Síndromes e Cenários

Doença de Behçet

Criado em: 08 de Abril de 2024 Autor: Luisa Sousa

A doença de Behçet é uma vasculite inflamatória multissistêmica caracterizada por uma evolução com períodos de remissões e recidivas. A doença pode acometer artérias, veias e capilares de diferentes diâmetros. Esse tópico explora a doença, inspirado em duas revisões recentes publicadas no New England Journal of Medicine e Lancet em fevereiro de 2024 [1, 2]

Epidemiologia e mecanismo

A maior incidência de doença de Behçet (DB) é entre adultos jovens entre 20 e 40 anos. Em relação às vasculites no Brasil, um estudo com centros do sul do país, encontrou a DB como vasculite mais prevalente (35% dos casos) e, quando analisados pacientes de dois estados nordestinos, a DB foi a segunda mais frequente [3].

A predisposição genética com o HLA B51 é bem estabelecida, ocorrendo em até 50% dos portadores da doença. As lesões de DB têm o predomínio de infiltrado neutrofílico nos vasos [1, 4].

Muitas vasculites acometem predominantemente vasos de um determinado tipo ou calibre. A DB não tem esse comportamento, podendo afetar veias e artérias de qualquer tamanho. Isso explica as manifestações variadas e os diferentes fenótipos clínicos.

Manifestações clínicas

As manifestações clínicas podem ser organizadas em sistemas: cutâneo-mucoso, articular, ocular, cardiovascular, neurológico e gastrointestinal, conforme descrito na tabela 1. As manifestações cardiovasculares estão associadas a maior mortalidade [1, 5].

{Tabela1}

Manifestações cutâneo-mucosas

Úlceras orais estão presentes na maioria dos pacientes, com alguns estudos indicando ocorrência em 100% dos casos em algum momento da doença [6-8]. As úlceras são dolorosas e bem delimitadas com centro branco-amarelado e tamanho variável de milímetros até 2 cm. Normalmente são a primeira manifestação, demoram a desaparecer e não deixam cicatriz [4]. São difíceis de distinguir de estomatite aftosa recorrente apenas pela aparência, apesar de serem mais extensas e numerosas (veja a tabela 2 para diagnósticos diferenciais de úlceras de repetição) [9].

{Tabela2}

As úlceras genitais normalmente são maiores que as orais e deixam cicatrizes em cerca de quase 70% dos casos. A investigação deve excluir outras causas de úlceras genitais como infecção por herpesvírus e doenças bolhosas. As lesões geralmente localizam-se nos grandes lábios nas mulheres e no escroto nos homens. Uma manifestação menos frequente é a epididimite com dor intensa e unilateral da bolsa escrotal [1, 4].

Lesões semelhantes à acne, com pápulas pustulosas e pseudofoliculite, são outro tipo de manifestação cutânea.

Manifestações articulares

As grandes articulações são afetadas em cerca de 50% dos pacientes com DB. Joelhos, tornozelos, punhos e cotovelos são acometidos de forma autolimitada e mono ou oligoarticular. A artralgia ou artrite pode ocorrer junto de entesite e não costuma ser destrutiva.

Manifestações oculares

Lesões oculares ocorrem em aproximadamente 50% dos pacientes e são mais frequentes nos primeiros anos da doença. O envolvimento é bilateral em 70 a 80% dos casos e a panuveíte é a manifestação mais comum. Uma alteração típica é a presença de secreção purulenta na câmara anterior - o hipópio [1].

Manifestações cardiovasculares

Os trombos podem ocorrer em sítios raros como seios venosos cerebrais e veia hepática/supra hepática. Este último sítio acometido pode levar à síndrome de Budd-Chiari [4].

{Tabela3}

Casos mais graves estão associados a aneurismas da aorta e artéria pulmonar, trombose da artéria pulmonar e lesões das artérias coronarianas [5]. A tabela 3 resume as manifestações vasculares da DB.

Diagnóstico da doença de Behçet

A DB deve ser considerada em pacientes com úlceras orais recorrentes e manifestações sistêmicas. Úlceras genitais são mais específicas, porém menos sensíveis para o diagnóstico. Não existe um auto-anticorpo associado a DB, porém o teste da patergia pode auxiliar no diagnóstico.

{Tabela4}

Os critérios diagnósticos da DB foram revisados em 2014 (tabela 4) e devem guiar a investigação clínica [10]. Em casos graves, com alta suspeição clínica, o tratamento deve ser instituído mesmo antes da confirmação pelos critérios diagnósticos.

Tratamento

{Tabela5}

As opções terapêuticas vão desde corticoide tópico e colchicina para o acometimento cutâneo e articular leve até a combinação de corticoide sistêmico em alta dose e drogas modificadoras de doença antirreumáticas (DMARDs) em casos graves. A tabela 5 agrupa os tratamentos de acordo com cada manifestação [1].

Compartilhe:
Aproveite e leia:
10 de Abril de 2023

Novos Tratamentos de Tuberculose

O tratamento de tuberculose envolve a combinação de antibióticos por um período prolongado, geralmente seis meses ou mais. Em março de 2023, o estudo TRUNCATE-TB foi publicado no New England Journal of Medicine (NEJM) avaliando estratégias de tratamento mais curtas, de 8 semanas. Aproveitamos a publicação para revisar as novas estratégias de tratamento de tuberculose.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
14 de Novembro de 2022

Nova Medicação para Lúpus Eritematoso Sistêmico

Em setembro de 2022, o New England Journal of Medicine (NEJM) publicou um artigo sobre uma nova terapia para tratamento do lúpus eritematoso sistêmico (LES), o litifilimabe. Vamos ver o que essa nova evidência acrescentou e revisar o tratamento de LES.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
12 de Dezembro de 2022

Critérios de Classificação de Arterite de Células Gigantes

Em novembro de 2022, o American College of Rheumatology (ACR) e a European Alliance of Associations for Rheumatology (EULAR) publicaram uma atualização sobre os critérios de classificação de arterite de células gigantes. Vamos aproveitar a publicação para revisar o tema.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
1 de Julho de 2024

Rastreio de Transtornos Psiquiátricos

Transtornos mentais são prevalentes e negligenciados. O estudo GET.FEEDBACK.GP foi publicado em abril de 2024 no Lancet Psychiatry e aborda o rastreio de depressão. Este tópico discute o tema e traz os resultados do estudo.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
1 de Julho de 2024

MAPA, MRPA e diagnóstico de hipertensão

Em 2024, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) publicou a nova diretriz para as medidas da pressão arterial dentro e fora do consultório, incluindo a medida ambulatorial da pressão arterial (MAPA) e a medida residencial de pressão arterial (MRPA). Esse tópico revisa as diferentes maneiras de diagnosticar HAS.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico

article Artigos

Epidemiologic Features of Systemic Vasculitides in the Southeast Region of Brazil: Hospital-Based Survey

Epidemiologic Features of Systemic Vasculitides in the Southeast Region of Brazil: Hospital-Based Survey

Belem JMFM, Pereira RMR, Perez MO, do Prado LL, Calich AL, Sachetto Z, Bacchiega ABS, Simil FF, Pedreira AL, Gazzeta MO, Dinis VG, Mariz HA, Duque RH, Schau B, Santiago MB, Ferreira GA, Ochtrop MLG, Gonçalves CR, Rêgo J, Levy RA, de Souza AWS. Epidemiologic Features of Systemic Vasculitides in the Southeast Region of Brazil: Hospital-Based Survey. J Clin Rheumatol. 2020.

Clinical characteristics of Behçet's disease in China

Clinical characteristics of Behçet's disease in China

Wang LY, Zhao DB, Gu J, Dai SM. Clinical characteristics of Behçet's disease in China. Rheumatol Int. 2010.

The natural course and factors affecting severity of Behçet's disease: a single-center cohort of 368 patients

The natural course and factors affecting severity of Behçet's disease: a single-center cohort of 368 patients

Ugurlu N, Bozkurt S, Bacanli A, Akman-Karakas A, Uzun S, Alpsoy E. The natural course and factors affecting severity of Behçet's disease: a single-center cohort of 368 patients. Rheumatol Int. 2015.

Evaluation of clinical findings according to sex in 2313 Turkish patients with Behçet's disease

Evaluation of clinical findings according to sex in 2313 Turkish patients with Behçet's disease

Tursen U, Gurler A, Boyvat A. Evaluation of clinical findings according to sex in 2313 Turkish patients with Behçet's disease. Int J Dermatol. 2003.

How to recognise a Behçet's ulcer from other types of oral ulceration? Defining Behçet's ulceration by an International Delphi Consultation

How to recognise a Behçet's ulcer from other types of oral ulceration? Defining Behçet's ulceration by an International Delphi Consultation

Poveda-Gallego A, Chapple I, Iacucci M, Hamburger J, Murray PI, Rauz S, Wallace GR, Behçet's Disease Expert Panel. How to recognise a Behçet's ulcer from other types of oral ulceration? Defining Behçet's ulceration by an International Delphi Consultation. Clin Exp Rheumatol. 2023.

The International Criteria for Behçet's Disease (ICBD): a collaborative study of 27 countries on the sensitivity and specificity of the new criteria

The International Criteria for Behçet's Disease (ICBD): a collaborative study of 27 countries on the sensitivity and specificity of the new criteria

International Team for the Revision of the International Criteria for Behçet's Disease (ITR-ICBD). The International Criteria for Behçet's Disease (ICBD): a collaborative study of 27 countries on the sensitivity and specificity of the new criteria. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2014.
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #78
replay_10