Efeito Adverso Idiossincrático

Um evento adverso idiossincrático de medicamento é um efeito adverso que não pode ser explicado pelas ações farmacológicas conhecidas da droga, não ocorre em qualquer dose na maioria dos pacientes e acontece de forma imprevisível em indivíduos suscetíveis. Assim, essas reações não podem ser antecipadas se baseando apenas no mecanismo da droga.

As reações idiossincráticas podem ser imunomediadas, como reações de hipersensibilidade, ou não imunomediadas, envolvendo suscetibilidade individual relacionada à produção anormal ou desintoxicação defeituosa de metabólitos citotóxicos reativos. O fígado é um alvo comum de toxicidade idiossincrática. A patogênese pode envolver fatores de risco genéticos e ambientais que modificam o metabolismo hepático e a excreção do agente causador. 

Fatores genéticos influenciam na probabilidade de reações idiossincráticas. Exemplos de reações desse tipo são hipersensibilidade ao abacavir associada ao HLA-B*5701, hipersensibilidade a carbamazepina mediada por HLA-A*3101 ou B*1502, reações cutâneas graves ao alopurinol na presença de HLA-B*5801 e efeitos adversos de alguns antibióticos, especialmente sulfonamidas, causando lesões cutâneas e dano hepático.


Referências:

  1. Zaccara G, Franciotta D, Perucca E. Idiosyncratic adverse reactions to antiepileptic drugs. Epilepsia. 2007.