Diagnóstico de Infecção pelo Clostridioides difficile

Criado em: 15 de Janeiro de 2024 Autor: Luisa Sousa

A infecção pelo Clostridioides difficile (ICD, previamente chamado de Clostridium difficile) é um problema cada vez mais comum. Em setembro de 2023 foi publicado no JAMA o trabalho Multistep Testing Algorithms for Clostridioides difficile Infection, parte da série JAMA Diagnostic Test Interpretation [1]. Este tópico revisa o diagnóstico dessa doença.

O que é a infecção pelo Clostridioides difficile (ICD)

O C. difficile é um bacilo anaeróbio gram-positivo que se prolifera no trato intestinal humano quando há desequilíbrio da flora intestinal. Isso ocorre habitualmente como uma consequência do uso de antibióticos. A colonização - presença assintomática do organismo no intestino - ocorre em até 21% dos pacientes hospitalizados [2]. Fora do intestino, o bacilo fica na sua forma de esporo e sobrevive fora do cólon, resistindo ao calor [3, 4].

Para prevenir novas infecções deve-se realizar a precaução de contato em pacientes infectados. Em caso de surtos, preferir a higienização com água e sabão pela maior eficácia de remover os esporos [2, 4, 5].

Dentro do intestino, a forma vegetativa do bacilo produz as toxinas A e B, causadoras da diarreia da ICD. As fezes costumam ser amolecidas com mais de três evacuações em um dia, às vezes com sangue e muco. Sintomas que podem aparecer no processo infeccioso são febre, hiporexia e dor no abdome inferior [2].

{Tabela1}

Sinais de gravidade são a presença de leucocitose maior que 15.000 células/microL ou creatinina sérica maior que 1,5 mg/dL [6]. A apresentação mais grave é a colite fulminante. Apesar de rara (menos de 5% dos casos), tem alta mortalidade (35-50%) e é caracterizada pela presença de íleo paralítico, megacólon e instabilidade hemodinâmica [5].

Fatores predisponentes à ICD

O fator de risco clássico é a exposição aos antibióticos. A clindamicina foi o antibiótico com maior risco para colite pseudomembranosa em um estudo de caso controle com cerca de 160 mil casos [7]. Outros antibióticos associados são as cefalosporinas de 3º e 4º geração, os carbapenêmicos e as fluoroquinolonas [5, 7].

Colonização pelo C. difficile também é fator de risco para ICD, assim como infecção prévia. Recorrência pode ocorrer em até 25% dos pacientes e é definida pelo ressurgimento dos sintomas e um teste positivo 2 a 8 semanas após um episódio de ICD confirmada e tratada adequadamente [8].

Mais de 80% dos casos de ICD têm exposição prévia aos cuidados de saúde e a hospitalização, mas existem casos sem esses fatores. Outro fator que aumenta o risco são doenças crônicas, em especial doença inflamatória intestinal, hepatopatia, nefropatia e câncer [5].

Um grupo especial de pacientes com maior incidência de ICD são os transplantados de órgãos sólidos. Nesses pacientes, a pesquisa do C. difficile deve ser realizada no contexto de diarreia independente do uso prévio de antibióticos e de internação. A prevalência chega a ser cinco vezes maior em relação à população geral [9, 10]. Os transplantados de células hematopoéticas também têm uma maior prevalência de ICD, com incidência até nove vezes maior que a população geral.

Testes diagnósticos para ICD

Os testes diagnósticos para infecção pelo C. difficile podem ser organizados pelas suas sensibilidades e especificidades. O PCR e o antígeno glutamato desidrogenase (GDH) têm alta sensibilidade e demonstram a presença do C. difficile, sem diferenciar infecção de colonização. O PCR identifica apenas cepas toxigênicas, tendo assim mais especificidade que o antígeno GDH. Já as toxinas A e B marcam a infecção ativa e têm alta especificidade, mas menor sensibilidade (tabela 2). Pacientes assintomáticos não devem ser testados pela possibilidade de serem colonizados resultando em tratamentos desnecessários.

{Tabela2}

O artigo do JAMA discute sobre a estratégia de múltiplas etapas para diagnóstico de ICD, que envolve um teste de triagem seguido de um teste de confirmação. Os testes de triagem inicial devem ter alta sensibilidade e alto valor preditivo negativo para excluir a infecção caso o resultado seja negativo. Tanto GDH quanto PCR podem ser usados como testes iniciais, mas o GDH é mais disponível e tem menor custo. Quando o teste de triagem é positivo, a certeza do diagnóstico de infecção ativa deve ser feita pelo teste específico de detecção das toxinas A e B [2, 8]. Essa estratégia é recomendada pelas diretrizes americana de 2018 e europeia de 2016 [5, 11]. Uma adaptação dos algoritmos propostos está no fluxograma 1.

{Fluxograma1}

Com o uso dessa estratégia, há três cenários possíveis:

  • Teste de triagem (GDH ou PCR) negativo: exclui ICD
  • Teste de triagem (GDH ou PCR) e teste de confirmação (toxina A e B) positivos: confirma ICD
  • Teste de triagem (GDH ou PCR) positivo e teste de confirmação (toxina A e B) negativo: resultado indeterminado

A interpretação do terceiro cenário é diferente a depender do teste usado inicialmente.

Resultado indeterminado com teste de triagem GDH: nesse cenário o paciente pode ter ICD e a produção de toxina estar abaixo do nível de detecção do teste de toxinas ou o teste identificou colonização por Clostridiodes e a diarreia tem outra causa. O PCR, quando disponível, pode ajudar nesses casos. Se PCR negativo, está excluído ICD, indicando uma provável colonização por cepa não toxigênica. Caso o PCR seja positivo, isso pode indicar ICD ou colonização por cepa toxigênica. Nesse caso, a decisão de tratamento deve ser individualizada, considerando a probabilidade e os riscos da infecção.

Resultado indeterminado com teste de triagem PCR: como descrito acima, esse resultado pode indicar ICD ou colonização por cepa toxigênica. Existe a possibilidade de realização de cultura específica para Clostridiodes, mas sua disponibilidade é baixa. A decisão de tratamento é individualizada e o tratamento deve ser considerado a depender da suspeita clínica.

Por último, em casos selecionados, a colonoscopia pode ser realizada para identificar a presença de colite pseudomembranosa.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
11 de Setembro de 2023

Antibiótico em Infusão Estendida versus Intermitente

Infusão estendida e contínua são estratégias para potencializar o efeito dos antibióticos beta-lactâmicos. Em junho de 2023 no Journal of the American Medical Association (JAMA) foi publicado um estudo que compara o uso contínuo de meropenem com uso intermitente em pacientes com sepse. Esse tópico revisa o tema.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
19 de Setembro de 2022

Revascularização na Miocardiopatia Isquêmica

A doença arterial coronariana é a principal causa de miocardiopatia no mundo. O estudo REVIVED, anunciado no congresso da European Society of Cardiology (ESC) de 2022, avaliou se a revascularização através de angioplastia poderia ser benéfica em pacientes com miocardiopatia isquêmica. Vamos ver o que essa nova evidência acrescentou e revisar o tópico.

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
12 de Junho de 2023

Tomografia de Crânio no Delirium

Delirium é uma síndrome com várias causas e manifestações. Os exames complementares que fazem parte da investigação do delirium não são consensuais. O Journal of the American Geriatric Society publicou um trabalho que tenta responder como a tomografia de crânio pode ajudar no esclarecimento das causas de alteração do estado mental ou delirium. Este tópico revisa o diagnóstico e a investigação de delirium e traz os resultados do estudo.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
21 de Novembro de 2022

Colonoscopia no Rastreio de Câncer de Cólon

A colonoscopia é um método utilizado para rastreio de câncer de cólon, mas seus efeitos em reduzir riscos ainda geram discussões. Em outubro de 2022, foi publicado no New England Journal of Medicine o estudo NordICC, avaliando o impacto da colonoscopia nesse contexto. Vamos ver os achados do estudo e rever o tema.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
16 de Outubro de 2023

Reposição de Potássio

A hipocalemia é uma alteração eletrolítica frequente e que pode causar repercussões graves. A reposição de potássio exige cuidados para ser segura e efetiva. Este tópico revisa o tema.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Multistep Testing Algorithms for Clostridioides difficile Infection

Multistep Testing Algorithms for Clostridioides difficile Infection

Nicholson MR, Donskey CJ. Multistep Testing Algorithms for Clostridioides difficile Infection. JAMA. 2023.

Renal failure and leukocytosis are predictors of a complicated course of Clostridium difficile infection if measured on day of diagnosis

Renal failure and leukocytosis are predictors of a complicated course of Clostridium difficile infection if measured on day of diagnosis

Bauer MP, Hensgens MP, Miller MA, Gerding DN, Wilcox MH, Dale AP, Fawley WN, Kuijper EJ, Gorbach SL. Renal failure and leukocytosis are predictors of a complicated course of Clostridium difficile infection if measured on day of diagnosis. Clin Infect Dis. 2012.

Comparison of Different Antibiotics and the Risk for Community-Associated Clostridioides difficile Infection: A Case-Control Study

Comparison of Different Antibiotics and the Risk for Community-Associated Clostridioides difficile Infection: A Case-Control Study

Miller AC, Arakkal AT, Sewell DK, Segre AM, Tholany J, Polgreen PM, CDC MInD-Healthcare Group. Comparison of Different Antibiotics and the Risk for Community-Associated Clostridioides difficile Infection: A Case-Control Study. Open Forum Infect Dis. 2023.

Prevalence of Clostridium difficile infection among solid organ transplant recipients: a meta-analysis of published studies

Prevalence of Clostridium difficile infection among solid organ transplant recipients: a meta-analysis of published studies

Paudel S, Zacharioudakis IM, Zervou FN, Ziakas PD, Mylonakis E. Prevalence of Clostridium difficile infection among solid organ transplant recipients: a meta-analysis of published studies. PLoS One. 2015.

Hospital-onset Clostridium difficile infection among solid organ transplant recipients

Hospital-onset Clostridium difficile infection among solid organ transplant recipients

Donnelly JP, Wang HE, Locke JE, Mannon RB, Safford MM, Baddley JW. Hospital-onset Clostridium difficile infection among solid organ transplant recipients. Am J Transplant. 2015.

book Guidelines

Edição #69
replay_10