Clortalidona versus Hidroclorotiazida para Prevenção de Eventos Cardiovasculares

Criado em: 09 de Janeiro de 2023 Autor: Pedro Rafael Del Santo Magno

Existe uma briga entre os tiazídicos: entre clortalidona e hidroclorotiazida, qual mais protege de eventos cardiovasculares? Qual causa mais distúrbio eletrolítico? O New England Journal of Medicine (NEJM) publicou um estudo em dezembro de 2022 para responder essas questões [1].

Sobre os tiazídicos

Clortalidona e hidroclorotiazida são os principais diuréticos tiazídicos. Apenas a hidroclorotiazida é um tiazídico verdadeiro. A clortalidona é considerada um "tiazídico-like'' por ser um derivado da sulfonamida que simula a ação dos tiazídicos. A meia vida dessas drogas é diferente, como visto na tabela 1.

{Tabela1}

Os tiazídicos são uma das primeiras escolhas no tratamento de hipertensão arterial (HAS), muito devido ao trabalho ALLHAT, que encontrou benefício em eventos cardiovasculares com essa droga [2]. Tiazídicos também podem ser utilizados na prevenção de cálculos renais formados por cálcio.

Alguns trabalhos anteriores relacionaram a clortalidona a um maior controle pressórico. Uma das possíveis explicações é a maior meia vida da clortalidona, quando comparada com a hidroclorotiazida. Devido a esses achados, o estudo SPRINT, um dos maiores sobre HAS, preferiu a clortalidona como o tiazídico de escolha [3].

Ao mesmo tempo, alguns trabalhos observacionais indicam maior taxa de distúrbios eletrolíticos em quem utilizava a clortalidona. Foi nesse contexto de dúvidas de benefícios e malefícios que o trabalho que motivou esse tópico foi feito.

O que o trabalho encontrou?

O estudo selecionou 13.523 pacientes com 65 anos ou mais que estavam utilizando hidroclorotiazida. Os pacientes foram randomizados para continuar com a hidroclorotiazida na dose que usavam (25mg ou 50mg) ou trocar para clortalidona na dose (12,5mg ou 25mg, respectivamente). A média de anti-hipertensivos em uso era 2,6 medicamentos e 94% dos pacientes randomizados estavam utilizando a dose de 25mg de hidroclorotiazida.

O desfecho primário foi um composto de síndrome coronariana aguda, acidente vascular cerebral, internação por insuficiência cardíaca e morte não relacionada à neoplasia.

Com uma média de seguimento de 2,4 anos, o estudo não encontrou diferença do desfecho primário entre os dois grupos. A única diferença encontrada foi uma incidência maior de hipocalemia no grupo clortalidona, porém sem repercussões clínicas.

Um dos problemas do estudo está no seu desenho. Como todos os pacientes utilizavam hidroclorotiazida antes da randomização, aqueles que foram randomizados para clortalidona tendiam a atribuir qualquer novo evento adverso à nova medicação. Isso contribuiu para uma maior troca de clortalidona para hidroclorotiazida (15,4% do grupo clortalidona trocou para hidroclorotiazida versus 3,8% do grupo hidroclorotiazida trocou para clortalidona).

Quem não pode utilizar tiazídicos?

É necessário atenção a distúrbios eletrolíticos. Os tiazídicos estão relacionados a hipocalemia (como visto no estudo) e hiponatremia. Pode ser necessário trocar de classe de anti-hipertensivo em casos mais graves desses distúrbios. Hiperglicemia e hiperuricemia também estão relacionados a essa classe.

Tiazídicos podem causar hipercalcemia. Muitos pacientes que desenvolvem hipercalcemia após introdução de tiazídicos possuem hiperparatireoidismo primário que foi desmascarado pela droga [4]. Se a hipercalcemia ocorrer, a droga deve ser suspensa e os níveis de cálcio e PTH reavaliados após três meses.

Na doença renal crônica avançada, acreditava-se que os tiazídicos não funcionavam ou causavam lesão renal. Esse receio foi abordado no estudo CLICK [5]. O trabalho encontrou que a clortalidona é efetiva em quem tem doença renal crônica estágio 4 (taxa de filtração entre 30 a 15 ml/min). Contudo, a medicação pode ocasionar uma piora da função renal, principalmente quando utilizada em conjunto com diurético de alça. Essa piora tende a reverter em 12 semanas após a introdução da droga. Acredita-se que essa oscilação da função renal pode estar relacionada a um melhor controle pressórico inicial, alterando a regulação hemodinâmica renal.

Existe um receio de alergia à clortalidona por ser um derivado da sulfonamida, mas o risco parece ser baixo.

Compartilhe:
Aproveite e leia:
11 de Fevereiro de 2024

Hipotensão Ortostática

As diretrizes recentes de hipertensão arterial reforçam alvos mais baixos de pressão arterial, com comprovação de redução de desfechos clínicos. Muitas vezes o manejo desses pacientes é dificultado pelas comorbidades, como a hipotensão ortostática. Em janeiro de 2024, a American Heart Association publicou um novo posicionamento sobre rastreio e manejo da hipotensão postural em pacientes hipertensos. Este tópico traz os principais pontos do documento.

hourglass_empty 10 min
Ler Tópico
2 de Outubro de 2023

Plasmaférese

Plasmaférese é a remoção extracorpórea do plasma sanguíneo com troca por um fluido de reposição. Esse procedimento é realizado para tratamento de doenças neurológicas, hematológicas e renais. Este tópico aborda aspectos técnicos e revisa as principais indicações.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico
6 de Maio de 2024

Varfarina: Bulário e Quando Preferir em Relação aos DOACs

A varfarina é um anticoagulante antagonista da vitamina K. Ela atua inibindo os fatores de coagulação dependentes desse nutriente: proteína C, proteína S e fatores de coagulação II, VII, IX e X. Os anticoagulantes orais diretos (DOAC) são a primeira escolha em muitas situações, mas a varfarina ainda tem espaço na prática. Uma recente revisão do Journal of the American College of Cardiology avaliou essa questão e um ensaio clínico de janeiro de 2024 publicado no Circulation estudou a varfarina em indivíduos frágeis. Este tópico revisa o uso atual de varfarina.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
13 de Junho de 2022

Hiperuricemia Assintomática e Alopurinol

Alopurinol para controle de ácido úrico em pacientes com gota é bem estabelecido. A controvérsia começa no controle da hiperuricemia em pacientes assintomáticos. Pegando carona em um estudo recente sobre o tema, vamos revisar as evidências sobre esse tópico.

hourglass_empty 9 min
Ler Tópico
4 de Setembro de 2023

Tratamento da Coronária Não Culpada no Infarto Agudo do Miocárdio

O tratamento do infarto agudo do miocárdio (IAM) envolve a revascularização da coronária acometida. Ainda há dúvidas sobre o manejo de estenoses em coronárias não envolvidas no IAM. O congresso da European Society of Cardiology (ESC) de 2023 trouxe resultados de dois estudos sobre esta situação. Este tópico revisa o tema e traz um resumo dos estudos.

hourglass_empty 8 min
Ler Tópico

article Artigos

Chlorthalidone for Hypertension in Advanced Chronic Kidney Disease

Chlorthalidone for Hypertension in Advanced Chronic Kidney Disease

Agarwal R, Sinha AD, Cramer AE, Balmes-Fenwick M, Dickinson JH, Ouyang F, Tu W. Chlorthalidone for Hypertension in Advanced Chronic Kidney Disease. N Engl J Med. 2021.

Thiazide-Associated Hypercalcemia: Incidence and Association With Primary Hyperparathyroidism Over Two Decades

Thiazide-Associated Hypercalcemia: Incidence and Association With Primary Hyperparathyroidism Over Two Decades

Griebeler ML, Kearns AE, Ryu E, Thapa P, Hathcock MA, Melton LJ 3rd, Wermers RA. Thiazide-Associated Hypercalcemia: Incidence and Association With Primary Hyperparathyroidism Over Two Decades. J Clin Endocrinol Metab. 2016.

A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control

A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control

SPRINT Research Group, Wright JT Jr, Williamson JD, Whelton PK, Snyder JK, Sink KM, Rocco MV, Reboussin DM, Rahman M, Oparil S, Lewis CE, Kimmel PL, Johnson KC, Goff DC Jr, Fine LJ, Cutler JA, Cushman WC, Cheung AK, Ambrosius WT. A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control. N Engl J Med. 2015.

Major outcomes in high-risk hypertensive patients randomized to angiotensin-converting enzyme inhibitor or calcium channel blocker vs diuretic: The Antihypertensive and Lipid-Lowering Treatment to Prevent Heart Attack Trial (ALLHAT)

Major outcomes in high-risk hypertensive patients randomized to angiotensin-converting enzyme inhibitor or calcium channel blocker vs diuretic: The Antihypertensive and Lipid-Lowering Treatment to Prevent Heart Attack Trial (ALLHAT)

ALLHAT Officers and Coordinators for the ALLHAT Collaborative Research Group. The Antihypertensive and Lipid-Lowering Treatment to Prevent Heart Attack Trial. Major outcomes in high-risk hypertensive patients randomized to angiotensin-converting enzyme inhibitor or calcium channel blocker vs diuretic: The Antihypertensive and Lipid-Lowering Treatment to Prevent Heart Attack Trial (ALLHAT). JAMA. 2002.

Chlorthalidone vs. Hydrochlorothiazide for Hypertension-Cardiovascular Events

Chlorthalidone vs. Hydrochlorothiazide for Hypertension-Cardiovascular Events

Ishani A, Cushman WC, Leatherman SM, Lew RA, Woods P, Glassman PA, Taylor AA, Hau C, Klint A, Huang GD, Brophy MT, Fiore LD, Ferguson RE, Diuretic Comparison Project Writing Group. Chlorthalidone vs. Hydrochlorothiazide for Hypertension-Cardiovascular Events. N Engl J Med. 2022.
article

Resumo

auto_stories

Referências

computer

Multimídia

list

Índice

Edição #28
replay_10