Interpretação do Base Excess

Criado em: 22 de Agosto de 2022 Autor: Pedro Rafael Del Santo Magno

A Intensive Care Medicine publicou nesse ano um artigo rápido sobre Base Excess, explorando suas origens, nomenclatura, usos e armadilhas [1]. Trouxemos isso tudo para você nesse tópico.

De onde veio o Base Excess

Existem três maneiras de interpretar os desequilíbrios ácido-básicos. O primeiro e mais famoso é o método de Boston, que utiliza a fisiologia cooperativa entre pulmão e rim. O segundo é o método de Copenhague, que utiliza o Base Excess (BE). O terceiro e menos utilizado é o método de Stewart, baseado em quantificar íons fortes e íons fracos.

O BE surgiu da procura de um marcador que indicasse acidose ou alcalose metabólica e que não fosse influenciado pelo gás carbônico (CO2), como era o bicarbonato (HCO3). Até chegar no BE, ocorreram várias etapas. Primeiro foi utilizado HCO3 standard, que representava o HCO3 caso o pCO2 fosse de 40 mmHg, assim era menos influenciado pelo pulmão. Esse método falhava ao não levar em conta o efeito tampão de ácidos não carbônicos fracos, como proteínas. Depois veio o Buffer Base (BB) que levava em conta bicarbonato, hemoglobina, proteínas e fosfato, mas tinha como desvantagem uma variabilidade grande entre pacientes.

Por último, da diferença do BB para um valor de normalidade (NBB), que chegamos no BE. O BE representa a quantidade de ácidos que precisa ser adicionada ao sangue para atingir condições padrões (pH de 7.40, pCO2 40 mmHg e temperatura de 37 °C)

Nomenclatura

O BE pode ser expressado como BE do sangue ou BE do fluido extracelular (FEC). Esse último é melhor para estimar distúrbios ácido-básicos, já que não é apenas o sangue que possui efeito tampão para equilibrar o pH do corpo inteiro. O BE do FEC também é chamado de Standard Base Excess (SBE), utilizando em seu cálculo uma fração menor da hemoglobina.

De qualquer forma, exceto em situações de anemia ou policitemia extremas, é improvável que a diferença de SBE e o BE do sangue cause mudanças na interpretação e conduta de uma gasometria.

Outra nomenclatura possível de encontrar é o de Base Deficit, que é exatamente o contrário do BE.

Como utilizar?

O BE normal varia de +2 a -2 mmol/L e a ideia do uso dele é substituir o bicarbonato nas contas habituais. Na presença de acidemia (pH < 7,35), BE reduzido sinaliza acidose metabólica; na presença de alcalemia (pH> 7,45), BE aumentado sinaliza alcalose metabólica. Pode-se analisar se a resposta sistêmica é satisfatória diante de um distúrbio respiratório, através de fórmulas utilizando o BE (tabela 1) [2].

{Tabela1}

Como o BE é resultado de vários processos, ele tem dois problemas:

  • Não consegue dar informações sobre qual componente alterou, então às vezes não auxilia no diagnóstico final;
  • Mais de um distúrbio acidobásicos podem se somar, e se forem opostos, se anulam, fazendo com que o BE não seja confiável.

Outros usos

No contexto do paciente do trauma, a anaerobiose provocada pelo choque hipovolêmico aumenta a produção do lactato e consequentemente altera o BE. Um trabalho observacional comparou a classificação do choque hipovolêmico utilizando níveis de BE com critérios habituais como frequência cardíaca, pressão arterial e escala de coma de Glasgow [3]. Foi visto uma correlação com a classificação estipulada pelo BE com a morbimortalidade e um BE que continua piorando tinha maior relação com sangramento ativo.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
9 de Janeiro de 2023

Clortalidona versus Hidroclorotiazida para Prevenção de Eventos Cardiovasculares

Existe uma briga entre os tiazídicos: entre clortalidona e hidroclorotiazida, qual mais protege de eventos cardiovasculares? Qual causa mais distúrbio eletrolítico? O New England Journal of Medicine (NEJM) publicou um estudo em dezembro de 2022 para responder essas questões.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
6 de Novembro de 2023

Nova Definição de Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA)

A síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) é uma das principais causas de internação em UTI. Em julho de 2023 foi proposta uma nova definição global sobre SDRA. Esse tópico explica as mudanças, comentando as vantagens e desvantagens da nova definição.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
1 de Maio de 2023

Ultrassom à Beira Leito para Diagnóstico de Fasciíte Necrosante

A fasciite necrosante é uma infecção grave e rara. O diagnóstico é difícil porque tem poucos sinais clínicos indicativos ou exames laboratoriais específicos. Em março de 2023 foi publicado no The American Journal of Emergency Medicine uma revisão sistemática sobre o uso da ultrassonografia à beira leito no diagnóstico dessa condição e aproveitamos para revisar o assunto.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
17 de Abril de 2023

Pneumonia por Broncoaspiração: Posicionamento da British Thoracic Society

A British Thoracic Society (BTS) publicou um posicionamento em fevereiro de 2023 sobre pneumonia por broncoaspiração. O objetivo desse documento foi complementar as diretrizes de pneumonias dessa sociedade. Este tópico revisa o tema.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
6 de Junho de 2022

Lesão Renal Aguda Induzida por Drogas

Medicamentos são uma das principais causas de lesão renal aguda, podendo corresponder de 14 a 26% de todas as causas, a depender da coorte. Essa revisão traz as principais drogas, divididas em 3 principais mecanismos: Lesão Tubular, Nefritite Intersticial e Nefropatia por Cristais. Vamos ver os pontos principais:

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #13
replay_10