Dexmedetomidina para Sedação e Agitação

Criado em: 03 de Outubro de 2022 Autor: João Mendes Vasconcelos

A dexmedetomidina, mais conhecida pelo nome comercial precedex®, é um sedativo cada vez mais encontrado nas unidades de terapia intensiva (UTI). Uma revisão recente publicada na revista Intensive Care Medicine avaliou se a dexmedetomidina é capaz de reduzir delirium na UTI quando comparado a outros sedativos [1]. Vamos ver o que essa revisão acrescentou e rever o uso da dexmedetomidina.

Características da dexmedetomidina

A dexmedetomidina é um alfa 2 agonista de ação central. A medicação tem propriedades ansiolíticas e sedativas, com algum efeito analgésico. Outras medicações utilizadas para sedação em UTI, como os benzodiazepínicos e o propofol, atuam no receptor do ácido gama-aminobutírico. Em tese, a ação extremamente seletiva da dexmedetomidina possibilitaria uma maior facilidade de despertar, ausência de depressão respiratória e melhor qualidade de sono.

Apesar de os dados serem heterogêneos, algumas evidências apontam que a dexmedetomidina pode reduzir o tempo de ventilação mecânica e a incidência de delirium na UTI [2]. Análises de custo efetividade sugerem que utilizar a medicação pode reduzir custos, especialmente por conta do tempo reduzido de ventilação mecânica [3].

Administração

A dexmedetomidina está disponível em ampolas com 2ml na concentração de 100 mcg/ml, devendo ser administrada em bomba de infusão. Uma diluição comum é utilizar 2 ampolas (4 ml) em 96 ml de NaCl 0,9%, ficando com uma solução de 4 mcg/ml. A dose de manutenção é de 0,2 a 1,5 mcg/kg/h. O fabricante recomenda uma dose em bolus inicial de 1 mcg/kg em 10 minutos, mas que comumente não é feita na prática. Imaginando um paciente de 70kg utilizando a diluição sugerida, isso corresponde de 3,5 ml/hora até 26,2 ml/hora.

O início de ação da dexmedetomidina é relativamente lento quando comparado com outros sedativos. Após uma dose de bolus, os efeitos só são observados depois de aproximadamente 10 minutos. Assim, recomenda-se uma titulação lenta da velocidade de infusão da droga, a cada 30 minutos. Incrementos mais rápidos podem resultar em hipotensão.

Não existe recomendação específica para pacientes idosos ou com comprometimento renal ou hepático. É prudente começar com doses baixas e titular lentamente nessa população.

Uma opção no desmame de dexmedetomidina é fazer a transição para clonidina [4]. Os pacientes precisam estar com o trato gastrointestinal funcionante e a dose de clonidina variou de 0,2 a 0,5mg a cada 6 horas. Essa transição tem o potencial de redução de custos, considerando a diferença de preço entre as duas medicações.

Efeitos adversos

Os eventos adversos relatados incluem hipotensão, hipertensão, náuseas e bradicardia. A droga pode causar tanto hipotensão ou hipertensão, dependendo se o que predomina é a ação vasodilatadora alfa 2 central ou vasoconstritora pelo alfa 2 periférico. Existe risco de abstinência, assim a droga não deve ser suspensa abruptamente. Bradicardia e hipotensão podem ocorrer caso a dose em bolus seja feita.

Por conta dos riscos hemodinâmicos, todo paciente recebendo dexmedetomidina precisa estar com monitorização contínua.

O que essa nova evidência acrescenta?

Esse artigo foi uma revisão sistemática e metanálise incluindo 77 trabalhos avaliando se dexmedetomidina reduz delirium comparado com outros sedativos. Os dados de 11.997 pacientes foram analisados. Os pesquisadores encontraram que a droga parece reduzir delirium comparado com outros sedativos (RR 0,67, IC 95% 0,55 - 0,81), as custas de aumento do risco de bradicardia e hipotensão.

Essa achado está alinhado com uma recente diretriz prática publicada na Intensive Care Medicine que sugere o seguinte: “Em pacientes adultos de UTI em ventilação mecânica, sugerimos o uso de dexmedetomidina em vez de outros agentes sedativos, se os efeitos desejáveis, incluindo a redução do delirium, forem vantajosos em relação aos efeitos indesejáveis, incluindo o aumento da hipotensão e bradicardia” [5].

Compartilhe:
Aproveite e leia:
5 de Junho de 2023

Etomidato na Intubação de Sequência Rápida

O etomidato é um dos sedativos mais utilizados na intubação por ter uma ação rápida e relativa estabilidade hemodinâmica. Em abril de 2023, foi publicada no Journal of Critical Care uma meta-análise comparando o etomidato contra outros sedativos em intubação de pacientes críticos. Este tópico revisa o uso de etomidato na intubação e traz os resultados do novo estudo.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
11 de Julho de 2022

Volume no Choque Séptico

Quanto e qual fluido fazer é uma pergunta que o clínico faz todos os dias. O estudo CLASSIC avaliou uma estratégia de fluidos restritiva versus a estratégia padrão no choque séptico. Aqui revisamos o tema e resumimos essa nova evidência.

hourglass_empty 12 min
Ler Tópico
7 de Novembro de 2022

Piúria, Bacteriúria e Delirium

O diagnóstico de infecção do trato urinário (ITU) pode ser feito sem o exame de urina se os sintomas forem clássicos. Contudo, se os sintomas forem atípicos ou naqueles com dificuldade em demonstrar seus sintomas, existe dúvida sobre o papel dos exames de urina. Nesse contexto, trouxemos um estudo publicado em setembro de 2022 no American Journal of Medicine sobre a correlação entre piúria e bacteriúria.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
11 de Setembro de 2023

Tratamento de Lombalgia Aguda

Lombalgia não específica é comum e autolimitada na maioria dos casos. Dor intensa ou persistente exige tratamento sintomático e o papel dos opióides no manejo ainda gera dúvidas. Em julho de 2023, foi publicado um estudo no Lancet sobre o uso dessas medicações em pacientes com dor lombar. Este tópico revisa as estratégias terapêuticas para lombalgia aguda e traz os resultados do artigo.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
20 de Novembro de 2023

Parada Cardiorrespiratória no Perioperatório

Parada cardiorrespiratória no perioperatório (PCRp) é um complicação grave que requer abordagem específica e reconhecimento imediato da causa. Este tópico aborda uma revisão publicada em outubro de 2023 na Anesthesia & Analgesia que expõe as causas, a classificação e a abordagem desta condição.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Transition from dexmedetomidine to enteral clonidine for ICU sedation: an observational pilot study

Transition from dexmedetomidine to enteral clonidine for ICU sedation: an observational pilot study

Gagnon DJ, Riker RR, Glisic EK, Kelner A, Perrey HM, Fraser GL. Transition from dexmedetomidine to enteral clonidine for ICU sedation: an observational pilot study. Pharmacotherapy. 2015.

Dexmedetomidine versus standard care sedation with propofol or midazolam in intensive care: an economic evaluation

Dexmedetomidine versus standard care sedation with propofol or midazolam in intensive care: an economic evaluation

Turunen H, Jakob SM, Ruokonen E, Kaukonen KM, Sarapohja T, Apajasalo M, Takala J. Dexmedetomidine versus standard care sedation with propofol or midazolam in intensive care: an economic evaluation. Crit Care. 2015.

Alpha-2 agonists for long-term sedation during mechanical ventilation in critically ill patients

Alpha-2 agonists for long-term sedation during mechanical ventilation in critically ill patients

Chen K, Lu Z, Xin YC, Cai Y, Chen Y, Pan SM. Alpha-2 agonists for long-term sedation during mechanical ventilation in critically ill patients. Cochrane Database Syst Rev. 2015.

Dexmedetomidine vs other sedatives in critically ill mechanically ventilated adults: a systematic review and meta-analysis of randomized trials

Dexmedetomidine vs other sedatives in critically ill mechanically ventilated adults: a systematic review and meta-analysis of randomized trials

Lewis K, Alshamsi F, Carayannopoulos KL, Granholm A, Piticaru J, Al Duhailib Z, Chaudhuri D, Spatafora L, Yuan Y, Centofanti J, Spence J, Rochwerg B, Perri D, Needham DM, Holbrook A, Devlin JW, Nishida O, Honarmand K, Ergan B, Khorochkov E, Pandharipande P, Alshahrani M, Karachi T, Soth M, Shehabi Y, Møller MH, Alhazzani W, GUIDE group. Dexmedetomidine vs other sedatives in critically ill mechanically ventilated adults: a systematic review and meta-analysis of randomized trials. Intensive Care Med. 2022.
Edição #17
replay_10