Não perca essa oportunidade!

Assine agora e ganhe 1 mês grátis com o cupom GUIA1MES.

Assine agora!

AVC Isquêmico Maligno

Criado em: 13 de Abril de 2022 Autor: Kaue Malpighi

AVCi maligno é uma doença grave com até 78% de mortalidade. O tratamento é semelhante aos outros tipos de AVCi, com poucas condutas específicas que mudem seu desfecho. Em 07 de abril foi publicado um artigo original no New England Journal of Medicine sobre terapia endovascular em AVCi maligno. Vamos aproveitar para revisar esse tópico e avaliar o que essa nova evidência acrescenta na prática.

O que é AVC isquêmico maligno?

  • AVC que cursa com edema cerebral significativo, grave o suficiente para produzir desvios e herniações.
  • A maioria destes infartos ocorre por oclusão da carótida interna ou segmento proximal (M1) da artéria cerebral média (ACM).
  • O preditor radiológico mais importante de desfechos negativos é a área infartada inicial maior que 50% do território da ACM. Esse achado aumenta a probabilidade de edema cerebral grave, herniação e morte. A extensão de área infartada é medida segundo a escala ASPECTS, em que o paciente começa com 10 pontos e 1 ponto é subtraído para cada área afetada, com um mínimo de 0 pontos.
  • Uma das únicas terapias com benefício em desfechos clínicos é a descompressão cirúrgica.

Quando realizar descompressão cirúrgica?

Hemicraniectomia pode ser usada para reversão do efeito de massa, alívio do desvio do parênquima e redução da pressão intracraniana. Há evidência de redução de mortalidade, porém às custas de disfunção neurológica significativa.

Em geral, indicada em:

  • AVCi < 48 horas
  • Idade ≤ 60 anos
  • Diagnóstico inquestionável de infarto hemisférico, definido aqui como acometimento > 50% do território da ACM
  • Paciente e família esclarecidos quanto a sobrevida e disfuncionalidade
{Tabela1}

Uma meta-análise de 2021 em pacientes com ASPECTS menor ou igual a 5 encontrou benefício de funcionalidade e mortalidade quando comparado ao tratamento clínico, apesar de ter aumentado o número de pacientes que sobreviveram com um mRS (Escala de Rankin Modificada - ver tabela 1) de 4 a 5.

Papel da terapia endovascular no tratamento do AVCi maligno

Terapia endovascular vem ganhando campo no AVCi com oclusão de grandes vasos, veja a tabela 2 para ver os principais estudos e indicações.

{Tabela2}

Com a escassez de terapias específicas nos AVCs malignos, um estudo publicado no NEJM em abril de 2022 testou o efeito da terapia endovascular nesse cenário.

{Tabela3}

Foi um estudo aberto, multicêntrico (45 hospitais no Japão), randomizado, incluindo pacientes com ASPECTS 3 a 5 e com oclusão da ACM ou carótida Interna. Os pacientes foram randomizados para tratamento padrão ou para terapia endovascular associada ao tratamento padrão. Edema cerebral com desvio de linha média, hemorragia intracraniana ou alto risco para hemorragia foram critérios de exclusão. Veja os desfechos na tabela 3.

Essa nova evidência muda nossa prática?

O estudo evidenciou benefício de desfecho funcional, apesar de utilizar como desfecho primário um mRS mais "maleável" de 0 a 3 (normalmente utiliza-se de 0 a 2 como disfunção leve). Pela gravidade da doença, dos pacientes que passaram pela terapia endovascular, quase 50% apresentou mRS de 4 a 5 (disfuncionalidade grave). Não houve aumento significativo de hemorragias intracranianas sintomáticas.

Algumas observações são necessárias. Apesar das diretrizes indicarem cautela no uso de alteplase em infarto extensos, a dose foi baixa para os padrões brasileiros e dos Estados Unidos. Uma taxa maior de uso de trombolíticos poderia melhorar o desfecho no grupo de terapia padrão, e também aumentar o risco de sangramento nos pacientes do grupo terapia endovascular. Além disso, a dose usada por centros japoneses é menor que a dos centros brasileiros (0.6mg/kg vs. 0.9mg/kg).

Apesar de promissor, ainda precisamos de estudos maiores e representativos da nossa população para garantir que a terapia endovascular seja uma alternativa segura para isquemias extensas.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
31 de Março de 2024

Diretriz de Dissecção de Artérias Cervicais 2024 AHA/ASA

A dissecção de artérias cervicais pode representar até 25% de todos os acidentes vasculares cerebrais (AVC) em pacientes com menos de 50 anos de idade. A condição pode acometer tanto a circulação anterior, pela artéria carótida interna (ACI), como a circulação posterior, pelas artérias vertebrais. Esse tópico revisa a nova diretriz publicada na Stroke em fevereiro de 2024.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
11 de Dezembro de 2023

Tratamento de Hiponatremia e Mielinólise Pontina

Hiponatremia grave sintomática pode ocasionar complicações ameaçadoras à vida através de edema cerebral. Elevações acima de 12 mEq/L em 24 horas foram classicamente associadas com o surgimento da síndrome de desmielinização osmótica e mielinólise pontina. Em setembro de 2023, um estudo retrospectivo lançado na revista NEJM Evidence comparou diferentes estratégias de correção e avaliou mortalidade, tempo de hospitalização e ocorrência de mielinólise pontina. Este tópico revisa o tratamento de hiponatremia grave, mielinólise pontina e os resultados deste estudo.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
13 de Junho de 2022

Febre de Origem Indeterminada

Febre de origem indeterminada (FOI) é reconhecida há mais de um século. Ao longo dos anos sua definição já foi revisitada algumas vezes. Independente dessas definições, FOI deve ser considerada quando um paciente apresenta febre sem uma causa clara, mesmo com investigação hospitalar ou ambulatorial adequada, por um período de tempo suficiente para excluir febre autolimitada. Em fevereiro de 2022, foi lançada uma revisão no New England Journal of Medicine sobre o tema e trazemos os principais pontos aqui:

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
14 de Agosto de 2023

Quando Iniciar Anticoagulação de Fibrilação Atrial Após AVC?

Nos pacientes com fibrilação atrial, os anticoagulantes são a principal medida para prevenir eventos embólicos. O momento ideal de início da anticoagulação após um AVC nestes pacientes não é claro. Em junho de 2023 um estudo publicado no New England Journal of Medicine buscou responder este questionamento. Este tópico revisa o tema e traz os resultados do trabalho.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
20 de Março de 2023

Escore de Internação de Síncope

Vários escores já foram desenhados para estimar o risco de eventos adversos no paciente com síncope, porém nenhum é amplamente utilizado. Em abril de 2022, foi publicado no Annals of Internal Medicine o estudo BASEL IX uma grande coorte com validação externa do escore canadense de síncope. Este tópico traz os resultados do estudo e revisa a decisão de internar um paciente por síncope.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico