Câncer de Reto e Inibidores de Checkpoint

Criado em: 18 de Julho de 2022 Autor: Pedro Rafael Del Santo Magno

As medicações antineoplásicas conhecidas como inibidores de checkpoint concederam o prêmio Nobel ao seus descobridores em 2018. Um estudo publicado no New England Journal of Medicine (NEJM) em junho de 2022 encontrou resultados animadores desses fármacos no manejo do câncer de reto [1]. Aproveitando a publicação, vamos rever o tema.

O que são inibidores de checkpoint

Inibidores de checkpoint são uma classe de antineoplásicos utilizada em várias malignidades diferentes. Essas medicações atuam nas vias que impedem que o sistema imune ataque o próprio corpo. As nossas células têm pontos de controle (checkpoints) que freiam os leucócitos, evitando um auto-ataque. Através desse mecanismo, algumas neoplasias superexpressam os checkpoints, dificultando a destruição das células neoplásicas pelo sistema imune.

{Tabela1}

Um desses checkpoints é a PD1 (do inglês, programmed cell death protein 1). O seu bloqueio é um dos mais explorados, com aplicações para melanoma, neoplasia de pulmão não pequenas células e pequenas células, carcinoma urotelial e outros mais.

A Food and Drug Administration (FDA) aprovou algumas drogas inibidoras de PD-1:

  • Pembrolizumabe (Keytruda)
  • Nivolumabe (Opdivo)
  • Cemiplimabe (Libtayo)
  • Dostarlimabe (Jemperli)

Também estão disponíveis fármacos para outro checkpoint relacionado, o PD-L1 (do inglês, programmed cell death ligant protein 1):

  • Atezolizumab (Tecentriq)
  • Avelumab (bavencio)
  • Durvalumab (Imfinzi)

Por que o estudo foi feito?

O adenocarcinoma de reto localmente avançado é tratado com uma estratégia multimodal, utilizando quimioterapia neoadjuvante e em seguida radioterapia e cirurgia. A resposta completa é atingida em 25% dos pacientes. Essa terapia traz consigo alguns efeitos adversos como incontinência urinária e fecal, infertilidade e até possíveis sequelas como necessidade de colostomia permanente.

Um subgrupo de neoplasias colorretais possui deficiência no reparo de incompatibilidade (mismatch) do DNA. Isso resulta em uma alta carga de mutações e instabilidade nos microssatélites (unidades de repetição do DNA). Esses pacientes têm menos resposta a quimioterapia e radioterapia. Ao selecionar apenas tumores de reto que apresentavam instabilidade de microssatélites, os inibidores PD1 apresentaram boa resposta em pacientes com metástase [2].

Na tentativa de otimizar a taxa de cura e minimizar efeitos adversos, esse estudo de fase 2 avaliou a resposta de pacientes com neoplasia de reto localmente avançado (estágios 2 e 3), mas sem metástase, ao inibidor de PD1 dostarlimab. Apenas pacientes com defeitos de reparo de mismatch foram incluídos.

Como foi feito o estudo e o que ele encontrou?

O protocolo do artigo envolve o uso inicial de dostarlimab, seguido de radioterapia associado com capecitabina, depois a ressecção cirúrgica. Caso o paciente apresentasse sinais clínicos, endoscópicos e radiológicos (ressonância magnética) de resposta clínica antes de alguma etapa do tratamento, a radioterapia ou a cirurgia eram suspensas.

Além de presença de metástases, foram excluídos pacientes que já receberam tratamento prévio e aqueles com escore ECOG (do inglês, Eastern Cooperative Oncology Group) maior ou igual a 2 (ver tabela 2). Considerando os efeitos colaterais do medicamento, também foram excluídos pacientes com doenças autoimunes, infecção ativa ou uso de outro imunossupressor nos últimos 7 dias.

{Tabela2}

Dezesseis pacientes foram selecionados para receber o medicamento, sendo que apenas 12 receberam o tratamento completo com dostarlimab por 6 meses. Os outros 4 ainda estavam recebendo o tratamento durante a publicação do estudo. Nesses 12 pacientes, a resposta clínica foi de 100%. Desses, nenhum chegou a realizar o resto do protocolo, não sendo feitas radioterapia ou cirurgia.

A medicação resolveu os sintomas de sangramento, constipação e dor abdominal de forma rápida: 81% dos pacientes apresentaram melhora completa em 9 semanas de tratamento. Não houve eventos adversos graves no período estudado.

O grande problema do estudo é seu tamanho muito reduzido. Contudo, esses resultados já são suficientes para motivar estudos maiores e multicêntricos. O tempo de seguimento também é uma questão, já que apesar de uma resposta satisfatória inicial, o tumor pode voltar a progredir após um período mais longo de seguimento.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
15 de Abril de 2024

Estado Hiperglicêmico Hiperosmolar e Outras Complicações Agudas do Diabetes

Em fevereiro de 2024, foi publicada uma coorte realizada na Dinamarca sobre estado hiperglicêmico hiperosmolar. Aproveitamos para rever as complicações agudas do diabetes e apresentar os dados do estudo.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
18 de Março de 2024

Antibióticos nos Cuidados Paliativos

O tratamento de infecções em pacientes em fase final de vida gera dúvidas. Uma revisão da Infectious Diseases Society of America (IDSA) sobre uso de antibióticos em cuidados paliativos foi publicada em fevereiro de 2024. Este tópico traz os principais aspectos sobre o tema.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
21 de Novembro de 2022

Colonoscopia no Rastreio de Câncer de Cólon

A colonoscopia é um método utilizado para rastreio de câncer de cólon, mas seus efeitos em reduzir riscos ainda geram discussões. Em outubro de 2022, foi publicado no New England Journal of Medicine o estudo NordICC, avaliando o impacto da colonoscopia nesse contexto. Vamos ver os achados do estudo e rever o tema.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
3 de Junho de 2024

Carcinoma Hepatocelular

O carcinoma hepatocelular é o câncer hepático primário mais prevalente e possui alta mortalidade quando diagnosticado tardiamente. Os resultados de um estudo sobre o impacto do rastreio dessa condição em pacientes de risco, publicados em abril de 2024 no Journal of the American Medical Association, motivaram a revisão sobre o tema.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
6 de Fevereiro de 2023

Tratamento da Hipercalcemia da Malignidade

A hipercalcemia é uma complicação de diversas neoplasias, determinando pior prognóstico. Uma diretriz sobre o manejo dessa complicação foi publicada pela Endocrine Society em dezembro de 2022 e aproveitamos para revisar as possibilidades terapêuticas.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #9
replay_10