Anticoagulação na Fibrilação Atrial com Doença Valvar Reumática

Criado em: 19 de Setembro de 2022 Autor: Kaue Malpighi

Em agosto de 2022 ocorreu o congresso da European Society of Cardiology (ESC) e um dos estudos apresentado foi o INVICTUS [1]. Este trabalho avaliou pacientes com fibrilação atrial e doença valvar reumática com a hipótese de que a rivaroxabana seria não-inferior à varfarina. Vamos aproveitar para revisar anticoagulação na fibrilação atrial e comentar o que este artigo acrescentou.

Quando indicar anticoagulação?

{Tabela1}

Anticoagulação é uma terapia bem estabelecida que reduz o risco de acidente vascular encefálico (AVC) e morte em pacientes com fibrilação atrial (FA). A indicação é feita conforme o risco de eventos embólicos (avaliado pelo CHA2DS2-VASc - veja tabela 1) e sexo:

  • Em homens - anticoagular se CHA2DS2-VASc ≥ 2.
  • Em mulheres - anticoagular se CHA2DS2-VASc ≥ 3.

Quando a decisão é por anticoagular, o risco de sangramento do paciente sempre deve ser avaliado. Isso auxilia na busca de fatores modificáveis para sangramento e identifica os pacientes que necessitam de um acompanhamento mais próximo. Este risco deve ser avaliado pelo escore HAS-BLED (veja tabela 2).

{Tabela2}

Varfarina ou anticoagulantes orais diretos?

Nos últimos 50 anos, a varfarina foi a droga mais estudada e utilizada na FA. Seu uso está associado a um estreito intervalo terapêutico e necessidade de monitorização frequente do tempo de atividade de protrombina (TAP/INR) para ajuste de dose.

Desde 2009, quatro estudo principais mostram a não-inferioridade dos anticoagulantes orais diretos (DOACs - dabigatrana, apixabana, edoxabana e rivaroxabana) com relação à varfarina em termos de redução de risco de AVC [2-4]. Em uma meta-análise destes estudos, os DOACs apresentaram um risco menor de eventos embólicos, AVC hemorrágico e mortalidade [5].

Estes estudos excluíram os pacientes que apresentavam estenose mitral moderada a grave (particularmente de origem reumática) ou valva mecânica. Assim, existe a dúvida se poderíamos utilizar os DOACs nesta população.

Fibrilação atrial valvar e não-valvar

Os primeiros estudos com varfarina para prevenção de eventos embólicos foram em pacientes com doença reumática (principalmente com estenose mitral) e valvas mecânicas, sendo classificadas como FA valvar. Ao longo dos últimos 25 anos, este benefício também foi comprovado no pacientes com FA não-valvar.

Os termos FA valvar e não-valvar apresentam grande heterogeneidade na literatura, gerando confusão entre clínicos e cardiologistas que tratam esses pacientes [6]. Isso pode atrapalhar o planejamento terapêutico e as pesquisas clínicas.

{Tabela3}

Com esta consideração, a diretriz europeia de FA de 2016 e a diretriz dos Estados Unidos de 2019 abandonaram o termo valvar e não-valvar [7, 8]. Estas diretrizes especificam que apenas a estenose mitral moderada a grave (especialmente na doença reumática mitral) e a prótese mecânica são contraindicações ao uso dos DOACs, sendo que estes casos seriam os equivalentes à FA "valvar" na literatura atual. As demais condições seriam consideradas como FA "não-valvar" (ver tabela 3).

O que o estudo INVICTUS evidenciou?

O estudo INVICTUS avaliou se a rivaroxabana seria não-inferior à varfarina para prevenir eventos tromboembólicos em pacientes com doença valvar reumática. O desfecho primário avaliado foi uma composição de AVC, embolia sistêmica, infarto ou morte de causa cardiovascular. Foram randomizados 4565 pacientes com fibrilação atrial e valvopatia reumática, sendo 85% com estenose mitral e 81,9% com estenose moderada-grave (área valvar ≤ 2.0 cm2).

O estudo encontrou um aumento do desfecho primário composto com o uso da rivaroxabana em relação à varfarina (8,21% versus 6,49% ao ano, respectivamente; hazard ratio - HR - 1,25; intervalo de confiança - IC - 95% 1,10-1,41; P < 0,001). Este aumento do desfecho composto ocorreu principalmente pelo aumento da ocorrência de AVC e morte. No desfecho de segurança, sangramento maior, não houve diferença.

{Tabela4}

O maior benefício da varfarina foi visto após 12 meses de acompanhamento. O tempo em intervalo terapêutico (TTR), uma proporção do tempo em que o paciente apresentou INR dentro da faixa terapêutica, se aproximou de 65% (ideal seria de ≥ 65%). Para atingir esta faixa, utilizou-se normogramas válidados para o controle terapêutico (veja exemplos na tabela 4 e tabela 5).

Uma crítica ao estudo é o viés de tratamento diferencial. Os pacientes do grupo varfarina apresentaram contatos mais frequentes com médicos. Essa consideração é importante, pois a prevenção de eventos embólicos na FA é multimodal, envolvendo não somente anticoagulação, mas também manejo de sintomas centrado no paciente e controle de fatores de risco cardiovasculares. O contato frequente com assistência médica poderia resultar em melhor controle dos fatores de risco, favorecendo pacientes do grupo varfarina [9]. Porém, apenas uma pequena parcela da população do estudo apresentava outras comorbidades (25% com hipertensão, 6.4% com diabetes e 1.1% com doença coronariana), de modo que esse fator isoladamente não explica a diferença encontrada.

{Tabela5}

Este estudo enfatiza que o anticoagulante de escolha na FA com valvopatia reumática é a varfarina, não sendo recomendado o uso dos DOACs. Além disso, reforça a necessidade do acompanhamento mais estrito do intervalo terapêutico da varfarina.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
6 de Maio de 2024

Varfarina: Bulário e Quando Preferir em Relação aos DOACs

A varfarina é um anticoagulante antagonista da vitamina K. Ela atua inibindo os fatores de coagulação dependentes desse nutriente: proteína C, proteína S e fatores de coagulação II, VII, IX e X. Os anticoagulantes orais diretos (DOAC) são a primeira escolha em muitas situações, mas a varfarina ainda tem espaço na prática. Uma recente revisão do Journal of the American College of Cardiology avaliou essa questão e um ensaio clínico de janeiro de 2024 publicado no Circulation estudou a varfarina em indivíduos frágeis. Este tópico revisa o uso atual de varfarina.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
31 de Março de 2024

Leucemia Linfocítica Crônica

A leucemia linfocítica crônica é a leucemia mais comum do mundo. O Journal of the American Medical Association (JAMA) realizou uma revisão em 2023 sobre o diagnóstico e tratamento dessa condição. Esse tópico traz as principais informações sobre manifestações clínicas, diagnóstico e tratamento dessa condição.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
13 de Maio de 2024

Diretriz Europeia de Esclerose Lateral Amiotrófica

A esclerose lateral amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa caracterizada por uma perda progressiva da motricidade voluntária. Em março de 2024, a Academia Europeia de Neurologia publicou uma diretriz de recomendações sobre a doença que será revisada neste tópico.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
11 de Setembro de 2023

Tratamento de Lombalgia Aguda

Lombalgia não específica é comum e autolimitada na maioria dos casos. Dor intensa ou persistente exige tratamento sintomático e o papel dos opióides no manejo ainda gera dúvidas. Em julho de 2023, foi publicado um estudo no Lancet sobre o uso dessas medicações em pacientes com dor lombar. Este tópico revisa as estratégias terapêuticas para lombalgia aguda e traz os resultados do artigo.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
21 de Agosto de 2023

Reposição de Testosterona e Risco Cardiovascular

O uso de testosterona tem controvérsias, entre elas a relação a complicações cardiovasculares. Em julho de 2023 o New England Journal of Medicine publicou os resultados do estudo TRAVERSE, que avaliou a segurança do uso de testosterona em homens com mais de 45 anos com hipogonadismo. Este tópico revisa o tema e traz os resultados da publicação.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Adherence to the 'Atrial Fibrillation Better Care' Pathway in Patients with Atrial Fibrillation: Impact on Clinical Outcomes-A Systematic Review and Meta-Analysis of 285,000 Patients

Adherence to the 'Atrial Fibrillation Better Care' Pathway in Patients with Atrial Fibrillation: Impact on Clinical Outcomes-A Systematic Review and Meta-Analysis of 285,000 Patients

Romiti GF, Pastori D, Rivera-Caravaca JM, Ding WY, Gue YX, Menichelli D, Gumprecht J, Kozieł M, Yang PS, Guo Y, Lip GYH, Proietti M. Adherence to the 'Atrial Fibrillation Better Care' Pathway in Patients with Atrial Fibrillation: Impact on Clinical Outcomes-A Systematic Review and Meta-Analysis of 285,000 Patients. Thromb Haemost. 2022.

The definition of valvular and non-valvular atrial fibrillation: results of a physicians' survey

The definition of valvular and non-valvular atrial fibrillation: results of a physicians' survey

Molteni M, Polo Friz H, Primitz L, Marano G, Boracchi P, Cimminiello C. The definition of valvular and non-valvular atrial fibrillation: results of a physicians' survey. Europace. 2014.

Comparison of the efficacy and safety of new oral anticoagulants with warfarin in patients with atrial fibrillation: a meta-analysis of randomised trials

Comparison of the efficacy and safety of new oral anticoagulants with warfarin in patients with atrial fibrillation: a meta-analysis of randomised trials

Ruff CT, Giugliano RP, Braunwald E, Hoffman EB, Deenadayalu N, Ezekowitz MD, Camm AJ, Weitz JI, Lewis BS, Parkhomenko A, Yamashita T, Antman EM. Comparison of the efficacy and safety of new oral anticoagulants with warfarin in patients with atrial fibrillation: a meta-analysis of randomised trials. Lancet. 2014.

Edoxaban versus warfarin in patients with atrial fibrillation

Edoxaban versus warfarin in patients with atrial fibrillation

Giugliano RP, Ruff CT, Braunwald E, Murphy SA, Wiviott SD, Halperin JL, Waldo AL, Ezekowitz MD, Weitz JI, Špinar J, Ruzyllo W, Ruda M, Koretsune Y, Betcher J, Shi M, Grip LT, Patel SP, Patel I, Hanyok JJ, Mercuri M, Antman EM, ENGAGE AF-TIMI 48 Investigators. Edoxaban versus warfarin in patients with atrial fibrillation. N Engl J Med. 2013.

Apixaban versus warfarin in patients with atrial fibrillation

Apixaban versus warfarin in patients with atrial fibrillation

Granger CB, Alexander JH, McMurray JJ, Lopes RD, Hylek EM, Hanna M, Al-Khalidi HR, Ansell J, Atar D, Avezum A, Bahit MC, Diaz R, Easton JD, Ezekowitz JA, Flaker G, Garcia D, Geraldes M, Gersh BJ, Golitsyn S, Goto S, Hermosillo AG, Hohnloser SH, Horowitz J, Mohan P, Jansky P, Lewis BS, Lopez-Sendon JL, Pais P, Parkhomenko A, Verheugt FW, Zhu J, Wallentin L, ARISTOTLE Committees and Investigators. Apixaban versus warfarin in patients with atrial fibrillation. N Engl J Med. 2011.

Rivaroxaban versus warfarin in nonvalvular atrial fibrillation

Rivaroxaban versus warfarin in nonvalvular atrial fibrillation

Patel MR, Mahaffey KW, Garg J, Pan G, Singer DE, Hacke W, Breithardt G, Halperin JL, Hankey GJ, Piccini JP, Becker RC, Nessel CC, Paolini JF, Berkowitz SD, Fox KA, Califf RM, ROCKET AF Investigators. Rivaroxaban versus warfarin in nonvalvular atrial fibrillation. N Engl J Med. 2011.

Dabigatran versus warfarin in patients with atrial fibrillation

Dabigatran versus warfarin in patients with atrial fibrillation

Connolly SJ, Ezekowitz MD, Yusuf S, Eikelboom J, Oldgren J, Parekh A, Pogue J, Reilly PA, Themeles E, Varrone J, Wang S, Alings M, Xavier D, Zhu J, Diaz R, Lewis BS, Darius H, Diener HC, Joyner CD, Wallentin L, RE-LY Steering Committee and Investigators. Dabigatran versus warfarin in patients with atrial fibrillation. N Engl J Med. 2009.

Rivaroxaban in Rheumatic Heart Disease-Associated Atrial Fibrillation

Rivaroxaban in Rheumatic Heart Disease-Associated Atrial Fibrillation

Connolly SJ, Karthikeyan G, Ntsekhe M, Haileamlak A, El Sayed A, El Ghamrawy A, Damasceno A, Avezum A, Dans AML, Gitura B, Hu D, Kamanzi ER, Maklady F, Fana G, Gonzalez-Hermosillo JA, Musuku J, Kazmi K, Zühlke L, Gondwe L, Ma C, Paniagua M, Ogah OS, Molefe-Baikai OJ, Lwabi P, Chillo P, Sharma SK, Cabral TTJ, Tarhuni WM, Benz A, van Eikels M, Krol A, Pattath D, Balasubramanian K, Rangarajan S, Ramasundarahettige C, Mayosi B, Yusuf S, INVICTUS Investigators. Rivaroxaban in Rheumatic Heart Disease-Associated Atrial Fibrillation. N Engl J Med. 2022.
Edição #16: Especial ESC
replay_10