Cuidados Paliativos em Urgência e Emergência

Criado em: 29 de Abril de 2024 Autor: Marcela Belleza

Os cuidados paliativos visam melhorar a qualidade de vida de pacientes com doenças incuráveis nas diversas etapas do adoecimento. Pacientes com doenças incuráveis recorrem frequentemente ao pronto-socorro para alívio de sintomas agudos ou em situações avançadas da doença. Esta revisão aborda as principais aplicações dos cuidados paliativos no cenário de urgência e emergência.

Existe espaço para cuidados paliativos na emergência?

Cuidados paliativos são prestados por uma equipe multidisciplinar para melhorar a qualidade de vida de pacientes que possuem doenças incuráveis, em todas as fases do processo do adoecimento [1]. Controlar a dor e sintomas desagradáveis e garantir uma abordagem multiprofissional do paciente e dos familiares são princípios que guiam os cuidados paliativos. O objetivo é influenciar positivamente o curso da doença, considerando que a morte é um processo natural, que não deve ser acelerada ou adiada. 

É comum que pacientes com doenças crônicas busquem o serviço de urgência e emergência em algum momento. Um estudo americano mostrou que metade dos idosos que faleceram buscaram o departamento de emergência no último mês de vida [2]. Situações frequentes para buscar o pronto-socorro são piora da dispneia na doença pulmonar obstrutiva crônica ou insuficiência cardíaca, dor oncológica não controlada, náuseas e vômitos por quimioterapia e piora de funcionalidade ou do estado geral em pacientes com demências [3, 4].

Além de doenças crônicas com intercorrências, uma característica dos cuidados paliativos no pronto-socorro é a assistência em casos graves de instalação rápida - como AVC, síndrome coronariana aguda e trauma. Essas situações podem mudar drasticamente a funcionalidade do paciente e demandas de cuidados paliativos podem surgir. 

A demanda por cuidados paliativos na emergência pode ser maior do que se supõe em uma análise superficial [5]. A implementação de cuidados paliativos pode elevar a qualidade do cuidado ao controlar melhor os sintomas, fornecer melhor apoio emocional para pacientes e familiares e garantir uma comunicação mais efetiva [6, 7]. Ao mesmo tempo, evidências apontam redução de tempo de internação e de custos associados ao cuidado [8, 9]. Existem iniciativas para integrar de maneira mais fluida os cuidados paliativos ao atendimento no pronto-socorro e rastrear os pacientes que mais se beneficiam dessa abordagem [10, 11].

Dessa forma, o conhecimento de cuidados paliativos é recomendado para o atendimento no cenário de emergência. O American College of Emergency Physicians (ACEP) sugere que as equipes de unidade de urgência sejam treinadas em habilidades de cuidados paliativos [12]. Essas habilidades podem ser dividas nos seguintes pontos: 

  • Reconhecimento da necessidade de cuidados paliativos: avaliação prognóstica; indicação.
  • Aplicação de cuidados paliativos básicos: controle de sintomas; comunicação de notícias difíceis; elaboração de plano de cuidados que respeite os valores e desejos do paciente. 
  • Especificidades dos cuidados paliativos no pronto-socorro: conhecimento de aspectos éticos e legais; transição de cuidados 

Pacientes já em cuidados paliativos na emergência

Pacientes com doenças crônicas podem ser admitidos na emergência já com um plano de cuidados que envolva os cuidados paliativos. Nesse cenário, intercorrências esperadas para a trajetória do adoecimento já foram discutidas. A equipe assistente, o paciente e familiares podem tomar decisões antecipadas sobre a linha terapêutica a ser seguida em uma piora aguda.

Uma das formas de representação do plano de cuidados é a diretiva antecipada de vontade (DAV). Este é um documento com as preferências de cuidado do paciente. Em uma situação clínica em que o indivíduo não pode expressar suas vontades, a DAV serve como um guia para a tomada de decisão [13].

A DAV deve ser registrada em prontuário. Recomenda-se manter cópias com o paciente e pessoas de sua confiança. Também é recomendado que um médico de referência mantenha uma cópia. Não há obrigatoriedade de registro legal do documento. Este link contém um exemplo de diretiva antecipada de vontade [14]. Este modelo descreve alguns desejos, vontades e recusas possíveis diante de uma condição de terminalidade. 

Quando indicar cuidados paliativos na emergência em pacientes sem diretivas antecipadas de vontade?

A Organização Mundial de Saúde defende que os cuidados paliativos devem ser iniciados o mais precocemente possível, em conjunto a outras medidas terapêuticas que sejam aplicáveis. Esta ideia é reforçada pelo ACEP e pelo programa Choosing Wisely, que aconselham não atrasar cuidados paliativos no departamento de emergência aos pacientes que possivelmente se beneficiam [15].

Quando a situação clínica é menos conhecida e a tomada de decisão deve ser feita em pouco tempo, a indicação de cuidados paliativos se baseia em ferramentas prognósticas. Predizer desfechos como funcionalidade e mortalidade depende de fatores intrínsecos ao paciente (idade, funcionalidade prévia), à doença (número de comorbidades, indicadores específicos) e ao meio (recursos disponíveis para o tratamento). 

No pronto-socorro, uma estratégia rápida para predição de mortalidade é usar a pergunta surpresa. O profissional que atende o paciente deve se questionar se “ficaria surpreso caso o paciente morresse em um ano” [16].

Um estudo brasileiro avaliou a acurácia da pergunta surpresa no pronto-socorro para predizer mortalidade intra-hospitalar. Pacientes que tiveram resposta negativa ("eu não me surpreenderia se o meu paciente morresse em um ano") apresentaram mortalidade intra-hospitalar quase oito vezes superior àqueles que tiveram resposta positiva ("eu me surpreenderia se o meu paciente morresse em um ano") [17].

{Tabela1}

O ACEP inclui outros indícios de que o paciente que procura o serviço de emergência pode se beneficiar de cuidados paliativos:

  • Diagnóstico de doença progressiva ou agudamente ameaçadora à vida
  • Eventos clínicos ou deterioração significativa da trajetória de doença
  • Mudança significativa no enfrentamento da doença, por parte do paciente ou cuidador, com necessidade de maior apoio do serviço de saúde
  • Exaustão de terapias curativas para uma doença grave e progressiva

Em relação a doenças crônicas, um método de avaliação sobre a indicação de cuidados paliativos é a abordagem SPICT [18], descrita na tabela 1

Intervenções invasivas na sala de emergência e tomada de decisão

A sala de emergência é o cenário típico de intervenções invasivas como intubação orotraqueal, reanimação cardiopulmonar, definição sobre hemodiálise e recomendação de procedimentos cirúrgicos imediatos [19].

A tomada de decisão pode ser difícil e não existem critérios absolutos para a limitação de suporte avançado de vida. Entender os riscos de cada intervenção e o potencial de benefício é fundamental para oferecer o tratamento ideal [20, 21]. O impacto das intervenções sobre o potencial de melhora de sobrevida ou qualidade de vida deve ser alinhado às expectativas, valores e crenças dos pacientes ou de seus representantes  [19]. 

No cenário de emergência, a tomada de decisão em cuidados paliativos pode ser roteirizada em quatro etapas [22]:

A - Plano avançado de cuidados (advance care plan): deve-se revisar a presença de diretivas antecipadas que guiem a tomada de decisão. Alguns pacientes podem recusar intervenções. 
B - Controle de sintomas (better symptom control): avaliar possibilidade de controle imediato do sofrimento, dor, dispneia ou outro desconforto, de forma farmacológica ou não invasiva. 
C - Cuidadores: buscar familiares ou conhecidos que possam acrescentar informações à história clínica (contexto funcional e comorbidades). 
D - Decisão: avaliar a capacidade do paciente de discutir objetivos do cuidado ou definir um responsável substituto. 

Alguns pacientes chegam ao serviço de emergência em situações avançadas de doenças crônicas, quando o processo de óbito é entendido como irreversível. Nestes cenários, as medidas invasivas de manutenção da vida não são consideradas adequadas, por poderem prolongar o sofrimento do paciente e de seus familiares.

Quando existe dúvida sobre a reversibilidade de uma intercorrência, podem ser propostas intervenções mais agressivas com reavaliação periódica. Esta conduta é conhecida pelo termo em inglês time-limited trial [23, 24]. É um acordo entre a equipe médica e o paciente ou familiares em que são estabelecidas intervenções terapêuticas por determinado tempo para avaliar a resposta do paciente. Mais detalhes sobre essa conduta foram discutidos neste tópico.

Comunicação em emergência

A comunicação de más notícias em emergências pode apresentar dificuldades. Alguns entraves são o tempo necessário para uma boa comunicação, ausência de contato com o paciente e falta de treinamento em comunicação [25].

Técnicas para a comunicação de notícias difíceis facilitam a entrega de informações, mantendo o conteúdo a ser comunicado, empatia e respeito aos desejos do paciente e familiares. Existem roteiros que podem servir de guia para a comunicação clara e empática de más notícias, como o SPIKES [26], BREAKS [27] e ABCDE [28]. O SPIKES é amplamente estudado e utilizado. Veja na tabela 2.

{Tabela2}

Independentemente do método de comunicação, algumas características são universais:

  • Esclarecer o objetivo e tempo dedicado ao processo de comunicação
  • Conhecer detalhes que embasam a comunicação
  • Identificar os integrantes da conversa - equipe de saúde, paciente e/ou familiares
  • Comunicar-se com empatia e clareza, evitando linguagem técnica
  • Documentar o plano de cuidados e pessoas presentes quando a comunicação ocorreu. 

Sintomas a controlar

Sintomas não controlados de doenças crônicas são um motivo comum de idas ao pronto-socorro e podem ser indicação de cuidados paliativos. A causa do sintoma sempre deve ser investigada e revertida quando possível. No cenário de emergência, medicamentos sintomáticos são usados para alívio mais rápido do desconforto [29]. Para uma discussao mais aprofundada sobre controle de sintomas, veja a revisão Controle Farmacológico de Sintomas.

Dor

A dor é o motivo da procura do pronto-socorro em até 80% dos casos. O manejo do sintoma deve ser iniciado o mais precocemente possível, mesmo antes de um diagnóstico etiológico definitivo [30]. A tabela 3 descreve os principais medicamentos para analgesia no pronto atendimento. 

{Tabela3}

Dor é um sintoma comum no fim de vida. Muitos pacientes têm dor crônica e procuram o pronto-socorro por dificuldade de controle do sintoma. Algumas causas dessa demanda incluem incapacidade de administração de medicamentos, intolerância a eventos adversos e progressão da doença de base [31].

Pacientes em uso crônico de opioides podem necessitar de troca de via de administração ou de trocar o opioide em si. Esse processo é chamado de rotação de opioides sendo detalhado neste vídeo.

Dispneia

Dispneia é uma queixa comum em pacientes com câncer e doenças crônicas como DPOC e insuficiência cardíaca. A piora do sintoma deve ser investigada, lembrando de intercorrências como exacerbações infecciosas, tromboembolismo pulmonar ou progressão da doença [32].

Pacientes com queixa de dispneia devem ser avaliados quanto à presença de hipoxemia e dessaturação. A suplementação de oxigênio pode ser indicada como medida para controle de dispneia em pacientes com pO2 < 55mmHg [33].

Os opioides são adjuvantes no tratamento sintomático da dispneia, especialmente morfina e codeína em pacientes com DPOC. Nesse cenário, são recomendadas doses baixas de opioides (menos que 30 mg de morfina oral) e não parecem estar associadas a aumento de mortalidade [34]. 

Sintomas associados à dispneia, como a ansiedade, podem ser motivo da piora clínica [32]. Nesses casos, os benzodiazepínicos podem ser tentados para controle da queixa respiratória, especialmente na refratariedade a outras estratégias [35]. Deve-se atentar ao risco de hipoventilação, especialmente quando usados em conjunto a opioides [29];

Náuseas e vômitos

{Tabela4}

Náuseas e vômitos são sintomas inespecíficos, com etiologias tão variadas quanto uremia, hipercalcemia, hipertensão intracraniana, obstrução intestinal, quimioterápicos e opioides. Este caso clínico aborda a investigação desse sintoma.

Assim como para o controle dos demais sintomas, a causa das náuseas deve ser pesquisada [29]. Não há evidência forte de que o tratamento sintomático baseado na fisiopatologia seja superior à terapia empírica [36]. Os principais medicamentos para manejo das náuseas e vômitos no pronto-socorro estão descritos na tabela 4.

Aspectos legais e bioéticos sobre cuidados paliativos

Alguns dilemas éticos e inseguranças legais podem surgir ao discutir a abordagem de cuidados paliativos no pronto-socorro. Familiares ou a própria equipe de saúde podem questionar se a instituição de cuidados paliativos acelera ou causa a morte.

Alguns conceitos devem ser esclarecidos para facilitar a compreensão:

  • Eutanásia: processo ativo de abreviação da vida. 
  • Distanásia: prolongamento ou aumento do sofrimento do processo de morte, sem benefício claro ao paciente.
  • Ortotanásia: entendimento da morte como um fato natural, que deve ocorrer no momento correto - sem acelerar ou retardar com sofrimento. 

A eutanásia é considerada crime no Brasil (homicídio doloso). O artigo 41 do Código de Ética Médica esclarece que "é vedado ao médico abreviar a vida do paciente, ainda que a pedido deste ou de seu representante legal"

A distanásia pode ser traduzida como obstinação terapêutica, uma tentativa de reversão da morte quando esse desfecho é inevitável. Sobre este aspecto, o artigo 41 do Código de Ética Médica dispõe que “nos casos de doença incurável e terminal, deve o médico oferecer todos os cuidados paliativos disponíveis sem empreender ações diagnósticas ou terapêuticas inúteis, ou obstinadas, levando sempre em consideração a vontade expressa do paciente ou, na sua impossibilidade, a de seu representante legal".

Na Constituição Federal Brasileira, Capítulo I, artigo 5°, lê-se que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: (...) III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante".

Os princípios da bioética também são importantes ao se discutir os benefícios de cuiados paliativos. O princípio da autonomia do paciente é descrito desde 1979 [37]. A declaração universal sobre bioética e direitos humanos da UNESCO reforça que "deve ser respeitada a autonomia dos indivíduos para tomar decisões, quando possam ser responsáveis por essas decisões e respeitem a autonomia dos demais. Devem ser tomadas medidas especiais para proteger direitos e interesses dos indivíduos não capazes de exercer autonomia" [38]. 

Nos casos em que o paciente é incapaz de exercer sua autonomia, a resolução 1995/2012 do Conselho Federal de Medicina, em seu artigo 2⁠º dispõe que: 

"Nas decisões sobre cuidados e tratamentos de pacientes que se encontram incapazes de comunicar-se, ou de expressar de maneira livre e independente suas vontades, o médico levará em consideração suas diretivas antecipadas de vontade. § 1º Caso o paciente tenha designado um representante para tal fim, suas informações serão levadas em consideração pelo médico. § 2º O médico deixará de levar em consideração as diretivas antecipadas de vontade do paciente ou representante que, em sua análise, estiverem em desacordo com os preceitos ditados pelo Código de Ética Médica. § 3º As diretivas antecipadas do paciente prevalecerão sobre qualquer outro parecer não médico, inclusive sobre os desejos dos familiares. § 4º O médico registrará, no prontuário, as diretivas antecipadas de vontade que lhes foram diretamente comunicadas pelo paciente. §  5º Não sendo  conhecidas as diretivas antecipadas de vontade do paciente, nem havendo  representante designado, familiares disponíveis ou falta de consenso entre estes, o  médico recorrerá ao Comitê de Bioética da instituição, caso exista, ou, na falta deste, à Comissão de Ética Médica do hospital ou ao Conselho Regional e Federal de Medicina para fundamentar sua decisão sobre conflitos éticos, quando entender esta medida necessária e conveniente." 

Compartilhe:
Aproveite e leia:
18 de Março de 2024

Antibióticos nos Cuidados Paliativos

O tratamento de infecções em pacientes em fase final de vida gera dúvidas. Uma revisão da Infectious Diseases Society of America (IDSA) sobre uso de antibióticos em cuidados paliativos foi publicada em fevereiro de 2024. Este tópico traz os principais aspectos sobre o tema.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
23 de Janeiro de 2023

Síndrome de Wellens

A análise do eletrocardiograma (ECG) na dor torácica tem como divisor de águas a presença de supradesnivelamento do segmento ST (supra de ST). Alguns argumentam que o foco excessivo no supra de ST pode desviar a atenção de outros padrões relevantes no ECG. Aproveitando publicações recentes, vamos revisar o padrão de Wellens, um ECG que sempre deve ser lembrado.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
10 de Outubro de 2022

Fluidos na Pancreatite Aguda

Recentemente o New England Journal of Medicine publicou o Waterfall, um estudo sobre ressuscitação volêmica na pancreatite aguda. Um tema muito discutido e com poucas evidências. Vamos ver o que essa nova evidência acrescentou e revisar o tópico.

hourglass_empty 6 min
Ler Tópico
2 de Outubro de 2023

Tratamento Farmacológico de Osteoporose Primária

O tratamento farmacológico da osteoporose primária depende da gravidade da doença, preferências do paciente e eventos adversos relacionados às medicações. Em 2023, o American College of Physicians (ACP) lançou uma diretriz para orientar a escolha sobre a terapia. Este tópico revisa o tema e resume as principais recomendações da diretriz.

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
9 de Outubro de 2023

Oseltamivir na Infecção por Influenza

Oseltamivir é um antiviral recomendado para o tratamento de infecção por influenza em pacientes de alto risco. Em junho de 2023 foi publicada no Journal of the American Medical Association uma revisão sistemática e meta-análise para avaliar o uso de oseltamivir em pacientes ambulatoriais. Esse tópico revisa as evidências do uso dessa medicação.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico

article Artigos

ABC of palliative care. Principles of palliative care and pain control

ABC of palliative care. Principles of palliative care and pain control

O'Neill B, Fallon M. ABC of palliative care. Principles of palliative care and pain control. BMJ. 1997.

Half of older Americans seen in emergency department in last month of life; most admitted to hospital, and many die there

Half of older Americans seen in emergency department in last month of life; most admitted to hospital, and many die there

Smith AK, McCarthy E, Weber E, Cenzer IS, Boscardin J, Fisher J, Covinsky K. Half of older Americans seen in emergency department in last month of life; most admitted to hospital, and many die there. Health Aff (Millwood). 2012.

Emergency department experiences of acutely symptomatic patients with terminal illness and their family caregivers

Emergency department experiences of acutely symptomatic patients with terminal illness and their family caregivers

Smith AK, Schonberg MA, Fisher J, Pallin DJ, Block SD, Forrow L, McCarthy EP. Emergency department experiences of acutely symptomatic patients with terminal illness and their family caregivers. J Pain Symptom Manage. 2010.

The palliative care model for emergency department patients with advanced illness

The palliative care model for emergency department patients with advanced illness

Grudzen CR, Stone SC, Morrison RS. The palliative care model for emergency department patients with advanced illness. J Palliat Med. 2011.

A rapid two-stage screening protocol for palliative care in the emergency department: a quality improvement initiative

A rapid two-stage screening protocol for palliative care in the emergency department: a quality improvement initiative

Glajchen M, Lawson R, Homel P, Desandre P, Todd KH. A rapid two-stage screening protocol for palliative care in the emergency department: a quality improvement initiative. J Pain Symptom Manage. 2011.

Does palliative care improve quality? A survey of bereaved family members

Does palliative care improve quality? A survey of bereaved family members

Gelfman LP, Meier DE, Morrison RS. Does palliative care improve quality? A survey of bereaved family members. J Pain Symptom Manage. 2008.

Increased access to palliative care and hospice services: opportunities to improve value in health care

Increased access to palliative care and hospice services: opportunities to improve value in health care

Meier DE. Increased access to palliative care and hospice services: opportunities to improve value in health care. Milbank Q. 2011.

Economics of Palliative Care for Hospitalized Adults With Serious Illness: A Meta-analysis

Economics of Palliative Care for Hospitalized Adults With Serious Illness: A Meta-analysis

May P, Normand C, Cassel JB, Del Fabbro E, Fine RL, Menz R, Morrison CA, Penrod JD, Robinson C, Morrison RS. Economics of Palliative Care for Hospitalized Adults With Serious Illness: A Meta-analysis. JAMA Intern Med. 2018.

Effects of initiating palliative care consultation in the emergency department on inpatient length of stay

Effects of initiating palliative care consultation in the emergency department on inpatient length of stay

Wu FM, Newman JM, Lasher A, Brody AA. Effects of initiating palliative care consultation in the emergency department on inpatient length of stay. J Palliat Med. 2013.

An Emergency Department Clinical Algorithm to Increase Early Palliative Care Consultation: Pilot Project

An Emergency Department Clinical Algorithm to Increase Early Palliative Care Consultation: Pilot Project

Denney CJ, Duan Y, O'Brien PB, Peach DJ, Lanier S, Lopez J, Buxton D, Maulfair M, Kuhlman J, Ahmad S, Helmstetter K. An Emergency Department Clinical Algorithm to Increase Early Palliative Care Consultation: Pilot Project. J Palliat Med. 2021.

Triggered Palliative Care Consults: A Systematic Review of Interventions for Hospitalized and Emergency Department Patients

Triggered Palliative Care Consults: A Systematic Review of Interventions for Hospitalized and Emergency Department Patients

Kistler EA, Stevens E, Scott E, Philpotts LL, Greer JA, Greenwald JL. Triggered Palliative Care Consults: A Systematic Review of Interventions for Hospitalized and Emergency Department Patients. J Pain Symptom Manage. 2020.

Development of Hospice and Palliative Medicine Knowledge and Skills for Emergency Medicine Residents: Using the Accreditation Council for Graduate Medical Education Milestone Framework

Development of Hospice and Palliative Medicine Knowledge and Skills for Emergency Medicine Residents: Using the Accreditation Council for Graduate Medical Education Milestone Framework

Shoenberger J, Lamba S, Goett R, DeSandre P, Aberger K, Bigelow S, Brandtman T, Chan GK, Zalenski R, Wang D, Rosenberg M, Jubanyik K. Development of Hospice and Palliative Medicine Knowledge and Skills for Emergency Medicine Residents: Using the Accreditation Council for Graduate Medical Education Milestone Framework. AEM Educ Train. 2018.

Five things physicians and patients should question in hospice and palliative medicine

Five things physicians and patients should question in hospice and palliative medicine

Fischberg D, Bull J, Casarett D, Hanson LC, Klein SM, Rotella J, Smith T, Storey CP Jr, Teno JM, Widera E, HPM Choosing Wisely Task Force. Five things physicians and patients should question in hospice and palliative medicine. J Pain Symptom Manage. 2013.

The utility of the surprise question: A useful tool for identifying patients nearing the last phase of life? A systematic review and meta-analysis

The utility of the surprise question: A useful tool for identifying patients nearing the last phase of life? A systematic review and meta-analysis

van Lummel EV, Ietswaard L, Zuithoff NP, Tjan DH, van Delden JJ. The utility of the surprise question: A useful tool for identifying patients nearing the last phase of life? A systematic review and meta-analysis. Palliat Med. 2022.

The Physician Surprise Question in the Emergency Department: prospective cohort study

The Physician Surprise Question in the Emergency Department: prospective cohort study

Ribeiro SCC, Arantes Lopes TA, Costa JVG, Rodrigues CG, Maia IWA, Soler LM, Marchini JFM, Neto RAB, Souza HP, Alencar JCG. The Physician Surprise Question in the Emergency Department: prospective cohort study. BMJ Support Palliat Care. 2024.

Development and evaluation of the Supportive and Palliative Care Indicators Tool (SPICT): a mixed-methods study

Development and evaluation of the Supportive and Palliative Care Indicators Tool (SPICT): a mixed-methods study

Highet G, Crawford D, Murray SA, Boyd K. Development and evaluation of the Supportive and Palliative Care Indicators Tool (SPICT): a mixed-methods study. BMJ Support Palliat Care. 2014.

A Systematic Approach to Comfort Care Transitions in the Emergency Department

A Systematic Approach to Comfort Care Transitions in the Emergency Department

Wang D, Creel-Bulos C. A Systematic Approach to Comfort Care Transitions in the Emergency Department. J Emerg Med. 2019.

Discussing treatment preferences with patients who want "everything"

Discussing treatment preferences with patients who want "everything"

Quill TE, Arnold R, Back AL. Discussing treatment preferences with patients who want "everything". Ann Intern Med. 2009.

Initiating palliative care in the emergency department

Initiating palliative care in the emergency department

DeVader TE, Albrecht R, Reiter M. Initiating palliative care in the emergency department. J Emerg Med. 2012.

Evaluation of Time-Limited Trials Among Critically Ill Patients With Advanced Medical Illnesses and Reduction of Nonbeneficial ICU Treatments

Evaluation of Time-Limited Trials Among Critically Ill Patients With Advanced Medical Illnesses and Reduction of Nonbeneficial ICU Treatments

Chang DW, Neville TH, Parrish J, Ewing L, Rico C, Jara L, Sim D, Tseng CH, van Zyl C, Storms AD, Kamangar N, Liebler JM, Lee MM, Yee HF Jr. Evaluation of Time-Limited Trials Among Critically Ill Patients With Advanced Medical Illnesses and Reduction of Nonbeneficial ICU Treatments. JAMA Intern Med. 2021.

SPIKES-A six-step protocol for delivering bad news: application to the patient with cancer

SPIKES-A six-step protocol for delivering bad news: application to the patient with cancer

Baile WF, Buckman R, Lenzi R, Glober G, Beale EA, Kudelka AP. SPIKES-A six-step protocol for delivering bad news: application to the patient with cancer. Oncologist. 2000.

'BREAKS' Protocol for Breaking Bad News

'BREAKS' Protocol for Breaking Bad News

Narayanan V, Bista B, Koshy C. 'BREAKS' Protocol for Breaking Bad News. Indian J Palliat Care. 2010.

Breaking bad news

Breaking bad news

VandeKieft GK. Breaking bad news. Am Fam Physician. 2001.

Palliative Care Symptom Management in The Emergency Department: The ABC's of Symptom Management for The Emergency Physician

Palliative Care Symptom Management in The Emergency Department: The ABC's of Symptom Management for The Emergency Physician

Siegel M, Bigelow S. Palliative Care Symptom Management in The Emergency Department: The ABC's of Symptom Management for The Emergency Physician. J Emerg Med. 2018.

Pain Management in the Emergency Department: a Review Article on Options and Methods

Pain Management in the Emergency Department: a Review Article on Options and Methods

Abdolrazaghnejad A, Banaie M, Tavakoli N, Safdari M, Rajabpour-Sanati A. Pain Management in the Emergency Department: a Review Article on Options and Methods. Adv J Emerg Med. 2018.

Management of dyspnea in palliative care

Management of dyspnea in palliative care

Crombeen AM, Lilly EJ. Management of dyspnea in palliative care. Curr Oncol. 2020.

Effect of palliative oxygen versus room air in relief of breathlessness in patients with refractory dyspnoea: a double-blind, randomised controlled trial

Effect of palliative oxygen versus room air in relief of breathlessness in patients with refractory dyspnoea: a double-blind, randomised controlled trial

Abernethy AP, McDonald CF, Frith PA, Clark K, Herndon JE 2nd, Marcello J, Young IH, Bull J, Wilcock A, Booth S, Wheeler JL, Tulsky JA, Crockett AJ, Currow DC. Effect of palliative oxygen versus room air in relief of breathlessness in patients with refractory dyspnoea: a double-blind, randomised controlled trial. Lancet. 2010.

Safety of benzodiazepines and opioids in very severe respiratory disease: national prospective study

Safety of benzodiazepines and opioids in very severe respiratory disease: national prospective study

Ekström MP, Bornefalk-Hermansson A, Abernethy AP, Currow DC. Safety of benzodiazepines and opioids in very severe respiratory disease: national prospective study. BMJ. 2014.

Benzodiazepines for the relief of breathlessness in advanced malignant and non-malignant diseases in adults

Benzodiazepines for the relief of breathlessness in advanced malignant and non-malignant diseases in adults

Simon ST, Higginson IJ, Booth S, Harding R, Bausewein C. Benzodiazepines for the relief of breathlessness in advanced malignant and non-malignant diseases in adults. Cochrane Database Syst Rev. 2010.

An assessment of aetiology-based guidelines for the management of nausea and vomiting in patients with advanced cancer

An assessment of aetiology-based guidelines for the management of nausea and vomiting in patients with advanced cancer

Stephenson J, Davies A. An assessment of aetiology-based guidelines for the management of nausea and vomiting in patients with advanced cancer. Support Care Cancer. 2006.

The creation of the Belmont Report and its effect on ethical principles: a historical study

The creation of the Belmont Report and its effect on ethical principles: a historical study

Nagai H, Nakazawa E, Akabayashi A. The creation of the Belmont Report and its effect on ethical principles: a historical study. Monash Bioeth Rev. 2022.

Bioethics for the world

Bioethics for the world

Wolinsky H. Bioethics for the world. EMBO Rep. 2006.

Diretivas antecipadas de vontade: um modelo brasileiro

Diretivas antecipadas de vontade: um modelo brasileiro

Luciana Dadalto 1 , Unai Tupinambás 2 , Dirceu Bartolomeu Greco. Diretivas antecipadas de vontade: um modelo brasileiro. Rev. bioét.. 2013.