lipossolúveis, vitamina B12, folato, magnésio, selênio e ferro no diagnóstico e anualmente para reposição conforme necessidade.

Como realizar o acompanhamento?

A resposta ao tratamento com TREP é avaliada pela redução da esteatorreia e melhora dos sintomas gastrointestinais. Também se observa aumento de peso, massa muscular e níveis de vitaminas lipossolúveis.

A monitorização nutricional pode incluir marcadores séricos de desnutrição (pré-albumina) e avaliação de sarcopenia, mesmo em pacientes obesos. Um método simples para avaliar a função muscular é o teste “timed-up and go” (veja como avaliar neste vídeo).

Compartilhe:
Aproveite e leia:
20 de Novembro de 2023

Estatinas e Eventos Adversos

As estatinas são a primeira linha de tratamento farmacológico para o controle da dislipidemia. Existe preocupação quanto aos efeitos adversos dessas medicações. Em setembro de 2023 o British Medical Journal publicou um estudo que comparou a eficácia e segurança de duas estatinas: rosuvastatina e atorvastatina. Este tópico traz um resumo das evidências sobre o assunto e os resultados do artigo.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
10 de Julho de 2023

DPOC Refratária e Dupilumabe

Em maio de 2023, o New England Journal of Medicine (NEJM) publicou um trabalho com dupilumabe para o tratamento de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) com alto risco de exacerbação. Aproveitando a publicação, este tópico revisa o tratamento dessa fase da doença e a possível aplicação da nova medicação.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
31 de Março de 2024

Leucemia Linfocítica Crônica

A leucemia linfocítica crônica é a leucemia mais comum do mundo. O Journal of the American Medical Association (JAMA) realizou uma revisão em 2023 sobre o diagnóstico e tratamento dessa condição. Esse tópico traz as principais informações sobre manifestações clínicas, diagnóstico e tratamento dessa condição.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
2 de Outubro de 2023

Aspirina para Prevenção de Eventos Cardiovasculares

Será que tem evidência para aspirina na prevenção de eventos cardiovasculares? Esse tópico revisa as evidências para profilaxia primária e secundária e discute os riscos do seu uso.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
4 de Março de 2024

Manejo Não Hormonal de Sintomas Vasomotores do Climatério e Fezolinetanto

Os sintomas vasomotores são comuns no climatério e impactam a qualidade de vida das mulheres. A terapia com reposição hormonal é a mais eficaz para o tratamento, mas os riscos e contraindicações podem limitar o uso. O fezolinetanto é um novo medicamento não hormonal que foi aprovado em 2023 para uso nos Estados Unidos, após a publicação de dois estudos de fase 3. Este tópico aborda o tratamento não hormonal desse quadro e traz os resultados dos estudos da nova droga.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #64
replay_10