Síndromes e Cenários

Neoplasia de Testículos

Criado em: 11 de Dezembro de 2023 Autor: Pedro Rafael Del Santo Magno

A neoplasia de testículo é uma das neoplasias mais comuns da população jovem. Em novembro de 2022 o British Medical Journal publicou uma revisão sobre os avanços da abordagem dessa doença [1]. Nesse "Síndromes e Cenários", trazemos os principais pontos discutidos na publicação.

Epidemiologia e fatores de risco de neoplasia de testículo

Tumor de testículo é a neoplasia mais comum do paciente jovem, com incidência crescente nos últimos anos. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) informa que a neoplasia de testículo corresponde a 5% de todas as neoplasias na faixa etária de 15 a 29 anos [2]. Em contrapartida, tem boas taxas de resposta a terapia, atingindo 95% de cura em todos os pacientes e 80 a 90% de cura em pacientes com metástase.

Dentre os tipos de tumores de testículo, o mais comum é tumor de células germinativas, correspondendo a 95% dos casos. Os outros 5% são os tumores estromais, como o tumor de células de Leydig e o de células de Sertoli. Estes últimos são geralmente benignos.

Os tumores de células germinativas podem ser subdivididos em seminomas e não seminomas. Tumores não seminomas são, em geral, mais agressivos e são classificados em quatro tipos: carcinoma embrionário, coriocarcinoma, seio endodérmico e teratom (ver fluxograma 1). A análise histopatológica pode mostrar células de seminomas e de não seminomas. Nesse caso, a neoplasia se comporta e é tratada como um não seminoma.

{Tabela1}

Dentre os fatores de risco, destaca-se o componente genético. Irmãos de pacientes com neoplasia de testículo têm 8 a 10 vezes maior risco de desenvolver a doença [3]. Outros fatores de risco incluem história de criptorquidia na infância e atraso na sua correção - especialmente após os 13 anos de idade.

Quais são os sintomas?

O sintoma local de maior destaque é a detecção de uma massa testicular. Também pode ocorrer dor lombar por infiltração de linfonodos retroperitoneais ou sintomas relacionados a metástases, como manifestações pulmonares e de sistema nervoso central.

Ginecomastia é um sintoma mais presente no tumor de células de Leydig, mas pode ocorrer nos tumores de células germinativas [4]. A neoplasia de testículo pode se manifestar com síndromes paraneoplásicas. Entre elas estão o hipertireoidismo paraneoplásico, em consequência da hiperprodução de gonadotrofina coriônica humana (hCG) que tem ação estimuladora da tireoide, e a encefalite límbica, secundária ao anticorpo anti-Ma2.

A infertilidade pode aparecer antes do surgimento de massa palpável. Uma série de 4418 casos de infertilidade encontrou 46 lesões testiculares assintomáticas e menores que 10 mm [5].

Quais são os exames complementares?

O ultrassom é o exame inicial de escolha. A neoplasia de testículo pode se apresentar como massa hipoecoica, com calcificação ou com margens irregulares. A presença de lesão sugestiva de neoplasia testicular é uma indicação de orquiectomia para fins diagnósticos e terapêuticos. A biópsia não deve ser realizada, pelo risco de contaminação por células neoplásicas no escroto e na drenagem linfática. Não é recomendada a biópsia de outro testículo em todos os pacientes, mas pode ser realizada em pacientes de alto risco, como aqueles com volume testicular menor que 12 ml e/ou história de criptorquidia.

A dosagem de β-hCG e alfa-fetoproteína (AFP) no momento do diagnóstico aumenta a suspeita de tumor de testículo, mas não deve ser usada como confirmação ou exclusão da doença. O β-hCG e a AFP se elevam nos tumores não seminomas. Nos seminomas, o β-hCG se eleva apenas em 20% dos pacientes e a AFP não se eleva. Seu papel é mais estabelecido na avaliação de controle de doenças após tratamento. A desidrogenase láctica é útil para avaliar a extensão da doença.

A investigação prossegue com exames de imagem de tórax, abdome e pelve para detecção de metástases. Uma metanálise apontou que 47% dos pacientes com invasão linfovascular no anatomopatológico tinham metástases ocultas [6].

Os principais locais de metástases são pulmões, ossos, fígado e sistema nervoso central [7]. As metástases para o sistema nervoso central são quase exclusivamente de tumores não seminomas. De todas as metástases cerebrais, 2 a 3% são devido à neoplasia testicular.

{Tabela2}

Ressonância magnética é o exame de escolha para detecção de metástase cerebral. Nesse cenário, deve ser utilizada se o paciente tem presença de sintomas ou se apresenta em uma categoria de risco desfavorável, avaliada pela escala do do International Germ Cell Cancer Collaborative Group (IGCCCG), visto na tabela 1.

Como é o tratamento?

O tratamento possui como base a orquiectomia, quimioterapia adjuvante e radioterapia.

A orquiectomia é utilizada com objetivo diagnóstico e terapêutico. Os níveis dos marcadores tumorais (β-hCG e AFP) após a orquiectomia irão compor o estadiamento do paciente (tabela 1). A maioria dos pacientes se apresenta como estágio 1 e a cirurgia pode ser suficiente para atingir cura.

Quimioterapia adjuvante pode ser realizada desde o estágio 1 a depender do subtipo do tumor e de marcadores prognósticos. Os esquemas principais envolvem carboplatina, ou uma combinação de cisplatina, bleomicina e etoposídeo. A bleomicina é contraindicada em pacientes com carga tabágica alta, disfunção renal ou idade acima de 50 anos. Nesses casos, é substituída por ifosfamida.

A radioterapia é utilizada para o tratamento de linfonodos retroperitoneais. Deve ser reservada para casos selecionados, pois a radioterapia aumenta em duas a seis vezes o risco do paciente apresentar uma segunda neoplasia nos próximos 10 a 16 anos. Outra opção para o tratamento de metástase linfonodal é a cirurgia para a ressecção de linfonodos retroperitoneais.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
27 de Março de 2023

Anticonvulsivantes

Os anticonvulsivantes são medicamentos utilizados para controlar crises em epilepsia e também são conhecidos como fármacos anticrise (FAC). Nesta revisão, serão abordados os principais aspectos dos FAC mais utilizados e disponíveis no Brasil para o tratamento de crises epilépticas e epilepsias em adultos.

hourglass_empty 24 min
Ler Tópico
30 de Janeiro de 2023

Atualização KDIGO 2022 de Manejo de Diabetes na Doença Renal Crônica

Em novembro de 2022, o Kidney Disease Improving Global Outcomes (KDIGO) publicou uma diretriz sobre manejo de diabetes mellitus em pessoas com doença renal crônica. Dividimos os principais pontos práticos dessa atualização em três categorias: medicações de primeira linha, controle glicêmico e controle de proteinúria.

hourglass_empty 18 min
Ler Tópico
17 de Outubro de 2022

Segunda Droga para Diabetes

Metformina é a primeira droga na maioria dos pacientes com diabetes, mas ainda faltam estudos sobre a melhor segunda droga em pacientes com diabetes e baixo risco cardiovascular. Dois estudos publicados no New England Journal of Medicine (NEJM) em setembro de 2022, chamados estudos GRADES, avaliaram essa questão. Vamos ver os achados e revisar o tópico.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
6 de Março de 2023

Hidroxicloroquina nas Doenças Reumatológicas

Em janeiro de 2023, o Annals of Internal Medicine publicou uma coorte de pacientes que utilizam hidroxicloroquina cronicamente e avaliou a incidência de retinopatia. Este tópico traz os achados do estudo e revisa as indicações dessa droga nas doenças reumatológicas e seus eventos adversos.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
21 de Novembro de 2022

Colonoscopia no Rastreio de Câncer de Cólon

A colonoscopia é um método utilizado para rastreio de câncer de cólon, mas seus efeitos em reduzir riscos ainda geram discussões. Em outubro de 2022, foi publicado no New England Journal of Medicine o estudo NordICC, avaliando o impacto da colonoscopia nesse contexto. Vamos ver os achados do estudo e rever o tema.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Incidência, mortalidade e morbidade hospitalar por câncer em crianças, adolescentes   e adultos jovens no Brasil: informações dos registros de câncer e do sistema de mortalidade

Incidência, mortalidade e morbidade hospitalar por câncer em crianças, adolescentes e adultos jovens no Brasil: informações dos registros de câncer e do sistema de mortalidade

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Incidência, mortalidade e morbidade hospitalar por câncer em crianças, adolescentes e adultos jovens no Brasil: informações dos registros de câncer e do sistema de mortalidade. Inca. 2016.

Gynecomastia in testicular cancer patients. Prognostic and therapeutic implications

Gynecomastia in testicular cancer patients. Prognostic and therapeutic implications

Tseng A Jr, Horning SJ, Freiha FS, Resser KJ, Hannigan JF Jr, Torti FM. Gynecomastia in testicular cancer patients. Prognostic and therapeutic implications. Cancer. 1985.

Small incidentally discovered testicular masses in infertile men--is active surveillance the new standard of care?

Small incidentally discovered testicular masses in infertile men--is active surveillance the new standard of care?

Toren PJ, Roberts M, Lecker I, Grober ED, Jarvi K, Lo KC. Small incidentally discovered testicular masses in infertile men--is active surveillance the new standard of care?. J Urol. 2010.

Lymphovascular invasion and presence of embryonal carcinoma as risk factors for occult metastatic disease in clinical stage I nonseminomatous germ cell tumour: a systematic review and meta-analysis

Lymphovascular invasion and presence of embryonal carcinoma as risk factors for occult metastatic disease in clinical stage I nonseminomatous germ cell tumour: a systematic review and meta-analysis

Blok JM, Pluim I, Daugaard G, Wagner T, Jóźwiak K, Wilthagen EA, Looijenga LHJ, Meijer RP, Bosch JLHR, Horenblas S. Lymphovascular invasion and presence of embryonal carcinoma as risk factors for occult metastatic disease in clinical stage I nonseminomatous germ cell tumour: a systematic review and meta-analysis. BJU Int. 2020.

Testicular cancer metastasis to the soft tissue: A case report and review of the literature

Testicular cancer metastasis to the soft tissue: A case report and review of the literature

Crain MA, Lakhani DA, Balar AB, Martin D, Lombard CB, Nguyen TP. Testicular cancer metastasis to the soft tissue: A case report and review of the literature. Radiol Case Rep. 2021.
Edição #65
replay_10