Trombocitopenia Induzida por Heparina

Criado em: 13 de Maio de 2024 Autor: Joanne Alves Moreira

A trombocitopenia induzida por heparina é potencialmente fatal e envolve redução de plaquetas com eventos trombóticos. Em março de 2024, o JAMA Open publicou um artigo que avaliou a acurácia da abordagem diagnóstica dessa condição [1]. Este tópico revisa a definição, apresentação clínica e abordagem terapêutica da trombocitopenia induzida por heparina.

O que é trombocitopenia induzida por heparina?

Trombocitopenia induzida por heparina (TIH) tem duas apresentações: tipo I e tipo II. 

TIH tipo I ou não imune é uma trombocitopenia assintomática leve e transitória (raramente inferior a 100.000/mm³) que ocorre nos primeiros dois dias de exposição à heparina. Desaparece rapidamente sem intervenção e tem menor importância clínica. Afeta até 10% dos pacientes em uso de heparina. Acredita-se que ocorre por efeito direto da heparina nas plaquetas, causando agregação plaquetária não imune [2, 3]. 

A TIH tipo II é a mais relevante e será o foco do tópico, denominada aqui apenas de TIH. Esta é uma reação adversa imunomediada contra a heparina. Uma característica desse processo é o desenvolvimento de anticorpos contra complexos formados por fator 4 plaquetário (PF4) e heparina. Pode ocorrer tanto na exposição à heparina não fracionada (HNF) quanto à heparina de baixo peso molecular (HBPM), sendo mais comum com HNF [4, 5].

{Tabela1}

A TIH autoimune é um terceiro tipo mais raro, caracterizado pela presença de anticorpos na ausência de exposição à heparina. Esse subtipo pode ter manifestações mais tardias, persistentes ou atípicas, com complicações em diversos órgãos e coagulação intravascular disseminada [6]. 

Os fatores de risco para a TIH incluem uso de HNF em dose terapêutica (via intravenosa) e exposição à droga por mais que cinco dias [7]. Outros fatores estão disponíveis na tabela 1.

Apresentação clínica

A tríade de achados na TIH é trombocitopenia (plaquetas < 150.000 mm³), trombose venosa ou arterial e queda plaquetária ocorrendo após a administração de heparina [5].  

A TIH geralmente surge entre cinco a dez dias após o início da heparina e sua principal característica é a trombocitopenia. Quando houve exposição à heparina nos últimos 100 dias, a TIH pode se manifestar no primeiro dia após reintrodução da heparina [8, 9, 10]. Se o paciente recebeu heparina por 10 a 14 dias e ainda não apresentou TIH, é pouco provável que desenvolva a doença com a exposição continuada à droga [5].

Os eventos tromboembólicos ocorrem em aproximadamente 30 a 50% dos casos e podem se manifestar ao mesmo tempo ou antes da plaquetopenia. A trombose venosa é mais comum que a arterial, e o tromboembolismo pulmonar ocorre em até 25% dos pacientes [11, 12, 13].

Outros cenários que devem levantar a hipótese de TIH são [5]:

  • Necrose cutânea nos sítios de aplicação da heparina, isquemia de membros e órgãos [14-17]
  • Reação sistêmica aguda (febre, calafrios, taquicardia, hipertensão, parada cardiorrespiratória) após administração de heparina endovenosa [18]
  • Queda na contagem de plaquetas > 50%, mesmo se a contagem de plaquetas for superior a 150.000/mm³

Apesar da plaquetopenia, sangramento é uma manifestação incomum [19]. 

Diagnóstico

Na suspeita de TIH, é recomendado aplicar o escore 4T - um sistema de pontuação clínica para determinar a probabilidade pré-teste de TIH (veja aqui a calculadora). O escore classifica o caso em três possíveis categorias: baixa (0-3 pontos), intermediária (4-5 pontos) e alta probabilidade (6-8 pontos) para TIH (tabela 2) [20]. 

{Tabela2}

Uma revisão sistemática e metanálise de 2012 avaliou o uso do escore 4T e demonstrou um alto valor preditivo negativo em pacientes com baixa probabilidade, indicando segurança para excluir TIH nesse cenário [21].

Nos pacientes com probabilidade intermediária ou alta, deve-se pesquisar o anticorpo anti heparina/fator 4 plaquetário (anticorpo anti-heparina/PF4). Imunoensaios (ELISA) para detectar este anticorpo são úteis na avaliação diagnóstica pela alta sensibilidade e alto valor preditivo negativo. Os anticorpos anti-heparina/PF4 podem estar presentes em pacientes sem TIH, devendo-se ter cautela na interpretação dos resultados [5, 22, 23].  

{Tabela3}

A American Society of Hematology (ASH) recomenda utilizar inicialmente o escore 4T. Em casos de probabilidade intermediária ou alta, pesquisar a presença de anticorpo anti-heparina/PF4 com o imunoensaio. Na presença do anticorpo, a ASH sugere realizar um teste funcional para TIH para confirmar o diagnóstico (veja fluxograma 1) [24]. 

O estudo publicado no JAMA em março de 2024 avaliou a acurácia no diagnóstico de TIH com diferentes estratégias. Para a pesquisa do anticorpo anti-heparina/PF4, o estudo utilizou o teste HemosIL® AcuStar HIT-IgG (PF4-H). Este exame tem elevada especifidade, o que poderia não exigir um teste funcional para confirmar o diagnóstico de TIH. Foram comparados três métodos: escore 4T isolado, uso de PF4-H isolado e avaliação conjunta e sequencial dos métodos (escore 4T seguido de  PF4-H se intermediário ou alto risco) [25]. O padrão ouro para comparação foi um teste de ativação plaquetária, realizado em todos os pacientes.

Para serem incluídos, os pacientes deviam ter a suspeita de TIH. Dos 1318 pacientes, o padrão ouro identificou a prevalência de 8,4% (111 pacientes) de TIH, a maioria na UTI e pós-cirurgia cardíaca. O algoritmo recomendado demonstrou especificidade de 86% e sensibilidade de 96%. A estratégia de usar o PF4-H isolado para todos mostrou maior especificidade (95%) como esperado, porém utilizar o algoritmo reduziria para aproximadamente a metade a necessidade de exames adicionais. O algoritmo ainda apresenta falhas que merecem atenção - 15 dos 111 pacientes com TIH seriam falsos negativos por essa estratégia.

Qual é a abordagem terapêutica?

Em pacientes com suspeita de TIH e probabilidade intermediária ou alta pelo escore 4T (≥ 4 pontos), deve-se interromper imediatamente todas as fontes de heparina. Apesar de contra intuitivo, mesmo diante da plaquetopenia, deve-se iniciar um anticoagulante não heparina antes mesmo do resultado do teste confirmatório (fluxograma 1).

A avaliação em conjunto com a hematologia é recomendada, já que decisões terapêuticas são comumente tomadas de maneira presuntiva devido à disponibilidade limitada dos testes adicionais e o algoritmo diagnóstico tem falhas.

A ASH recomenda a utilização de argatrobana, bivalirudina, danaparoide, fondaparinux ou anticoagulantes orais diretos (DOAC). Argatrobana, bivalirudina e danaparoide não estão disponíveis no Brasil. A escolha do anticoagulante é influenciada pela disponibilidade e via de administração do medicamento, bem como pelas condições do paciente - por exemplo, função renal, hepática e o estado clínico [24].

A intensidade da dose do anticoagulante não-heparina não é estabelecida em situações de incerteza diagnóstica (por exemplo, escore intermediário sem exames confirmatórios). A diretriz da ASH sugere a seguinte conduta:

  • 4T intermediário, sem outra indicação de anticoagulação, com alto risco de sangramento: dose profilática
  • 4T intermediário com outra indicação de anticoagulação OU sem alto risco de sangramento: dose terapêutica
  • 4T elevado: dose terapêutica

Inicialmente, a varfarina pode acentuar o risco de trombose por redução de proteína C, logo, não deve ser iniciada até a recuperação da contagem de plaquetas (> 150.000/mm³) e deve estar associada a outro anticoagulante. Em pacientes que desenvolveram TIH em uso de varfarina, este medicamento deve ser descontinuado e revertido com vitamina K, e outro anticoagulante deve ser prescrito. 

Recomenda-se não transfundir plaquetas, exceto em caso de sangramento ativo ou potencialmente fatal e não utilizar imunoglobulina como tratamento inicial, exceto em caso de TIH autoimune [24]. 

Na ausência de trombose, a anticoagulação deve ser mantida pelo menos até a resolução da trombocitopenia, que ocorre normalmente em sete dias.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
11 de Março de 2024

Diretriz de Trombose Venosa Cerebral da AHA/ASA de 2024

A trombose venosa cerebral (TVC) corresponde a até 3% de todos os acidentes vasculares cerebrais. O limiar de suspeição deve ser baixo, já que é uma doença grave e tratável. Esse tópico revisa o tema e traz as novidades da diretriz de 2024 de TVC publicada pela American Stroke Association (AHA/ASA).

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
5 de Fevereiro de 2024

Tromboembolismo Venoso em Pacientes com DPOC Exacerbada

Pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) apresentam risco até duas vezes maior para eventos trombóticos. Os sintomas de tromboembolismo pulmonar podem ser difíceis de distinguir de um episódio de exacerbação de DPOC. Um estudo publicado no International Journal of Chronic Obstructive Pulmonary Disease avaliou a prevalência de eventos tromboembólicos em pacientes admitidos com o diagnóstico de DPOC exacerbada. Este tópico revisa o tema e os achados do estudo.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
3 de Abril de 2023

Tratamento de Tromboembolismo Pulmonar de Alto Risco

Até 5% dos pacientes com tromboembolismo pulmonar agudo (TEP) evoluem com instabilidade hemodinâmica, com uma mortalidade que pode chegar a 20%. Em agosto de 2022, saiu uma revisão e atualização sobre o tratamento de pacientes com TEP de alto risco no Journal of Clinical Medicine. Aproveitamos para revisar os principais pontos dessa condição neste tópico.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
29 de Agosto de 2022

Tromboembolismo Pulmonar

Em julho de 2022, o New England Journal of Medicine publicou uma revisão sobre tromboembolismo pulmonar (TEP). Baseado na votação dos assinantes, nessa revisão vamos abordar tópicos relevantes sobre o tema.

hourglass_empty 20 min
Ler Tópico
9 de Junho de 2024

Síndrome da Antidiurese Inapropriada (SIAD)

A síndrome da antidiurese inapropriada (SIAD) é a causa mais frequente de hiponatremia. Em outubro de 2023, foi publicada do New England Journal of Medicine uma revisão sobre o tema. Esse tópico traz os principais pontos da revisão.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Accuracy of Diagnosing Heparin-Induced Thrombocytopenia

Accuracy of Diagnosing Heparin-Induced Thrombocytopenia

Larsen EL, Nilius H, Studt JD, Tsakiris DA, Greinacher A, Mendez A, Schmidt A, Wuillemin WA, Gerber B, Vishnu P, Graf L, Kremer Hovinga JA, Goetze JP, Bakchoul T, Nagler M. Accuracy of Diagnosing Heparin-Induced Thrombocytopenia. JAMA Netw Open. 2024.

Heparin-induced thrombocytopenia: an update

Heparin-induced thrombocytopenia: an update

Franchini M. Heparin-induced thrombocytopenia: an update. Thromb J. 2005.

Heparin induced thrombocytopenia: diagnosis and management update

Heparin induced thrombocytopenia: diagnosis and management update

Ahmed I, Majeed A, Powell R. Heparin induced thrombocytopenia: diagnosis and management update. Postgrad Med J. 2007.

Risk for heparin-induced thrombocytopenia with unfractionated and low-molecular-weight heparin thromboprophylaxis: a meta-analysis

Risk for heparin-induced thrombocytopenia with unfractionated and low-molecular-weight heparin thromboprophylaxis: a meta-analysis

Martel N, Lee J, Wells PS. Risk for heparin-induced thrombocytopenia with unfractionated and low-molecular-weight heparin thromboprophylaxis: a meta-analysis. Blood. 2005.

Heparin-induced thrombocytopenia: pathophysiology, diagnosis and treatment

Heparin-induced thrombocytopenia: pathophysiology, diagnosis and treatment

Hvas AM, Favaloro EJ, Hellfritzsch M. Heparin-induced thrombocytopenia: pathophysiology, diagnosis and treatment. Expert Rev Hematol. 2021.

Autoimmune Heparin-Induced Thrombocytopenia

Autoimmune Heparin-Induced Thrombocytopenia

Warkentin TE. Autoimmune Heparin-Induced Thrombocytopenia. J Clin Med. 2023.

Heparin-induced thrombocytopenia: analysis of risk factors in medical inpatients

Heparin-induced thrombocytopenia: analysis of risk factors in medical inpatients

Kato S, Takahashi K, Ayabe K, Samad R, Fukaya E, Friedmann P, Varma M, Bergmann SR. Heparin-induced thrombocytopenia: analysis of risk factors in medical inpatients. Br J Haematol. 2011.

Temporal aspects of heparin-induced thrombocytopenia

Temporal aspects of heparin-induced thrombocytopenia

Warkentin TE, Kelton JG. Temporal aspects of heparin-induced thrombocytopenia. N Engl J Med. 2001.

Heparin-induced thrombocytopenia: temporal pattern of thrombocytopenia in relation to initial use or reexposure to heparin

Heparin-induced thrombocytopenia: temporal pattern of thrombocytopenia in relation to initial use or reexposure to heparin

Lubenow N, Kempf R, Eichner A, Eichler P, Carlsson LE, Greinacher A. Heparin-induced thrombocytopenia: temporal pattern of thrombocytopenia in relation to initial use or reexposure to heparin. Chest. 2002.

Clinical features of heparin-induced thrombocytopenia including risk factors for thrombosis. A retrospective analysis of 408 patients

Clinical features of heparin-induced thrombocytopenia including risk factors for thrombosis. A retrospective analysis of 408 patients

Greinacher A, Farner B, Kroll H, Kohlmann T, Warkentin TE, Eichler P. Clinical features of heparin-induced thrombocytopenia including risk factors for thrombosis. A retrospective analysis of 408 patients. Thromb Haemost. 2005.

A 14-year study of heparin-induced thrombocytopenia

A 14-year study of heparin-induced thrombocytopenia

Warkentin TE, Kelton JG. A 14-year study of heparin-induced thrombocytopenia. Am J Med. 1996.

Heparin-induced thrombocytopenia with thrombosis: incidence, analysis of risk factors, and clinical outcomes in 108 consecutive patients treated at a single institution

Heparin-induced thrombocytopenia with thrombosis: incidence, analysis of risk factors, and clinical outcomes in 108 consecutive patients treated at a single institution

Nand S, Wong W, Yuen B, Yetter A, Schmulbach E, Gross Fisher S. Heparin-induced thrombocytopenia with thrombosis: incidence, analysis of risk factors, and clinical outcomes in 108 consecutive patients treated at a single institution. Am J Hematol. 1997.

Thrombotic complications of heparin therapy: including six cases of heparin--induced skin necrosis

Thrombotic complications of heparin therapy: including six cases of heparin--induced skin necrosis

White PW, Sadd JR, Nensel RE. Thrombotic complications of heparin therapy: including six cases of heparin--induced skin necrosis. Ann Surg. 1979.

Heparin-induced skin lesions

Heparin-induced skin lesions

Warkentin TE. Heparin-induced skin lesions. Br J Haematol. 1996.

Stroke in patients with heparin-induced thrombocytopenia and the effect of argatroban therapy

Stroke in patients with heparin-induced thrombocytopenia and the effect of argatroban therapy

LaMonte MP, Brown PM, Hursting MJ. Stroke in patients with heparin-induced thrombocytopenia and the effect of argatroban therapy. Crit Care Med. 2004.

Thromboembolic complications of heparin-induced thrombocytopenia

Thromboembolic complications of heparin-induced thrombocytopenia

Giossi A, Del Zotto E, Volonghi I, Costa P, Bertuetti R, Remida P, Magoni M, Gasparotti R, Padovani A, Pezzini A. Thromboembolic complications of heparin-induced thrombocytopenia. Blood Coagul Fibrinolysis. 2012.

Fatal anaphylactoid reaction associated with heparin-induced thrombocytopenia

Fatal anaphylactoid reaction associated with heparin-induced thrombocytopenia

Singla A, Amini MR, Alpert MA, Gornik HL. Fatal anaphylactoid reaction associated with heparin-induced thrombocytopenia. Vasc Med. 2013.

Platelet transfusions in platelet consumptive disorders are associated with arterial thrombosis and in-hospital mortality

Platelet transfusions in platelet consumptive disorders are associated with arterial thrombosis and in-hospital mortality

Goel R, Ness PM, Takemoto CM, Krishnamurti L, King KE, Tobian AA. Platelet transfusions in platelet consumptive disorders are associated with arterial thrombosis and in-hospital mortality. Blood. 2015.

Evaluation of pretest clinical score (4 T's) for the diagnosis of heparin-induced thrombocytopenia in two clinical settings

Evaluation of pretest clinical score (4 T's) for the diagnosis of heparin-induced thrombocytopenia in two clinical settings

Lo GK, Juhl D, Warkentin TE, Sigouin CS, Eichler P, Greinacher A. Evaluation of pretest clinical score (4 T's) for the diagnosis of heparin-induced thrombocytopenia in two clinical settings. J Thromb Haemost. 2006.

Predictive value of the 4Ts scoring system for heparin-induced thrombocytopenia: a systematic review and meta-analysis

Predictive value of the 4Ts scoring system for heparin-induced thrombocytopenia: a systematic review and meta-analysis

Cuker A, Gimotty PA, Crowther MA, Warkentin TE. Predictive value of the 4Ts scoring system for heparin-induced thrombocytopenia: a systematic review and meta-analysis. Blood. 2012.

Diagnostic value of immunoassays for heparin-induced thrombocytopenia: a systematic review and meta-analysis

Diagnostic value of immunoassays for heparin-induced thrombocytopenia: a systematic review and meta-analysis

Nagler M, Bachmann LM, ten Cate H, ten Cate-Hoek A. Diagnostic value of immunoassays for heparin-induced thrombocytopenia: a systematic review and meta-analysis. Blood. 2016.

Heparin-induced thrombocytopenia: An international assessment of the quality of laboratory testing

Heparin-induced thrombocytopenia: An international assessment of the quality of laboratory testing

Liederman Z, Van Cott EM, Smock K, Meijer P, Selby R. Heparin-induced thrombocytopenia: An international assessment of the quality of laboratory testing. J Thromb Haemost. 2019.

Clinical validation of immunoassay HemosIL® AcuStar HIT-IgG (PF4-H) in the diagnosis of Heparin-induced thrombocytopenia

Clinical validation of immunoassay HemosIL® AcuStar HIT-IgG (PF4-H) in the diagnosis of Heparin-induced thrombocytopenia

Marashi-Sabouni Z, Vayne C, Ibrahim-Kosta M, Guidon C, Loundou A, Guery EA, Morange PE, Camoin-Jau L. Clinical validation of immunoassay HemosIL® AcuStar HIT-IgG (PF4-H) in the diagnosis of Heparin-induced thrombocytopenia. J Thromb Thrombolysis. 2021.
Edição #82
replay_10