Profilaxia de Tromboembolismo após Artroplastia Eletiva

Criado em: 12 de Setembro de 2022 Autor: João Mendes Vasconcelos

A partir da década de 1960, as artroplastias começaram a ser feitas de maneira mais efetiva e duradoura. Com isso, percebeu-se um grande risco de tromboembolismo venoso (TEV) associado a artroplastias de quadril e joelho. O recente estudo CRISTAL, publicado no Journal of the American Medical Association, jogou luz nessa questão [1]. Aproveitando a publicação, vamos revisar o tema.

Qual o risco?

O risco de tromboembolismo venoso (TEV) após cirurgia ortopédica varia conforme o procedimento e o paciente. Apesar disso, as seguintes situações são intrinsecamente de alto risco:

  • Artroplastia de quadril e joelho
  • Fratura de quadril ou pélvica
  • Múltiplas fraturas

A incidência de TEP já foi tão alta quanto 3%, mas atualmente caiu para menos de 0,2%, o que não pode ser inteiramente atribuído à profilaxia. Melhorias no cuidado perioperatório também são responsáveis por esse avanço.

Estratégias de profilaxia

Como profilaxia farmacológica, três opções são mais utilizadas: enoxaparina, anticoagulantes orais diretos (DOACs) e ácido acetilsalicílico (AAS).

Existem dois períodos de risco de TEV após uma artroplastia eletiva [2, 3]:

  • Período inicial (10 a 14 dias): a maior parte do risco se concentra nessa fase;
  • Período estendido (até 35 dias): ainda existe risco, porém menor.

A enoxaparina foi extensamente estudada nesse contexto e é classicamente o agente de escolha. A evidência é forte para redução de TEV assintomático, porém variável para TEV sintomático e embolia pulmonar.

Estudos comparando enoxaparina e DOAC mostram eficácia similar [4]. Quando testada contra AAS, a enoxaparina parece ter uma discreta tendência à superioridade em alguns estudos, porém com possível maior risco de sangramento [5]. A comparação de enoxaparina com heparina não fracionada e varfarina encontrou que a enoxaparina foi superior a esses agentes. Quando comparada com fondaparinux, enoxaparina parece ser inferior, porém fondaparinux tem um maior risco de sangramento [6].

A medicação deve ser iniciada pelo menos 12 horas depois da cirurgia, mas alguns introduzem apenas após 24 horas. As doses mais estudadas são:

  • Enoxaparina 30mg de 12/12 horas ou 40mg 1x/dia, via subcutânea.
  • Rivaroxabana 10mg VO 1x/dia.
  • Apixabana 2,5mg VO 12/12h.
  • AAS 81 a 160mg VO 1x/dia.

Os anti-inflamatórios não esteroidais podem anular o efeito profilático do AAS, assim o AAS deve ser tomado 2 horas antes desses agentes se ambos forem utilizados em conjunto.

Nos pacientes de alto risco de sangramento, a compressão pneumática intermitente pode ser utilizada.

O que dizem as referências?

Não há consenso entre as principais fontes a respeito do tema.

Recentemente foi publicada no Journal of Bone and Joint Surgery uma diretriz com mais de 600 especialistas sobre esse tema [7]. Essa referência coloca AAS como melhor opção, considerando eficácia, segurança, facilidade de administração e custo efetividade.

Já o UptoDate coloca a enoxaparina ou DOAC como opção preferencial no período inicial, com a opção de utilizar AAS no período estendido.

Um dos maiores estudos que utilizou o AAS foi o EPCAT II [8]. Mais de 3000 pacientes que realizaram artroplastia de quadril ou joelho eletivas foram randomizados, após utilizar 5 dias de rivaroxabana, para AAS ou rivaroxabana por mais 9 (no caso de joelho) ou 30 dias (no caso de quadril). A taxa de TEV e sangramento foi similar entre os grupos. Os pacientes deste estudo tinham baixo risco de TEV e estavam deambulando 24 horas após a cirurgia.

Em geral, recomenda-se a profilaxia por 10 a 14 dias após a cirurgia. Em casos de artroplastia de quadril, pode-se prolongar esse período até o dia 30 a 35 de pós-operatório.

O que essa nova evidência acrescentou?

Incluindo mais de 9000 pacientes, o estudo CRISTAL randomizou centros que realizavam mais de 250 artroplastias por ano. Os pacientes realizaram artroplastia de quadril ou joelho eletivas e logo após a cirurgia utilizavam AAS ou enoxaparina. O desfecho avaliado foi trombose sintomática em até 90 dias, incluindo trombose venosa profunda acima e abaixo do joelho.

Ao final do estudo, o AAS foi inferior à enoxaparina. A inferioridade se deveu principalmente a trombose venosa profunda abaixo do joelho, um evento de significância clínica debatida na literatura.

A mortalidade no estudo foi pequena, independente do método utilizado (0,1% nos dois grupos). Apesar da inferioridade, a incidência de TEV acima do joelho e embolia pulmonar com AAS foi baixa. É possível que essa nova evidência não leve a um consenso, com argumentos razoáveis para uso das duas estratégias.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
6 de Maio de 2024

Hipomagnesemia

Hipomagnesemia é um distúrbio eletrolítico comum, podendo ocorrer em até 10% dos pacientes em enfermaria e 65% daqueles em terapia intensiva. Um estudo publicado em 2023 revisou estratégias de reposição intravenosa de magnésio. Este tópico foca na avaliação e tratamento da hipomagnesemia e traz os resultados do estudo

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
15 de Maio de 2023

Anticoagulação no Perioperatório

O manejo de anticoagulantes no perioperatório gera muitas dúvidas. Em abril de 2023, o American College of Physicians publicou uma revisão sobre o tema. Vamos aproveitar para revisitar algumas recomendações importantes.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
13 de Fevereiro de 2023

Diretriz ESMO de Neoplasia de Sítio Primário Desconhecido

Pacientes com câncer na maioria das vezes têm o sítio primário identificado. Há casos em que não se identifica a origem da neoplasia, uma situação chamada de câncer de sítio primário desconhecido. Em dezembro de 2022, foi publicada diretriz da European Society for Medical Oncology (ESMO) sobre o tema. Vamos revisá-la neste tópico.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico
31 de Outubro de 2022

Controle Farmacológico de Sintomas

O tema da revisão do mês é controle farmacológico dos principais sintomas do dia a dia: dor, dispneia, náuseas e vômitos. Trazemos para você um manual de prescrição de medicamentos para esses problemas!

hourglass_empty 22 min
Ler Tópico
1 de Julho de 2024

Eutireoideo Doente e Função Tireoidiana no Paciente Hospitalizado

A análise da função tireoidiana sofre muitas interferências no paciente hospitalizado, dificultando a interpretação clínica. A alteração dos exames tireoidianos em uma doença sistêmica não tireoidiana é denominada síndrome do eutireoideo doente. Esse tópico revisa o tema.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Aspirin or Rivaroxaban for VTE Prophylaxis after Hip or Knee Arthroplasty

Aspirin or Rivaroxaban for VTE Prophylaxis after Hip or Knee Arthroplasty

Anderson DR, Dunbar M, Murnaghan J, Kahn SR, Gross P, Forsythe M, Pelet S, Fisher W, Belzile E, Dolan S, Crowther M, Bohm E, MacDonald SJ, Gofton W, Kim P, Zukor D, Pleasance S, Andreou P, Doucette S, Theriault C, Abianui A, Carrier M, Kovacs MJ, Rodger MA, Coyle D, Wells PS, Vendittoli PA. Aspirin or Rivaroxaban for VTE Prophylaxis after Hip or Knee Arthroplasty. N Engl J Med. 2018.

Aspirin versus anticoagulation for prevention of venous thromboembolism major lower extremity orthopedic surgery: a systematic review and meta-analysis

Aspirin versus anticoagulation for prevention of venous thromboembolism major lower extremity orthopedic surgery: a systematic review and meta-analysis

Drescher FS, Sirovich BE, Lee A, Morrison DH, Chiang WH, Larson RJ. Aspirin versus anticoagulation for prevention of venous thromboembolism major lower extremity orthopedic surgery: a systematic review and meta-analysis. J Hosp Med. 2014.

Oral direct Factor Xa inhibitors versus low-molecular-weight heparin to prevent venous thromboembolism in patients undergoing total hip or knee replacement: a systematic review and meta-analysis

Oral direct Factor Xa inhibitors versus low-molecular-weight heparin to prevent venous thromboembolism in patients undergoing total hip or knee replacement: a systematic review and meta-analysis

Neumann I, Rada G, Claro JC, Carrasco-Labra A, Thorlund K, Akl EA, Bates SM, Guyatt GH. Oral direct Factor Xa inhibitors versus low-molecular-weight heparin to prevent venous thromboembolism in patients undergoing total hip or knee replacement: a systematic review and meta-analysis. Ann Intern Med. 2012.

Incidence and time course of thromboembolic outcomes following total hip or knee arthroplasty

Incidence and time course of thromboembolic outcomes following total hip or knee arthroplasty

White RH, Romano PS, Zhou H, Rodrigo J, Bargar W. Incidence and time course of thromboembolic outcomes following total hip or knee arthroplasty. Arch Intern Med. 1998.

Risk of deep-venous thrombosis after hospital discharge in patients having undergone total hip replacement: double-blind randomised comparison of enoxaparin versus placebo

Risk of deep-venous thrombosis after hospital discharge in patients having undergone total hip replacement: double-blind randomised comparison of enoxaparin versus placebo

Planes A, Vochelle N, Darmon JY, Fagola M, Bellaud M, Huet Y. Risk of deep-venous thrombosis after hospital discharge in patients having undergone total hip replacement: double-blind randomised comparison of enoxaparin versus placebo. Lancet. 1996.

Effect of Aspirin vs Enoxaparin on Symptomatic Venous Thromboembolism in Patients Undergoing Hip or Knee Arthroplasty: The CRISTAL Randomized Trial

Effect of Aspirin vs Enoxaparin on Symptomatic Venous Thromboembolism in Patients Undergoing Hip or Knee Arthroplasty: The CRISTAL Randomized Trial

CRISTAL Study Group, Sidhu VS, Kelly TL, Pratt N, Graves SE, Buchbinder R, Adie S, Cashman K, Ackerman I, Bastiras D, Brighton R, Burns AWR, Chong BH, Clavisi O, Cripps M, Dekkers M, de Steiger R, Dixon M, Ellis A, Griffith EC, Hale D, Hansen A, Harris A, Hau R, Horsley M, James D, Khorshid O, Kuo L, Lewis P, Lieu D, Lorimer M, MacDessi S, McCombe P, McDougall C, Mulford J, Naylor JM, Page RS, Radovanovic J, Solomon M, Sorial R, Summersell P, Tran P, Walter WL, Webb S, Wilson C, Wysocki D, Harris IA. Effect of Aspirin vs Enoxaparin on Symptomatic Venous Thromboembolism in Patients Undergoing Hip or Knee Arthroplasty: The CRISTAL Randomized Trial. JAMA. 2022.
Edição #15
replay_10