Intubação por Rebaixamento e Manejo da Via Aérea na Intoxicação

Criado em: 22 de Janeiro de 2024 Autor: João Mendes Vasconcelos

O manejo da via aérea é uma prioridade em situações de emergência. Apesar de ser uma medida fundamental, existem dúvidas sobre a indicação ideal de intubação em alguns cenários. O estudo NICO, publicado no JAMA em dezembro de 2023, avaliou o manejo da via aérea no paciente intoxicado [1]. Este tópico revisa as indicações de intubação, a intubação no rebaixamento e os resultados do estudo.

Indicações clássicas de intubação

As indicações de intubação podem ser estruturadas da seguinte maneira:

  • A patência ou a proteção da via aérea estão sob risco?
  • Existe falha na ventilação ou na oxigenação?
  • Existe previsão de um curso clínico desfavorável?

Apesar dessa estrutura, o momento ideal de proceder com a intubação é incerto em muitos casos. De um lado, é prejudicial atrasar demais e realizar o procedimento em um pior momento. De outro, indicações excessivamente precoces podem expor pacientes a uma medida invasiva com muitas complicações, sendo que poderiam ser manejados sem intubação [2].

Os pacientes com insuficiência respiratória, seja por comprometimento da ventilação ou oxigenação, são muitas vezes manejados com ventilação não invasiva (VNI). A VNI pode beneficiar muitos pacientes, especialmente aqueles com exacerbação hipercápnica de DPOC e com edema pulmonar agudo cardiogênico. Fora desses cenários, as indicações têm evidências menos robustas e deve-se ter atenção para os preditores de falha. O risco é apostar de maneira obstinada na VNI e realizar a intubação tardiamente e em um extremo clínico, tornando o procedimento excessivamente arriscado. Para mais informações, consulte o tópico sobre Ventilação Não Invasiva.

Intubação no rebaixamento de nível de consciência

A pneumonite aspirativa é um evento grave que leva a tempo prolongado de ventilação mecânica e parada cardiorrespiratória [3, 4]. A intubação em pacientes com comprometimento da consciência tenta evitar esse evento, já que alguns pacientes rebaixados não protegem bem a via aérea. O problema é que essa prática não foi amplamente estudada e não existe um único parâmetro confiável para avaliar se o paciente está de fato protegendo a via aérea.

O reflexo de vômito ou gag reflex já foi ensinado como um parâmetro útil, porém hoje é desencorajado. Não existe evidência que avaliá-lo seja algo benéfico, muitos adultos não tem esse reflexo, ele não se correlaciona bem com nível de consciência e seu mecanismo não envolve o fechamento da laringe e proteção da via aérea.

Nesse contexto, uma ferramenta amplamente utilizada é a escala de coma de Glasgow (ECG) (tabela 1). Essa escala foi criada nos anos 1970 por neurocirurgiões escoceses para graduar o nível de consciência em pacientes com trauma crânio encefálico [5]. A escala foi ganhando espaço para avaliar coma de causas traumáticas e não traumáticas, figurando inclusive no escore de SOFA para avaliar disfunção orgânica na sepse. Na década de 1990, a ideia de que um Glasgow de 8 ou menos deveria levar a intubação foi proposta e se consolidou nos anos seguintes.

{Tabela1}

A conduta de indicar intubação pelo Glasgow vem sendo questionada recentemente. Uma revisão sistemática e estudos retrospectivos não encontraram redução de risco de aspiração, com possível aumento de mortalidade e tempo de estadia no hospital [6, 7]. Além disso, o Glasgow pode sofrer variações de pontuação a depender do avaliador, especialmente naqueles com menor treinamento na escala.

O estudo NICO

Esse trabalho foi um ensaio clínico randomizado realizado na França avaliando o manejo da via aérea no paciente intoxicado. O estudo não foi cego e avaliou uma estratégia de limitar intubações contra a prática padrão.

O critério de inclusão envolveu pessoas maiores de 18 anos com suspeita de intoxicação aguda e com escala de coma de Glasgow menor do que 9. Os pacientes eram excluídos nas seguintes situações:

  • Necessidade imediata de intubação como insuficiência respiratória, choque, convulsão ou suspeita de lesão no sistema nervoso central
  • Suspeita de uma droga com ação cardiovascular como betabloqueadores, bloqueadores do canal cálcio e inibidores da enzima conversora de angiotensina
  • Suspeita de intoxicação por uma droga única com disponibilidade de um agente reversor, como opioides ou benzodiazepínicos

A intervenção consistiu em uma estratégia de evitar intubação, exceto se uma indicação de emergência ocorresse. As indicações de emergência eram choque, desconforto respiratório, vômitos e convulsões. No grupo controle, a decisão de intubar ficava a cargo do médico que estava atendendo o paciente. Os pacientes eram monitorizados de perto por quatro horas após a randomização, a partir de então eram tratados de maneira usual.

O desfecho primário foi um composto de morte intrahospitalar, tempo de estadia em UTI e tempo de estadia no hospital. Por ser um desfecho composto com desfechos individuais de relevância clínica diferente, para analisar os resultados foi calculado o win ratio. O desfecho mais relevante na hierarquia foi mortalidade, seguido por tempo de estadia em UTI e tempo de estadia hospitalar.

O estudo incluiu 225 pacientes com média de idade de 33 anos. A mediana de escala de coma de Glasgow foi seis. As drogas mais envolvidas foram álcool (66%), benzodiazepínicos (40%) e neurolépticos (24%). A soma das drogas passa de 100% já que alguns pacientes estavam intoxicados por mais de uma substância.

Houve benefício no grupo intervenção. Pacientes do grupo intervenção foram menos intubados (16% vs 58%), com menos admissões em UTI e menor estadia em UTI. Não houve mortes entre os participantes. O win ratio favoreceu a intervenção, com valor de 1,85 (IC 95% 1,33 - 2,58). Ocorreram menos pneumonias no grupo intervenção (6,9% vs 14,7%).

Esse estudo muda a prática clínica. O trabalho mostra que é seguro limitar as intubações após intoxicações agudas, especialmente quando o agente é o álcool. Para garantir essa segurança, o paciente precisa ser bem monitorado e os critérios de exclusão do estudo obedecidos.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
27 de Fevereiro de 2023

Staphylococcus aureus Resistente à Meticilina (MRSA) e Vancomicina

A infecção por Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA) é causa importante de mortalidade e morbidade no hospital. O tratamento gera dúvidas, especialmente com relação a vancomicina e sua monitorização. Na revisão do mês, abordamos infecções por MRSA, seu tratamento e monitorização de vancomicina.

hourglass_empty 21 min
Ler Tópico
21 de Agosto de 2023

Febre no Pós-Operatório

A febre é uma das complicações pós-operatórias mais comuns. Pode ser parte de uma resposta normal à cirurgia ou ter uma causa patológica, como infecções. Este tópico discute as causas mais comuns e a investigação desse cenário.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
8 de Maio de 2023

Diretriz de 2023 de Prognóstico Neurológico Pós Parada Cardiorrespiratória

O prognóstico neurológico pós parada cardiorrespiratória (PCR) é um desafio comum na terapia intensiva. Em março de 2023, a Neurocritical Care Society publicou uma diretriz de recomendações para a avaliação do prognóstico neurológico em pacientes que permanecem comatosos após PCR. Revisamos este tema neste tópico.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
12 de Junho de 2023

Tomografia de Crânio no Delirium

Delirium é uma síndrome com várias causas e manifestações. Os exames complementares que fazem parte da investigação do delirium não são consensuais. O Journal of the American Geriatric Society publicou um trabalho que tenta responder como a tomografia de crânio pode ajudar no esclarecimento das causas de alteração do estado mental ou delirium. Este tópico revisa o diagnóstico e a investigação de delirium e traz os resultados do estudo.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
13 de Março de 2023

Nefropatia por Contraste

Há décadas, a infusão de contraste iodado tem sido associada a lesão renal aguda. Em janeiro de 2023, a Intensive Care Medicine publicou um estudo sobre nefropatia induzida por contraste em pacientes com lesão renal aguda pré-existente. Aproveitamos a publicação para revisar e atualizar o tema neste tópico.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico

article Artigos

Effect of Noninvasive Airway Management of Comatose Patients With Acute Poisoning: A Randomized Clinical Trial

Effect of Noninvasive Airway Management of Comatose Patients With Acute Poisoning: A Randomized Clinical Trial

Freund Y, Viglino D, Cachanado M, Cassard C, Montassier E, Douay B, Guenezan J, Le Borgne P, Yordanov Y, Severin A, Roussel M, Daniel M, Marteau A, Peschanski N, Teissandier D, Macrez R, Morere J, Chouihed T, Roux D, Adnet F, Bloom B, Chauvin A, Simon T. Effect of Noninvasive Airway Management of Comatose Patients With Acute Poisoning: A Randomized Clinical Trial. JAMA. 2023.

Intubation Practices and Adverse Peri-intubation Events in Critically Ill Patients From 29 Countries

Intubation Practices and Adverse Peri-intubation Events in Critically Ill Patients From 29 Countries

Russotto V, Myatra SN, Laffey JG, Tassistro E, Antolini L, Bauer P, Lascarrou JB, Szuldrzynski K, Camporota L, Pelosi P, Sorbello M, Higgs A, Greif R, Putensen C, Agvald-Öhman C, Chalkias A, Bokums K, Brewster D, Rossi E, Fumagalli R, Pesenti A, Foti G, Bellani G, INTUBE Study Investigators. Intubation Practices and Adverse Peri-intubation Events in Critically Ill Patients From 29 Countries. JAMA. 2021.

Incidence, risk factors, and outcome of aspiration pneumonitis in ICU overdose patients

Incidence, risk factors, and outcome of aspiration pneumonitis in ICU overdose patients

Christ A, Arranto CA, Schindler C, Klima T, Hunziker PR, Siegemund M, Marsch SC, Eriksson U, Mueller C. Incidence, risk factors, and outcome of aspiration pneumonitis in ICU overdose patients. Intensive Care Med. 2006.

Daily evaluation of macroaspiration in the critically ill post-trauma patient

Daily evaluation of macroaspiration in the critically ill post-trauma patient

Miller CD, Rebuck JA, Ahern JW, Rogers FB. Daily evaluation of macroaspiration in the critically ill post-trauma patient. Curr Surg. 2005.

Assessment of coma and impaired consciousness. A practical scale

Assessment of coma and impaired consciousness. A practical scale

Teasdale G, Jennett B. Assessment of coma and impaired consciousness. A practical scale. Lancet. 1974.

Endotracheal intubation to reduce aspiration events in acutely comatose patients: a systematic review

Endotracheal intubation to reduce aspiration events in acutely comatose patients: a systematic review

Orso D, Vetrugno L, Federici N, D'Andrea N, Bove T. Endotracheal intubation to reduce aspiration events in acutely comatose patients: a systematic review. Scand J Trauma Resusc Emerg Med. 2020.

Questioning dogma: does a GCS of 8 require intubation?

Questioning dogma: does a GCS of 8 require intubation?

Hatchimonji JS, Dumas RP, Kaufman EJ, Scantling D, Stoecker JB, Holena DN. Questioning dogma: does a GCS of 8 require intubation?. Eur J Trauma Emerg Surg. 2021.
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #70
replay_10