Desmame de Ventilação Mecânica e Testes de Respiração Espontânea

Criado em: 02 de Janeiro de 2023 Autor: Kaue Malpighi

A identificação precoce do paciente capaz de respirar espontaneamente pode reduzir o tempo de ventilação mecânica. Recomenda-se o uso de testes de respiração espontânea para tentar identificar o paciente apto à extubação. Em novembro de 2022, foi publicado um artigo no New England Journal of Medicine (NEJM) comparando as duas estratégias, e aproveitamos para revisar sobre o assunto [1].

Como identificar o paciente apto para o teste de respiração espontânea?

Todo paciente intubado por mais de 24 horas deve ser avaliado diariamente para o desmame ventilatório.

Antes de considerar o desmame, o paciente deve preencher alguns critérios:

  • Melhora da causa que levou à intubação
  • Presença de drive respiratório - capacidade de iniciar esforço respiratório por conta própria
  • Oxigenação adequada - uma definição válida seria a capacidade de manter um relação PaO2/FiO2 ≥ 150 mmHg com FiO2 ≤40% com PEEP ≤ 5 cmH2O. Essa definição pode mudar em pacientes com hipoxemia crônica.
  • pH arterial > 7,25 ou próximo do basal em casos de distúrbios crônicos
  • Estabilidade hemodinâmica - o uso de drogas vasoativas para manter estabilidade é aceito, mas doses de noradrenalina > 0,1 mcg/kg/min podem estar associados a aumento no risco de reintubação [2]

Rebaixamento do nível de consciência isoladamente não é critério para evitar o desmame ventilatório. Desde que o paciente seja capaz de proteger a via aérea, uma escala de Glasgow entre 8 e 15 e RASS entre +1 e -2 não parecem alterar o risco de falha de extubação.

Muitos estudos mostram superioridade dos testes de respiração espontânea quando comparados a outros meios de desmame (ex.: redução gradual dos parâmetros ventilatórios, ventilação mandatória intermitente sincronizada - SIMV), reduzindo o tempo para extubação [3-5].

Em pacientes que a aptidão para o desmame continua incerta, o índice de respiração rápida superficial (IRRS ou índice de Tobin) pode ajudar. Esse índice é calculado sem suporte ventilatório com um espirômetro acoplado ao tubo endotraqueal. O espirômetro permite calcular o volume corrente (VC), sendo que o IRRS é a relação da frequência respiratória (FR) com o VC (IRRS = FR/VC).

Um IRRS ≥ 105 respirações/min/L indica pacientes com maior probabilidade de falha do desmame.

{Tabela1}

O IRRS não deve ser usado rotineiramente, pois aumenta o tempo de ventilação mecânica em pacientes que não possuem alto risco para falha de extubação [6]. Situações que podem alterar o resultado estão na tabela 1.

Como fazer o teste de respiração espontânea?

Em pacientes aptos ao desmame, realiza-se testes para predizer a capacidade de manter a respiração espontânea após a extubação. Pacientes que não apresentam critérios de falha no teste de respiração espontânea podem ser considerados para extubação.

Os métodos mais utilizados no teste de respiração espontânea são o suporte ventilatório com parâmetros baixos e o tubo T:

  • O suporte ventilatório é feito comumente no modo PSV com parâmetros baixos (pressão de suporte 5 - 8 cmH2O, PEEP de 0-5 cmH2O e FiO2 < 40%).
  • O teste com tubo T consiste em retirar o paciente do suporte ventilatório e acoplar a uma peça em T com uma das vias conectada no suporte de oxigênio e outra via aberta ao ar ambiente.

Algumas evidências sugerem superioridade do uso do suporte ventilatório em PSV quando comparado ao tubo T. Um dos maiores estudos randomizados comparou PSV por 30 minutos (com pressão de suporte de 8 cmH2O) com tubo T por 2 horas [7]. Os pesquisadores encontraram maior taxa de extubação bem sucedida em 72 horas com PSV, sem aumento do risco de reintubação. Mais pacientes no grupo PSV utilizaram ventilação não-invasiva após extubação, o que pode ter interferido no sucesso dos pacientes em PSV. Além disso, taxas de reintubação foram mais baixas do que o habitual, possivelmente por ser uma população de baixo risco de falha, o que limita a generalização dos resultados.

Um outro trabalho recente não evidenciou benefício da PSV no sucesso de extubação, mas o grupo PSV teve um desmame mais rápido [8].

Estes trabalhos não avaliaram adequadamente pacientes de alto risco de falha de extubação.

O que esse estudo mostrou?

O estudo que motivou este tópico foi um ensaio clínico randomizado, multicêntrico em hospitais franceses e não cego. Os pesquisadores compararam o teste de respiração espontânea com PSV (pressão de suporte 8 cmH2O, FiO2 ≤ 40% e PEEP de 0) e com tubo T por uma hora em pacientes de alto risco de falha de extubação. O desfecho primário avaliado foi tempo livre de ventilação mecânica em 28 dias.

Foram incluídos 969 pacientes adultos com mais de 24 horas de intubação e com algum critério de alto risco de falha de extubação:

  • Mais que 65 anos ou
  • Qualquer doença cardiovascular (fração de ejeção ≤ 45%, edema pulmonar prévio, cardiopatia isquêmica ou fibrilação atrial) ou
  • Qualquer doença pulmonar (DPOC, síndromes de hipoventilação ou doença pulmonar restritiva).

O número de dias livres de ventilação mecânica em 28 dias não diferiu entre os grupos. O risco de reintubação em 7 dias também foi semelhante.

A taxa de falha de extubação foi de 13 a 15%, considerada baixa quando comparada a taxas de falha em pacientes de alto risco na literatura (25 - 30%). Isso pode ter ocorrido pelo alto uso de ventilação não-invasiva ou cateter de alto fluxo após a extubação (78% e 40%, respectivamente). Em locais em que estes dispositivos não estão disponíveis, torna-se difícil avaliar a equivalência dos protocolos.

Este estudo não acrescenta benefício ao uso da PSV como indicado em estudos prévios. Contudo, a PSV associa-se à capacidade de monitorização e ajustes de alarmes durante o teste de respiração espontânea, o que pode ser vantajoso principalmente em pacientes de alto risco ou em serviços onde a relação profissional-paciente é inadequada.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
15 de Maio de 2023

Anticoagulação no Perioperatório

O manejo de anticoagulantes no perioperatório gera muitas dúvidas. Em abril de 2023, o American College of Physicians publicou uma revisão sobre o tema. Vamos aproveitar para revisitar algumas recomendações importantes.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
1 de Maio de 2023

Ultrassom à Beira Leito para Diagnóstico de Fasciíte Necrosante

A fasciite necrosante é uma infecção grave e rara. O diagnóstico é difícil porque tem poucos sinais clínicos indicativos ou exames laboratoriais específicos. Em março de 2023 foi publicado no The American Journal of Emergency Medicine uma revisão sistemática sobre o uso da ultrassonografia à beira leito no diagnóstico dessa condição e aproveitamos para revisar o assunto.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
3 de Outubro de 2022

Dexmedetomidina para Sedação e Agitação

A dexmedetomidina, mais conhecida pelo nome comercial precedex®, é um sedativo cada vez mais encontrado nas unidades de terapia intensiva (UTI). Uma revisão recente publicada na revista Intensive Care Medicine avaliou se a dexmedetomidina é capaz de reduzir delirium na UTI quando comparado a outros sedativos. Vamos ver o que essa revisão acrescentou e rever o uso da dexmedetomidina.

hourglass_empty 7 min
Ler Tópico
18 de Julho de 2022

Instabilidade Hemodinâmica na Intubação Orotraqueal

Intubação orotraqueal (IOT) em pacientes críticos é um procedimento com alta taxa de complicações. Entre as mais comuns está a instabilidade hemodinâmica. O estudo PREPARE II avaliou se a administração de um bolus de fluido seria capaz de reduzir essa complicação. Vamos revisar o estudo e o manejo desse cenário.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
17 de Abril de 2023

Pneumonia por Broncoaspiração: Posicionamento da British Thoracic Society

A British Thoracic Society (BTS) publicou um posicionamento em fevereiro de 2023 sobre pneumonia por broncoaspiração. O objetivo desse documento foi complementar as diretrizes de pneumonias dessa sociedade. Este tópico revisa o tema.

hourglass_empty 11 min
Ler Tópico

article Artigos

Comparison between pressure support ventilation and T-piece in spontaneous breathing trials

Comparison between pressure support ventilation and T-piece in spontaneous breathing trials

Na SJ, Ko RE, Nam J, Ko MG, Jeon K. Comparison between pressure support ventilation and T-piece in spontaneous breathing trials. Respir Res. 2022.

Effect of Pressure Support vs T-Piece Ventilation Strategies During Spontaneous Breathing Trials on Successful Extubation Among Patients Receiving Mechanical Ventilation: A Randomized Clinical Trial

Effect of Pressure Support vs T-Piece Ventilation Strategies During Spontaneous Breathing Trials on Successful Extubation Among Patients Receiving Mechanical Ventilation: A Randomized Clinical Trial

Subirà C, Hernández G, Vázquez A, Rodríguez-García R, González-Castro A, García C, Rubio O, Ventura L, López A, de la Torre MC, Keough E, Arauzo V, Hermosa C, Sánchez C, Tizón A, Tenza E, Laborda C, Cabañes S, Lacueva V, Del Mar Fernández M, Arnau A, Fernández R. Effect of Pressure Support vs T-Piece Ventilation Strategies During Spontaneous Breathing Trials on Successful Extubation Among Patients Receiving Mechanical Ventilation: A Randomized Clinical Trial. JAMA. 2019.

A randomized, controlled trial of the role of weaning predictors in clinical decision making

A randomized, controlled trial of the role of weaning predictors in clinical decision making

Tanios MA, Nevins ML, Hendra KP, Cardinal P, Allan JE, Naumova EN, Epstein SK. A randomized, controlled trial of the role of weaning predictors in clinical decision making. Crit Care Med. 2006.

Comparison of three methods of gradual withdrawal from ventilatory support during weaning from mechanical ventilation

Comparison of three methods of gradual withdrawal from ventilatory support during weaning from mechanical ventilation

Brochard L, Rauss A, Benito S, Conti G, Mancebo J, Rekik N, Gasparetto A, Lemaire F. Comparison of three methods of gradual withdrawal from ventilatory support during weaning from mechanical ventilation. Am J Respir Crit Care Med. 1994.

A comparison of four methods of weaning patients from mechanical ventilation. Spanish Lung Failure Collaborative Group

A comparison of four methods of weaning patients from mechanical ventilation. Spanish Lung Failure Collaborative Group

Esteban A, Frutos F, Tobin MJ, Alía I, Solsona JF, Valverdú I, Fernández R, de la Cal MA, Benito S, Tomás R. A comparison of four methods of weaning patients from mechanical ventilation. Spanish Lung Failure Collaborative Group. N Engl J Med. 1995.

Liberation from Invasive Mechanical Ventilation with Continued Receipt of Vasopressor Infusions

Liberation from Invasive Mechanical Ventilation with Continued Receipt of Vasopressor Infusions

Zarrabian B, Wunsch H, Stelfox HT, Iwashyna TJ, Gershengorn HB. Liberation from Invasive Mechanical Ventilation with Continued Receipt of Vasopressor Infusions. Am J Respir Crit Care Med. 2022.

Spontaneous-Breathing Trials with Pressure-Support Ventilation or a T-Piece

Spontaneous-Breathing Trials with Pressure-Support Ventilation or a T-Piece

Thille AW, Gacouin A, Coudroy R, Ehrmann S, Quenot JP, Nay MA, Guitton C, Contou D, Labro G, Reignier J, Pradel G, Beduneau G, Dangers L, Saccheri C, Prat G, Lacave G, Sedillot N, Terzi N, La Combe B, Mira JP, Romen A, Azais MA, Rouzé A, Devaquet J, Delbove A, Dres M, Bourenne J, Lautrette A, de Keizer J, Ragot S, Frat JP, REVA Research Network. Spontaneous-Breathing Trials with Pressure-Support Ventilation or a T-Piece. N Engl J Med. 2022.