Meningite Tuberculosa

Criado em: 11 de Dezembro de 2023 Autor: João Mendes Vasconcelos

A minoria dos pacientes com tuberculose tem manifestações no sistema nervoso central (SNC), porém essa apresentação tem mortalidade elevada e incide em uma população vulnerável. Em outubro de 2023, foi publicado no New England Journal of Medicine um estudo avaliando a dexametasona na meningite tuberculosa em pessoas com HIV [1]. Esse tópico revisa o tema e traz os resultados do estudo.

Tuberculose no sistema nervoso central

Apesar de incomum, o acometimento do SNC por tuberculose tem prognóstico ruim, com mortalidade que pode passar de 50% e morbidade significativa [2]. O HIV é um importante fator de risco, especialmente quando a contagem de células T CD4 está abaixo de 100 células/microL [3].

Algumas expressões clínicas mais bem caracterizadas de tuberculose no SNC são a meningite, o tuberculoma, a aracnoidite e a mielite transversa. A meningite é a mais comum e será abordada no restante do tópico [4].

  • O tuberculoma é um agregado granulomatoso que pode crescer silenciosamente no encéfalo ou exercer efeito de massa. O aspecto radiológico é de uma lesão com realce em anel tanto na tomografia de crânio quanto na ressonância magnética [5]. Edema perilesional pode estar presente.
  • A aracnoidite espinhal ocorre por degeneração de um foco granulomatoso na medula ou por extensão de um foco de espondilite tuberculosa adjacente. O resultado é um processo inflamatório local com efeito compressivo nas raízes nervosas e medula (mielorradiculopatia) em um ou em vários níveis [6].
  • Outra expressão clínica é a mielite transversa, com paraparesia ou quadriparesia, disfunção sensitiva (com nível sensitivo na maioria dos pacientes) e alterações esfincterianas.

Meningite tuberculosa: manifestações e diagnóstico

Entre as causas de meningite bacteriana no Brasil, o M. tuberculosis é o terceiro agente mais identificado, atrás apenas de S. pneumoniae e N. meningitidis (tabela 1). De 2017 até 2022, a tuberculose esteve implicada entre 250 a 450 casos de meningite todos os anos.

{Tabela1}

Apesar de ter sinais sugestivos, não existe apresentação clínica típica o suficiente para definir o diagnóstico de meningite tuberculosa sem exames complementares. Além do quadro comum a todas as meningites, como cefaleia, febre e náuseas, existem duas características que ajudam a suspeitar da etiologia. A primeira é a evolução subaguda, já que a maior parte dos pacientes procura a assistência após a primeira semana do início dos sintomas [7]. A segunda é o acometimento de nervos cranianos, sendo mais comum a disfunção do sexto par (abducente) [8]. Além disso, o AVC é uma complicação comum, com estimativas de 30 a 50% dos casos em alguns estudos [9].

Exames de imagem podem ajudar no diagnóstico. Um achado comum é a hidrocefalia, ocorrendo em mais da metade dos casos [10]. Deve ser suspeitada em pacientes que evoluem com rebaixamento do nível de consciência e alterações visuais, com indicação de imagem de crânio imediata. Outros achados de imagem, mais bem caracterizados na ressonância, são infartos periventriculares, tuberculomas e realce leptomeníngeo basal (tabela 2) [11].

{Tabela2}

O líquor típico de meningite tuberculosa é de uma meningite linfocítica. Hipercelularidade às custas de linfócitos, elevação de proteínas entre 100 a 500 mg/dL e consumo de glicose são achados comuns. O bacilo é pesquisado tradicionalmente com microscopia e cultura do líquor, porém esses métodos têm sensibilidade variável, sendo importante enviar volumes maiores de amostra. Métodos moleculares de amplificação de ácido nucléico (NAAT) como Xpert MTB/RIF estão disponíveis no SUS e podem ser utilizados no líquor quando validados pelo laboratório. A quantificação de adenosina deaminase (ADA) no líquor pode auxiliar o diagnóstico , mas pode estar elevado no liquor em outras condições [12-14].

Meningite tuberculosa: manejo

Pelo Ministério da Saúde, o esquema de tratamento de tuberculose meningoencefálica é com as drogas habituais - rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol (esquema RHZE ou RIPE). As quatros drogas são administradas por dois meses e a partir do terceiro mês permanecem apenas rifampicina e isoniazida por mais dez meses, totalizando 12 meses de tratamento.

O Ministério recomenda também o uso de corticoides. Em pacientes com doença leve, pode ser feito prednisona 1 a 2 mg/kg por quatro semanas. Em casos graves, recomenda-se dexametasona 0,3 a 0,4 mg/kg por quatro a oito semanas com redução gradual da dose [15].

A neurocirurgia deve ser convocada em casos de hidrocefalia. Na coinfecção pelo HIV, recomenda-se o início de terapia antirretroviral após dois meses do início do tratamento para meningite tuberculosa.

O estudo ACT HIV

O ACT HIV avaliou a segurança e eficácia dos corticoides no tratamento da meningite tuberculosa em pacientes com HIV. O estudo foi um ensaio clínico randomizado envolvendo 520 pacientes do Vietnã e da Indonésia, todos com HIV e meningite tuberculosa.

Os pacientes foram randomizados para dexametasona por seis a oito semanas ou placebo. Todos recebiam terapia para tuberculose por 12 meses. O desfecho primário foi morte por qualquer causa em até 12 meses após a randomização.

A mediana de idade foi de 36 anos e metade dos pacientes tinham CD4 menor que 50 células/mm3. A maior parte dos pacientes (86%) tinha doença leve (Glasgow 15) ou moderada (Glasgow de 11 a 14).

Não houve diferença clinicamente significativa no desfecho primário entre os grupos (44% grupo dexametasona vs 49% grupo placebo). Também não foi observada diferença significativa em nenhum subgrupo ou em desfechos secundários.

Em relação aos eventos adversos, ocorreram menos eventos adversos neurológicos no grupo dexametasona do que no grupo placebo (36% vs 44%). Esses eventos foram, principalmente, rebaixamento do nível de consciência de déficit neurológico focal. Eventos adversos que poderiam ter alguma relação com corticoides foram iguais entre os grupos.

Apesar do desfecho negativo, destaca-se:

  • Estudos anteriores encontraram diminuição da mortalidade em população não exclusivamente vivendo com HIV [16, 17]
  • O poder do estudo foi desenhado para detectar uma redução de mortalidade de aproximadamente 30%, uma meta difícil de alcançar para uma única intervenção. Em uma doença com alta mortalidade, reduções menores de mortalidade podem ser consideradas clinicamente significativas.

Como um benefício menor não pode ser descartado e não ocorreram malefícios, é possível que muitos ainda continuem prescrevendo até que surjam alternativas.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
31 de Julho de 2023

Asma - GINA 2023

Aproximadamente 300 milhões de pessoas no mundo têm asma. Anualmente o Global Initiative for Asthma (GINA) publica suas diretrizes para orientar o tratamento da doença. Essa revisão traz os principais pontos da diretriz publicada em 2023.

hourglass_empty 24 min
Ler Tópico
7 de Novembro de 2022

Piúria, Bacteriúria e Delirium

O diagnóstico de infecção do trato urinário (ITU) pode ser feito sem o exame de urina se os sintomas forem clássicos. Contudo, se os sintomas forem atípicos ou naqueles com dificuldade em demonstrar seus sintomas, existe dúvida sobre o papel dos exames de urina. Nesse contexto, trouxemos um estudo publicado em setembro de 2022 no American Journal of Medicine sobre a correlação entre piúria e bacteriúria.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
17 de Agosto de 2023

Caso Clínico #11

Mulher de 32 anos com rebaixamento de nível de consciência e vômitos.

hourglass_empty 20 min
Ler Tópico
17 de Julho de 2023

Diretriz de Insuficiência Hepática Aguda e Crônica Agudizada

A Society of Critical Care Medicine (Sociedade de Medicina Intensiva, em tradução livre) publicou uma nova diretriz de cuidados do paciente com insuficiência hepática crônica descompensada e insuficiência hepática aguda. Este tópico revisa as principais recomendações da diretriz.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
15 de Abril de 2024

Estado Hiperglicêmico Hiperosmolar e Outras Complicações Agudas do Diabetes

Em fevereiro de 2024, foi publicada uma coorte realizada na Dinamarca sobre estado hiperglicêmico hiperosmolar. Aproveitamos para rever as complicações agudas do diabetes e apresentar os dados do estudo.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Adjunctive Dexamethasone for Tuberculous Meningitis in HIV-Positive Adults

Adjunctive Dexamethasone for Tuberculous Meningitis in HIV-Positive Adults

Donovan J, Bang ND, Imran D, Nghia HDT, Burhan E, Huong DTT, Hiep NTT, Ngoc LHB, Thanh DV, Thanh NT, Wardhani ALS, Maharani K, Gasmara CP, Hanh NHH, Oanh PKN, Estiasari R, Thu DDA, Kusumaningrum A, Dung LT, Giang DC, Ha DTM, Lan NH, Chau NVV, Nguyet NTM, Geskus RB, Thuong NTT, Kestelyn E, Hamers RL, Phu NH, Thwaites GE, ACT HIV Investigators. Adjunctive Dexamethasone for Tuberculous Meningitis in HIV-Positive Adults. N Engl J Med. 2023.

Tuberculosis meningitis, Abbassia Fever Hospital-Naval Medical Research Unit No. 3-Cairo, Egypt, from 1976 to 1996

Tuberculosis meningitis, Abbassia Fever Hospital-Naval Medical Research Unit No. 3-Cairo, Egypt, from 1976 to 1996

Girgis NI, Sultan Y, Farid Z, Mansour MM, Erian MW, Hanna LS, Mateczun AJ. Tuberculosis meningitis, Abbassia Fever Hospital-Naval Medical Research Unit No. 3-Cairo, Egypt, from 1976 to 1996. Am J Trop Med Hyg. 1998.

Site of extrapulmonary tuberculosis is associated with HIV infection

Site of extrapulmonary tuberculosis is associated with HIV infection

Leeds IL, Magee MJ, Kurbatova EV, del Rio C, Blumberg HM, Leonard MK, Kraft CS. Site of extrapulmonary tuberculosis is associated with HIV infection. Clin Infect Dis. 2012.

Global morbidity and mortality of central nervous system tuberculosis: a systematic review and meta-analysis

Global morbidity and mortality of central nervous system tuberculosis: a systematic review and meta-analysis

Navarro-Flores A, Fernandez-Chinguel JE, Pacheco-Barrios N, Soriano-Moreno DR, Pacheco-Barrios K. Global morbidity and mortality of central nervous system tuberculosis: a systematic review and meta-analysis. J Neurol. 2022.

Spinal cord involvement in tuberculous meningitis

Spinal cord involvement in tuberculous meningitis

Garg RK, Malhotra HS, Gupta R. Spinal cord involvement in tuberculous meningitis. Spinal Cord. 2015.

Tuberculous meningitis in adults: a review of 160 cases

Tuberculous meningitis in adults: a review of 160 cases

Pehlivanoglu F, Yasar KK, Sengoz G. Tuberculous meningitis in adults: a review of 160 cases. ScientificWorldJournal. 2012.

Incidence, predictors and prognostic value of cranial nerve involvement in patients with tuberculous meningitis: a retrospective evaluation

Incidence, predictors and prognostic value of cranial nerve involvement in patients with tuberculous meningitis: a retrospective evaluation

Sharma P, Garg RK, Verma R, Singh MK, Shukla R. Incidence, predictors and prognostic value of cranial nerve involvement in patients with tuberculous meningitis: a retrospective evaluation. Eur J Intern Med. 2011.

Hydrocephalus in tuberculous meningitis: Incidence, its predictive factors and impact on the prognosis

Hydrocephalus in tuberculous meningitis: Incidence, its predictive factors and impact on the prognosis

Raut T, Garg RK, Jain A, Verma R, Singh MK, Malhotra HS, Kohli N, Parihar A. Hydrocephalus in tuberculous meningitis: Incidence, its predictive factors and impact on the prognosis. J Infect. 2013.

Cerebrovascular complications in tuberculous meningitis-A magnetic resonance imaging study in 90 patients from a tertiary care hospital

Cerebrovascular complications in tuberculous meningitis-A magnetic resonance imaging study in 90 patients from a tertiary care hospital

Soni N, Kumar S, Shimle A, Ora M, Bathla G, Mishra P. Cerebrovascular complications in tuberculous meningitis-A magnetic resonance imaging study in 90 patients from a tertiary care hospital. Neuroradiol J. 2020.

A case of Listeria meningitis associated with increased adenosine deaminase in cerebrospinal fluid

A case of Listeria meningitis associated with increased adenosine deaminase in cerebrospinal fluid

Nishida Y, Komachi H, Mizusawa H. A case of Listeria meningitis associated with increased adenosine deaminase in cerebrospinal fluid. Diagn Microbiol Infect Dis. 2007.

Elevated cerebrospinal fluid adenosine deaminase levels in patients with meningitis caused by varicella-zoster virus

Elevated cerebrospinal fluid adenosine deaminase levels in patients with meningitis caused by varicella-zoster virus

Pérez-Rodríguez MA, Varela P, Cañizares A, Llinares P. Elevated cerebrospinal fluid adenosine deaminase levels in patients with meningitis caused by varicella-zoster virus. Enferm Infecc Microbiol Clin. 2012.

Dexamethasone for the treatment of tuberculous meningitis in adolescents and adults

Dexamethasone for the treatment of tuberculous meningitis in adolescents and adults

Thwaites GE, Nguyen DB, Nguyen HD, Hoang TQ, Do TT, Nguyen TC, Nguyen QH, Nguyen TT, Nguyen NH, Nguyen TN, Nguyen NL, Nguyen HD, Vu NT, Cao HH, Tran TH, Pham PM, Nguyen TD, Stepniewska K, White NJ, Tran TH, Farrar JJ. Dexamethasone for the treatment of tuberculous meningitis in adolescents and adults. N Engl J Med. 2004.

Corticosteroids for managing tuberculous meningitis

Corticosteroids for managing tuberculous meningitis

Prasad K, Singh MB, Ryan H. Corticosteroids for managing tuberculous meningitis. Cochrane Database Syst Rev. 2016.
Edição #65
replay_10